Arquivo 2020

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Design Chapter Lead na Goomer
Designer do interior

Trabalha com interfaces de usuário desde 2005. Deixou de trabalhar com código há seis anos, e desde 2019 é Product Designer na startup Goomer, onde figura também como Chapter Lead. Pai da schnauzer Tina, fã de Seinfeld, Radiohead e yoga.

Felipe Marinelli
Escute este artigo

Os escritórios do interior pareciam a Dunder Mifflin

Quando comecei a fazer sites no interior, numa firma que parecia a filial da empresa de papel do seriado "The Office", eu apenas sonhava com o burburinho do mercado da capital. Não imaginava que um dia estaria numa de suas salas coloridas, com pessoas de uma miríade de lugares do Brasil e seus iPods, calças sociais e camisetas do Interpol; esses lugares só existiam em filmes e essas pessoas em listas de e-mail. Eu não sabia como chegar lá. 

Na época, havia um abismo gigantesco entre Engenharia e Design, bem onde está a nossa área. Hoje, a gente está careca de saber que UX tem um pézinho em arquitetura, outro em psicologia comportamental, negócios, etc. Em 2004, "Design de Produto" ainda significava projetar cadeiras. Acabei indo para "Propaganda e Marketing", mas a maior revelação desse período foi quando eu encontrei um livro do Luli Radfahrer na biblioteca, o "Design/Web/Design". O livro começava com uma piada sobre como ele havia pendurado um diagrama complicado para confundir os colegas de trabalho. E uma ideia de carreira começava a se formar na minha cabeça.

Comecei a cobiçar um trabalho e uma transferência para a capital. As únicas graduações disponíveis eram a do SENAC (um carro popular por ano) e "Desenho Industrial" no Mackenzie. Mergo, Tera, Meiuca e os 379 cursos online de formação em UX estavam anos longe de existir. Num movimento consciente, resolvi me apoiar momentaneamente em programação, cuja barreira era mais técnica (ou você sabia, ou não) e depois eu ia me virar para "migrar" de volta.


É menos difícil quando você se inspira em alguém

O primeiro emprego do meu pai foi numa tipografia. Ele sempre falava sobre papeis e tipos, recordava o processo de enfileirar as palavras na impressora, letra por letra, e como todas eram recolhidos no final e guardados em caixas específicas. Ele compôs e imprimiu o convite do próprio casamento assim. Meu pai foi o primeiro designer que eu conheci.


Legenda: Em 1970 ainda não existia Corel Draw nas gráficas regionais

Texto alternativo: Fotografia de um convite de casamento antigo

Consegui entrar numa agência em São Paulo como desenvolvedor junior. Mil reais. Um terço do salário eu só via no holerite. Metade do que sobrava ia no aluguel - eu morava atrás do sofá numa sala (sem cortinas) de um apartamento com mais quatro pessoas. O restante ia em lanches, filmes e bar. Fiz muitos amigos. Isso foi em 2007.

A sigla "UX" começou a pegar forte nessa época, mas ainda parecia fancy ou algo que todos falavam mas não sabiam direito o que era, "trend da McKinsey". Apesar disso, a agência onde trabalhava já tinha um time de Interface e A.I. (Arquitetura de Informação) dos sonhos. Ali, tive o privilégio de conhecer e trabalhar com a Ana Coli, André Palugan,  Marquinho Moreira (@uxdaquestao_).

Depois dali, naveguei o mercado por um tempo, sempre tendo a sorte de ancorar em times extremamente capacitados e esbarrar em pessoas que sabiam acolher, ensinar ou ao menos mostrar e fazer com que eu aprendesse a me virar. Até hoje eu acho que cada projeto feito observando designers mais experientes vale por um nanodegree.

Em 2014, no PagSeguro, absorvi muito dos mestres Stefan Martins, Fábio Zacarias e Paulinha Ramos (in memoriam). Eu anotava cada indicação de livro, ia nos eventos; ainda hoje, devo mimetizar sem perceber algum gestual deles em reuniões. O time de "Concepção" (como eles chamavam UX no UOL) era gerido pela Lu Terceiro. Lembro especialmente desse time sempre que preciso advogar com força pela instituição "usuário". Até hoje eles não sabem disso, mas foi ali que decidi que já estava na hora de olhar mais para pessoas e menos para código.

