Arquivo 2020

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Product Design Manager no iFood
Designer

Eu ajudo times a conectar ideias e a desenhar experiências para produtos que entreguem valor para a vida e o dia a dia das pessoas. Product Design Manager no iFood

Bel Araújo
Escute este artigo

Esse ano não foi fácil.

É difícil falar de 2020 sem fazer uma retrospectiva que foi tão turbulenta e, ao mesmo tempo, com tão pouco movimento. Eu costumava fazer viagens semanais para Campinas, onde temos outra sede do iFood, e me lembro de, em uma destas ocasiões, concordar um pouco descrente em não ir aos escritórios por conta da pandemia. Lembro-me também, na época, de acompanhar diariamente este painel bem didático (e um tanto quanto assustador) do centro de pesquisa:

Image for post
Covid-19 dashboard, feito pela Johns Hopkins University.

Fomos impactados com um princípio básico de matemática para compreender a gravidade e velocidade do contágio do vírus: o conceito da curva exponencial — que veio junto de uma didática simples, porém pragmática, sobre como “achatar a curva” (aqui, exemplo tirado do New York times):

Image for post
Artigo "Flatten the curve"

Mudança de hábitos

Para começar, ao falar de hábitos de consumo, por razões de distanciamento social, nossa vida de compras migrou quase que instantaneamente para o delivery. Dados da Exame explicam um pouco esse panorama digno de nota:

O levantamento dividiu as compras em três períodos: 15 de fevereiro a 15 de março (30 dias antes da quarentena); 16 de março a 15 de abril (30 primeiros dias da quarentena); e 16 de abril a 15 de maio (segundo mês de quarentena).

Entre o primeiro e o terceiro período, os gastos com restaurante caíram 31%; 47% com transporte; 37% com combustível e 74% com hospedagem. Na outra ponta, os gastos em estabelecimentos online subiram 62%; enquanto em supermercados o avanço foi de 29%.

Já quando avaliado especificamente gastos em aplicativos, houve um avanço significativo em apps de delivery (173%); e-commerces em geral (278%) e streaming (41%). Já gastos com aplicativos de transportes caíram 48%, enquanto que em redes físicas de fast food, o recuo foi de 64%.

Com academias fechadas, bares e toda a nossa rotina de entretenimento outdoor resumida na área comum do prédio ou no quintal da casa (isso para quem possui os privilégios de manter o isolamento social), houve também aumento assombroso não somente da compra online, mas do uso da tecnologia na rotina digital.

Apesar de não serem mais novidade, é relevante mencionar pesquisas como a conduzida pela consultoria Kantar, que demarcam, por exemplo, aumento de 40% no uso dos aplicativos Instagram e Whatsapp durante o período inicial de quarentena. Outros dados também trazem essa intensificação digital, como o número de lives, que duplicou em semanas, com conteúdo que passou a ser, além de entretenimento, fonte de informação.

Um fenômeno que reflete tal topografia é também o de como mudamos, com os TikTokers, nossa forma de consumir e gerar conteúdo. Além da valorização, o aplicativo se tornou o mais baixado do mundo durante o primeiro trimestre de 2020, de acordo com o App Annie, com a marca de 2 bilhões de downloads. Sim. Bizarro.

Outro aspecto que sofreu revolução foi o profissional. No trabalho, as agendas ficaram insanas do dia pra noite. Foi o início de uma batalha sem fim para organizar a vida e entender, dentre muitas outras questões, o que precisava ser uma reunião e o que poderia ter sido um alinhamento assíncrono de Slack, por exemplo. Este post incrível do designer José Torre — sobre como criar uma rotina diária que permita o respiro (ou idas ao banheiro) — dá uma clareza sobre o ano pitoresco que tivemos “dentro” das empresas.

Image for post
Ilustração do artigo How can you find time to design?

Com todos estes temas, onde quero chegar?

Minha conclusão é a de que tivemos um excesso de cultura digital, de influência de novas tecnologias, de novas interações, que mudaram significativamente a forma como fazemos internet e interagimos com o mundo — e que, como designer, é natural o exercício de tentar compreender como isso pode se desdobrar sobre nós, nossos pares e o mundo em que atuamos.

1. Interação é assunto trivial

Com o uso intensivo de tecnologia no dia a dia, para tarefas que antes eram físicas e também para entretenimento, tivemos um avanço na curva de aprendizado mundial. De acordo com uma pesquisa realizada pela McKinsey, avançamos uns bons anos:

Image for post

Isso significa que o uso de interações elaboradas e da intuitividade na descoberta de novos produtos se tornaram assuntos triviais, independentemente da faixa etária — graças ao uso insistente e crescente durante a quarentena de produtos como TikTok, Instagram, Spotify, Youtube, dentre outros.

