Arquivo 2020

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Co-autora do livro UX Research com Sotaque Brasileiro
Curiosa inveterada.

Denise Pilar é especialista em Experiência do Usuário (UX), Pesquisa de Experiência (UX Research) e UX Strategy. Doutora em Psicologia Cognitiva pela PUCRS. Mestre em Informática, pela Universidade Católica de Louvain, Bélgica, e Bacharel em Ciência da Computação, pela UPF. Trabalha com UX Research em ambientes corporativos desde 2009. Atualmente trabalha com Design Inclusivo e se dedica também ao ensino de UX, avaliação e expansão de maturidade de UX em empresas, e mentoria de futuros UXers.

Denise Pilar
Escute este artigo

Há alguns dias me perguntaram qual a soft skill mais importante num pesquisador de experiência. Respondi prontamente, pois a meu ver, a mais crítica é a inteligência emocional.  Você pode estar se perguntando, mas não seria a empatia? A escuta ativa? 

Com certeza empatia e escuta ativa são muito importantes, mas exercitá-las é mais fácil para quem tem inteligência emocional. 

A Inteligência Emocional está em alta. De acordo com o Relatório sobre o Futuro do Trabalho, publicado anualmente pelo Foro Econômico Mundial, de cinco anos para cá, entrou nas lista das Top 10 habilidades mais valorizadas no mercado, e já está em sexto lugar.


Na pesquisa de experiência, essa habilidade é ainda mais crítica, pois trabalhamos para entender e comunicar experiências, dores e necessidades alheias. Nossos relacionamentos são chave para nossos aprendizados. Em nosso dia a dia como pesquisadores de experiência é indispensável estabelecermos relacionamentos de confiança – em maior ou menor grau, mas em todos os níveis - para que possamos fazer um bom trabalho. 

Antes de falar da importância e da relevância da Inteligência Emocional para a pesquisa de experiência, é preciso deixar claro  o que entendo por Inteligência Emocional, e como cientista que sou, escolho definições direto da fonte 😊  Segundo os professores Mayer e Salovey, da universidade de Yale, que cunharam o termo nos anos 1990, Inteligência Emocional é a habilidade de perceber e reconhecer as emoções do outro. Como pesquisador, preciso ser capaz de identificar se meu usuário está frustrado ou se apenas vive um dia difícil. É ser capaz de nomear, avaliar e compreender as emoções que percebemos, e também de expressar tais emoções com precisão e adaptivamente, já que as emoções também acontecem em contexto, e precisamos adaptar nossas respostas às emoções que percebemos. É saber acessar sentimentos (ou gerá-los) quando precisamos deles para facilitar nosso processo de pensamento, em vez de enviesá-lo. Se eu sei que fico impaciente com pessoas prolixas, por exemplo, ao perceber minha impaciência, posso racionalizar que o outro não é responsável pelo meu sentimento e apenas tenta se expressar. Isso me ajuda a pensar com mais clareza.

Não é preciso ser a pessoa que todo mundo gosta, mas é indispensável sermos capazes de estabelecer conexões com os usuários com quem interagimos, afinal, se não conectarmos de alguma forma, não confiarão em nós, e se não confiarem, não obteremos os dados que buscamos. É estabelecendo conexões emocionais que se constrói confiança.

Outra parte importante do trabalho de pesquisador de experiência é lidar com a resistência, especialmente de stakeholders e, muitas vezes, de clientes. Resistência significa que parte da identidade da pessoa lhe está sendo tirada (e escrevo isto também para mim mesma...), ou seja,  eu resisto ao novo quando aceitá-lo significa enfrentar o fato de que tudo o que vivi e acreditei até agora pode ter sido uma fraude, um erro. Isso dói, então resisto. Ao nos depararmos com a resistência, estamos testemunhando alguém experimentar emoções para as quais não está preparado. Nessa hora, precisamos de toda a inteligência emocional que estiver disponível, para acessar as emoções da pessoa e mostrar a ela que não a estamos ameaçando.

Não é preciso ser um negociador nato, mas é preciso aceitar e acomodar as diferentes perspectivas e interesses. Stakeholders também são seres humanos, e, portanto, também precisamos de uma relação de confiança com eles.

Se consideramos emoções como informações, se olhamos para elas com curiosidade, como cientistas, se nos despojamos da mentalidade de soluções rápidas, fica muito mais viável ouvir sem julgar. É preciso aceitar verdadeiramente que o “meu jeito” não é necessariamente “o jeito certo”. E tudo bem.

Segundo o Dr. Marc Brackett, da universidade de Yale, a Meca da inteligência emocional, emoções são parte da experiência humana, não se pode deixá-las na porta do escritório. Por que seria diferente conosco, pesquisadores? Por que seríamos capazes de entrevistar um usuário com sucesso se não aprendermos a lidar com nossas próprias emoções? O que nos torna imunes? Como sabemos onde estamos e o quanto somos capazes de perceber e responder adequadamente às emoções dos nossos usuários? 

Fala-se tanto em não julgar, como se fosse simples, ou mesmo possível. Prefiro a ideia de que não somos capazes de evitar julgamentos, com base em nossos valores, crenças e vivências, mas podemos, sim, olhar para nossos julgamentos e questioná-los. Podemos adiar a sentença. Para isso é crucial desenvolvermos nossa inteligência emocional, intencionalmente.

Mas como saber quão emocionalmente inteligente eu sou? Será possível avaliar nossa própria inteligência emocional? Não. A minha percepção de minha própria inteligência emocional mede o que eu penso de mim mesma, minhas crenças, e vem contaminada por meus vieses. Seria então mensurável pela percepção de outras pessoas que convivem comigo? Também não. A percepção dos outros mede minha reputação, e está sujeita aos entendimentos de inteligência emocional por essas pessoas, que pode ou não ser correto, bem como a seus vieses. 

Como, então, se pode medir a inteligência emocional de alguém? Existem instrumentos cientificamente desenvolvidos e validados para isso, mas para a pesquisa de experiência, mais do que saber o quão emocionalmente inteligentes somos, o essencial é sabermos que precisamos constantemente nos preocupar com isso e buscar evoluir.

É relativamente “fácil” ser emocionalmente inteligente quando tudo vai bem. O grande desafio é exercitar a inteligência emocional quando as coisas dão errado, quando faltam recursos, quando somos contrariados, ou quando nos sentimos injustiçados. Inteligência emocional, então, aparece na forma como lidamos com conflitos, no momento em que o conflito acontece.

Para sermos bons pesquisadores, precisamos manter nossa mentalidade de aprendizes e nunca deixar de questionar nossos julgamentos, pois, em toda e qualquer situação, sempre haverão as três verdades: a minha verdade, a verdade do outro, e A verdade.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel
não clique