Arquivo 2020

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
User Experience Designer na XP Inc.

UX designer focada no mercado digital há 10 anos, sou apaixonada por tecnologia, processos, pessoas e arte. Tenho como objetivo criar boas experiências para todos, de forma ágil e escalável.

Maju Santos
Escute este artigo

Já faz tempo que nós, designers, abraçamos o mundo, queremos não só estar envolvidos, mas liderar todas as etapas do processo e opinar em diversas áreas de conhecimento. O problema é que isso é inviável, não só pelo impacto no processo em si, mas porque passamos a embasar nossas soluções em áreas de conhecimento que outras especialidades dominam há décadas, fazendo as mesmas perguntas e com menos profundidade. 

Para conseguirmos abranger todas essas áreas de conhecimento na solução, afunilamos o escopo da forma errada, afunilamos para quem a solução se destina e "automatizamos" algumas dessas escolhas. Paramos de pensar na adversidade e diversidade de contextos e acesso, e passamos a tomar decisões com base em alguns poucos números e padrões.

Não estou falando que devemos ignorar os dados, devemos usar dados sim! Na "era Google" é natural que busquemos ser data driven, só que esquecemos que não somos o Google e que o próprio Google ainda busca corrigir seus próprios vieses. 

Devemos usar dados, mas aqueles que fornecem informação e hipóteses sólidas, os que não nos limitam e, principalmente, os que não limitam os nossos usuários, o que eles fazem e como eles têm que ser e acessar nossas soluções. Quando falamos especificamente sobre formas de acesso, o público PCD é um dos mais impactados e a utilização de dados se torna um desafio ainda maior. 

Segundo o Censo de 2010, 24% da população brasileira possui algum tipo de deficiência. Tendo em vista que nossa tomada de decisão é baseada em dados, quando comecei a trabalhar com acessibilidade acreditei que esse número seria um fator determinante na priorização de um projeto focado em soluções acessíveis, mas um dos problemas que encontrei para fazer isso acontecer é o fato de não termos nenhuma métrica dentro das nossas empresas que envolvam pessoas com deficiência e forma de uso da tecnologia em si. 

 "Sempre me perguntam: "Nick, por que fazer meu website acessível? Não tem ninguém que acesse meu website que possua alguma deficiência. Não tem ninguém cego acessando o meu website."
E a minha resposta é sempre "como você sabe?""
( 2018, Nicolas Steenhout, consultor de acessibilidade) 

Essa é a resposta de um especialista em acessibilidade há 20 anos, e essa é a resposta que usamos até hoje, porque a realidade é que não existe uma forma de saber se um usuário possui algum tipo de dificuldade de acesso a não ser perguntar diretamente para ele. Nós temos métricas de utilização de devices, abandono de funil, tempo de página, mas não sabemos de fato o motivo que leva o usuário a cada uma dessas decisões e acabamos criando hipóteses baseados em vieses que dificilmente incluem pessoas com deficiência, porque, apesar de serem ¼ da população, ainda possuímos equipes pouco diversas, e é aí que nossas escolhas baseadas em dados começam a parecer um pouco incoerentes. 

Se cerca de 8% dos homens possuem algum tipo de daltonismo, uma das deficiências visuais mais comuns, isto quer dizer que mesmo sem marcação de "clientes daltônicos" na minha base eu devo inferir que 8% dos homens contidos nela possuem algum daltonismo. É uma certeza? Não, mas ao ignorar esse número quando desenhamos nossas soluções, estamos naturalmente segregando quem é o nosso público. 

Como você sabe que parte do abandono daquele funil não é um problema de literal que você deve corrigir do formulário e sim um problema de contraste de labels? 

Por que um faz mais sentido que o outro para se tornar a sua hipótese?

Por que criamos diversas personas com nossos dados de clientes e pesquisas com usuário, mas nenhuma delas possui algum tipo de deficiência mesmo sabendo que ¼ da nossa base pode ter alguma dificuldade de acesso?

Por que baseamos nossas decisões em números, mas 24% da população parece um número tão pequeno comparado a "2% do funil de conversão"?

O que determina a relevância de um número afinal?

Não há dúvidas que designers precisam estudar outras áreas de conhecimento para desenvolver seu potencial, e não há dúvidas que dados é uma delas, mas isso não deve nos fazer esquecer a origem do nosso trabalho ou conhecimentos que já estão no mercado há um tempo e que deixamos de desenvolver nas nossas soluções. Acessibilidade é um deles.

O problema é que quando aprendemos "tudo", não aprendemos com profundidade, e acessibilidade é um assunto que exige profundidade, seja de conceito, seja de atenção, pois é um assunto 100% relacionado a pessoas e como elas interagem (ou querem interagir) com a nossa solução. Acessibilidade é um assunto que envolve números assim como qualquer outro (mesmo que sejam números que decidimos ignorar), mas também envolve desenvolvimento de TI, Arquitetura da informação, UX, user research, entre outras áreas de conhecimento. Por conta disto, é um assunto que saiu do nosso dia a dia e está na mão de poucos especialistas no mercado brasileiro.

Uma vez que uma fonte de conhecimento é destinada apenas a especialistas, tende-se a crer que os problemas serão, em algum momento, solucionado por eles, mas a realidade é que este isolamento gera uma bola de neve, deixando este assunto cada vez mais longe do nosso dia a dia, cada vez mais longe das nossas conversas e, como consequência, o público PCD cada vez mais inexistente aos nossos olhos. Assim como em qualquer outra especialidade de design (data, por exemplo), os especialistas de acessibilidade estão aqui para desvendar e facilitar o tema, e nós, designers nas empresas, temos que consumir esse conhecimento e aplicar nos nossos projetos. 