Design com sotaque caipira e vacas no brejo

Depois de um tempo já trabalhando com Design no interiorrr, comecei a reparar que muitas empresas (entre locais que trabalhei, clientes ou empresas de amigos) tinham dificuldades ou simplesmente bloqueavam (em diferentes níveis) qualquer ajuste de processo (encaixar melhor os designers no Agile Scrum, por exemplo), sugestão de novas skills ou práticas; ao mesmo tempo, também vi ambientes que permitiam e encorajavam uma experimentação ilimitada na base da tentativa e erro (de forma anárquica até); depois entendi que as empresas nessas duas extremidades do espectro não sabiam, na verdade, como trabalhar com Design ou implementar uma cultura propícia para isso.


Legenda: "Cada 1 dólar investido em UX, traz 100 dólares de retorno para a empresa", disso os stakeholders gostavam

Texto alternativo: montagem mostrando duas fotografias de um mesmo produto, uma bóia aquática que funciona como porta-copos. A primeira foto, da própria embalagem do produto, mostra a bóia funcionando perfeitamente, com um copo de soft drink e canudo. A segunda foto, mostra o decepcionante produto real, afundando em uma banheira.

Uma das minhas hipóteses é que há questões estruturais em cena: ainda existem gestores que compartilham pelo menos "um ou mais" traços psicocomportamentais com Michael Scott (o melhor chefe do mundo, auto-proclamado). No capítulo "Business School", Michael é convidado para dirigir-se à classe de MBA de um dos colaboradores; durante a apresentação, o personagem é confrontado de maneira desconcertante por seu estilo ultrapassado e incapacidade de reagir, negando-se a aceitar a dura realidade (um dos episódios em que o apelido "rindo de nervoso" mais faz sentido para esse estilo de comédia).

Outra teoria é que talvez os atores responsáveis por evangelizar e amadurecer a cultura do Design, nesses lugares, carecem de ferramentas adequadas para criar um ambiente mais Design-centric. Hard skills, soft skills, liderança, apoio, visão de negócios? Penso que alguns profissionais não têm mesmo a bagagem necessária e subestimam a dificuldade da tarefa hercúlea, sob pressão interna ou externa. Não vou entrar no mérito do impacto na saúde mental dos envolvidos, mas aposto minhas fichas que reside aí uma dor oculta de muitos designers intermediários: de repente ser alçados a cargos e responsabilidades que representam um fardo maior do que podem suportar.

Quote:

Segundo a OMS, o Brasil é o país mais ansioso do mundo, com 9,3% da população afetada por distúrbios de ansiedade. 

E o timing da tecnologia? É, pode ser que isso talvez não estivesse ajudando: a gente ouve falar sobre Dev Ops há anos, mas somente agora em 2020, Design Ops aparece no topo do Hype Cycle do Gartner (sinal que logo surfará a curva da saturação).

Enquanto isso, a pessoa designer que não experimenta uma cultura de Design em seu espaço de trabalho, vê as janelas de tempo entre ser contratada, lutar e acabar sendo vencida pela estrutura imutável das empresas diminuindo cada vez mais. Próximo recrutador no LinkedIn. Emprego novo. Repeat. E a preocupação com a carreira aumentando.

Eu mesmo, depois de um tempo, comecei a perceber que estava virando uma espécie de Michael Scott designer, fadado a ter uma etiqueta de ativo da companhia grampeado na nuca. Neste momento, percebi que havia inúmeros pontos cegos sobre mim mesmo que eu não conseguia enxergar, enquanto tentava tirar a vaca do brejo. 

Legenda: Um feedback duro pode ser transformador

Texto alternativo: vídeo em GIF da cena de The Office em que o personagem Michael Scott rasga um livro

Quando voltei para Sorocaba, no início de 2019, embarquei num processo de reciclagem que segue até hoje. Investi bastante tempo estudando o que eu achava que já sabia (e descobri que sei ainda menos do que imaginava), mas a coisa mais importante que fiz foi ingressar numa comunidade local de profissionais e estudantes de Design, a UXSOR. Nessa vivência, percebi que muitas das minhas dores antigas e atuais ecoavam entre pessoas em diferentes fases da carreira. Vou deixar aqui alguns aprendizados:

1- A maior parte do conteúdo disponível sobre cultura de Design não leva em conta as limitações de empresas regionais

"Eu adoraria implantar a cultura do data-driven Design na empresa onde trabalho em ________ (cidade do interior), só preciso convencer o time de Engenharia, que é quem decide o que os designers fazem"

2- Você já foi um designer iniciante: acolha quem está chegando

Sim, algumas questões que surgem na comunidade são as mesmas de sempre. Como bem disse o Daniel Furtado, é como se estivéssemos em um eterno loop do Dia da Marmota: "Figma ou Adobe XD?", "Preciso saber codar?" ou ainda "Devo ser generalista ou especialista?".