Mas como fazer a diferença aos poucos ou começar a trabalhar com acessibilidade em uma instituição que já possui um viés de valor com relação ao público PCD? 

Comece pequeno! 

Comece com coisas que estão ao seu alcance, "coisas de designer", coisas que pertencem tanto à nossa especialidade que dificilmente alguém irá questionar e que certamente dominamos os argumentos.

Crie personas com deficiência para fazer parte das suas discussões de escopo. De forma sutil, isso se torna uma provocação e uma representatividade na tomada de decisão.

Inclua boas práticas de acessibilidade na sua interface, como contraste, tamanho de fonte, escolha de elementos de baixa complexidade de uso, hierarquia da informação consistente, etc. Esse pequeno refinamento e atenção à qualidade do design já estaria incluindo pessoas daltônicas, com dislexia, com baixa visão e em alguns casos pessoas com deficiência motora, por exemplo.

Opte por elementos nativos para construir sua solução. É sempre bom criar coisas diferentes, mas a inovação vai além do layout. Elementos nativos são mais acessíveis por padrão, melhores interpretados por leitores de telas e, pela simplicidade de implementação, mais fáceis de defender com o time de tecnologia.

Que tal dar um passo à frente? Esteja próximo dos desenvolvedores. Especifique a forma em que os elementos e suas labels devem ser identificados e representados pelos leitores de tela, aos poucos eles irão incorporar esses detalhes nas soluções. Vocês irão se surpreender com como os desenvolvedores levantam a bandeira da experiência acessível até mais do que designers. Eu me surpreendi.

Teste a entrega final! Garanta que todos os detalhes que incluiu no seu conceito estão sendo aplicados e faça o QA de UI e de acessibilidade. Faça documentos formalizando os ajustes, filme a utilização do leitor de tela e dê exemplos. Além disso, existem ferramentas gratuitas que validam a semântica do código e podem direcionar o time a fazer o refinamento mais técnico (sério, cola no desenvolvedor!).

Por fim, mas não menos importante, foque em inovação, mas na inovação que soma, e não na que segrega. No caso de escolher uma função pouco inclusiva, ofereça mais de uma forma de interagir com a sua solução.

São formas de trabalhar que em teoria já poderiam estar acontecendo. Aos poucos, com uma visão segregada, passamos a ignorar boas práticas do design e o design universal, conceitos estabelecidos no mercado há décadas. Tiramos marcadores de foco por serem "feios", diminuímos fontes para caber mais conteúdo antes do scroll, criamos banners rotativos e piscantes para chamar atenção e entregar mais conteúdo em menos espaço, diminuímos a quantidade de conteúdo explicativo nas interfaces para ficarem mais "clean", entre outras práticas que passaram a fazer parte do nosso dia a dia e que ferem diretamente a acessibilidade e o bom design.

Estamos realmente desenvolvendo outras áreas e conhecimentos ou só aceitando novos argumentos para desenhar uma solução mais rápida e com menos qualidade? Temos que pensar no valor que o design entrega para a empresa sem esquecer o valor que entrega para os usuários, pois não existe o primeiro no longo prazo, sem o segundo. Temos que defender a acessibilidade e não acreditar que ela nos limita, mas a nossa falta de conhecimento técnico sobre o tema, isso sim nos limita. Se formos parar para pensar, grande parte das inovações e tendências têm como base a acessibilidade, mas nós as vemos como "inovação" porque elas facilitam o NOSSO acesso. Alexa, IA das redes sociais, controles por voz, robôs, veículos autônomos, realidade aumentada, a própria acessibilidade e diversidade são uma tendências por si só.

"A diversidade humana é a base da inovação disruptiva."
(2020, Frances West)

Precisamos integrar estes conceitos, precisamos somar esses conhecimentos novos aos antigos da nossa especialidade, voltar a fazer as perguntas difíceis que nenhum número dos nossos dashboards conseguirão nos responder.

Quem são meus clientes? + Por quê?

Quem não é meu cliente? + O que eu posso fazer diferente para diversificar a minha base?

Quanto ganham? + Quais seus objetivos de vida?

Qual o histórico de consumo? + Qual a sua história?

Qual a familiaridade que possuem com o meu segmento? + Como posso ensiná-los?

Quantas vezes compraram na minha loja no último mês? + Por que consomem dessa forma?

Por que abandonam o funil? + Existe algum problema de acesso?

Até agora, a tendência do design foi tentar se integrar aos novos processos e ao negócio da empresa com objetivo de ganhar escala nas soluções. Agora, principalmente com a pandemia e o aumento do uso das soluções digitais, a tendência é voltar a ter como objetivo integrar pessoas a essas soluções, e quando digo pessoas, considere todas as pessoas. Então vamos aproveitar esse momento para retomar e aplicar conhecimentos antigos, mostrar que o design faz sim parte do negócio e que o melhor para o negócio é ter a diversidade como público.

"Se acreditarmos que estamos entrando no mundo da tecnologia centrada no ser humano, onde o humano e a máquina se unirão, isso significa que todo o pensamento sobre a inclusão é mais do que apenas um "tópico humano" e deve ser equilibrado com a tecnologia."
(2018, Frances West)

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro
não clique