Sem moderação, a comunidade corre o risco de se perder em discussões filosóficas e acaba virando palanque para opiniões polêmicas - nessa hora a evasão aumenta nos canais. 

3- Valorize a cena local de Design

É comum ver designers que estão mais avançados e que poderiam ajudar a amadurecer o Design regional aceitando um downgrade na carreira para ganhar mais nas capitais. Não dá para julgar! Por conta do trabalho remoto, isto provavelmente irá diminuir um pouco.

No entanto, se você estiver atuando na sua região, à frente de uma comunidade, procure construir pontes, sempre que possível, com professores, universidades e instituições locais, articular uma rede de apoio, patrocinadores. Se você é uma pessoa designer, não tem desculpa, participe!

4- Você é uma Masterclass ambulante

Minha evolução profissional só foi possível pela convivência e aprendizado com grandes pessoas designers. Grandes mestres. Talvez você não perceba, mas se você já tem alguns anos de estrada, já virou referência para os olhos de outra pessoa designer mais nova. O mínimo que você pode fazer é contar a sua história e compartilhar a resposta para a seguinte pergunta:

Como você fez para chegar até aí?


Legenda: Antes da pandemia, nós recebemos em Sorocaba várias pessoas designers para

 compartilhar essa e outras respostas e promover inspiração entre designers iniciantes.

Texto alternativo: Imagem de um grupo de pessoas participantes de um evento da comunidade UXSOR

Também em 2019, eu entrei na Goomer, uma startup de comida nascida e criada no interior, mas com a cabeça no mundo! Desde que comecei, fui abraçado por uma família que não mede esforços para que você se sinta em casa, literalmente (nossa sede fica numa casa com jardim, quintal e cachorro). Aqui, propósito e entrega de valor andam de mãos dadas; estamos em contato com pessoas o tempo todo, e alcançamos resultados enquanto cozinhamos juntos. É possível - pessoas construíram isso!

O que eu refleti sobre Design de Produtos com The Office

Se você chegou até aqui, obrigado pelo tempo investido na leitura desse metade artigo/metade crônica. As inúmeras referências a The Office ficam por conta do ano de 2020 - a série que retrata um escritório ordinário foi o conteúdo mais consumido no ano em que mais trabalhamos de casa. Por aqui, ajudou a esquentar o coração.

A versão americana de The Office quase foi cancelada após a primeira temporada. O que aconteceu foi que o tom extremamente ácido do programa era inglês demais para o público americano. Coube aos produtores lidar com o feedback do ibope, a pressão dos executivos da NBC e promover uma evolução no produto, no caso, ajustar o personagem de Steve Carell tornando-o uma figura mais simpática e adicionando finais mais otimistas aos episódios. 

Legenda: Melhorias percebidas também na embalagem do produto

Texto alternativo: montagem mostrando duas fotografias de uma mesma pessoa, o ator americano Steve Carrell, interpretando o personagem Michael Scott. Na primeira fotografia, o personagem exibe uma aparência mais sisuda e caricata, na segunda fotografia, o personagem exibe uma aparência mais amável

Logo, é possível levar o mindset de produto também para a vida pessoal e carreira: se algo não está funcionando, melhor ajustar. Aceite com serenidade os feedbacks. Se algo não entrega valor, melhor repensar. Apenas lembre-se que antes de tudo, somos também, pessoas. 

Cuidem-se e tenham um ótimo 2021!

Links:

A série de artigos que eu gostaria de ter escrito para 2021:

"Leading with craft", é um compilado de textos e entrevistas com atores do mercado de Design global sobre uma nova liderança técnica em Design (liderando pela habilidade, CIs que lideram sem sair do operacional):

https://uxdesign.cc/leading-with-craft-a-series-on-hands-on-career-paths-in-our-industry-25aea911e708

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral
não clique