Isso pode mudar muito a forma como desenvolvemos essas interações, uma vez que nosso público mundial se qualificou em alguns steps para a inserção da tecnologia no dia a dia. É intrigante tentar imaginar quais serão os novos produtos e interações que se formarão após esse período, com usuários que estão cada vez mais qualificados.

2. Games vão engolir o mundo

Difícil imaginar aquela cena de happy hour não ser puxada por um Gartic na sequência. Se estamos todos à distância, sem oportunidade de diversão e interação físicas, o jogo fez as vezes da carta de baralho presencial e gera muitas risadas entre amigos. O game cresceu mais de 1600% somente no início da quarentena — e é só um minúsculo exemplo de como o mundo dos games foi fomentado durante a pandemia.

Foram abertas as cabeças de vários novos usuários e o mercado de games deu uma expandida natural de público. Entediadas em casa, quantas foram as pessoas que se renderam à tentação? Levantamento da consultoria NPD Group mostrou que, somente nos Estados Unidos, o consumo de jogos gerou US$ 10,6 bilhões em receitas, incremento de 9% em relação ao mesmo período de 2019. O ano de 2020 foi possivelmente só uma pontinha do que ainda vamos ver surgir nesse "novo" mercado.

3. Emotional design

Somos privilegiados como designers de viver neste novo mundo e de ter a oportunidade de desenhar as experiências do futuro. Com espaços e relações cada vez menos óbvios, empresas estão apostando em como aproveitar o momento para redesenhar experiências e criar novos serviços. O design toma uma cadeira holística nesse momento e se relaciona com várias outras disciplinas, para a expansão da visão e da criatividade.

Se tantas possibilidades de diversão estão limitadas (festivais, teatro, parques, cinema, música ao vivo e até a mesa do bar com amigos), quais são as oportunidades para criação de experiências “físicas à distância”? Como podemos inspirar as pessoas neste sentido? O Airbnb por exemplo, surfando a onda disruptiva, contratou Jony Ive, antigo Chief Design Officer na Apple, para abordar questões sobre como o mundo se comporta hoje e a partir de hoje. Ele é criador da Lovefrom, que tem no seu quadro designers, arquitetos, músicos, escritores, engenheiros e artistas trabalhando em conjunto, para este novo momento em que as pessoas estão sedentas por conexão, tanto pessoal quanto cerebral.

Deste modo, devemos ter mais espaço para pensar com sensibilidade sobre a experiência que o design proporciona, inserido na nova realidade. Existe uma sede por interações que não somente resolvam problemas banais no dia a dia, mas que de fato gerem valor na vida das pessoas.

Dentro desse espaço, como produtos do mundo inteiro vão se transformar para se conectarem de uma forma mais genuína com as pessoas?

4. Estímulo ao craft

Um tempo trancado em casa no faz exercitar o olhar para o detalhe. O que está lá e ainda não foi visto? Quais são todas as possibilidades?

Com a exposição aumentada de todos a cursos de DIY e a fazer pessoalmente tarefas que antes eram delegados a outras pessoas, restou nós mesmos darmos cabo ao que é necessário dentro de casa. Afinal de contas, isso ainda se configura como um excelente passatempo.

Incontáveis foram os amigos postando receitas de pão. Ou buscando comércio pequenos e locais em substituição a grandes marcas. Temos um olhar renovado para o Craft — e esta valorização pode trazer várias novas marcas, mais responsáveis e mais atentas à arte do fazer. E não só isso, vivemos um resgate ao manual, que se torna um alívio para a ansiedade do isolamento. Esse texto da Atlantic discute um pouco mais sobre o tema.

Conclusão: menos tecnologia.

O uso excessivo da tecnologia durante todo este pitoresco momento da humanidade nos leva para uma reflexão contrária. Precisamos criar produtos que facilitem, estimulem e conectem a vida das pessoas, mas que, principalmente, não as façam adoecer psicologicamente.

Conectar com o mundo externo, por mais bizarro que isso pareça agora, ainda significa criar espaço para laços reais entre as pessoas com a natureza, com sua família e amigos, com a sua própria casa e espaço. Mas nem todas as marcas estimulam isso integralmente. Existe uma horda de produtos construídos a partir de gatilhos negativos, como descreve o modelo Hook — e maratonar Netflix pode ser uma soma de experiência positivas, mas, também, pode despertar alguns gatilhos de culpa. Tudo depende da frequência, do contexto.

Como designers temos a responsabilidade de entender essas linhas tênues e de preencher o dia a dia das pessoas com valor e inspiração, mas sem nunca deixar de atentar aos limites da ética, da liberdade individual e do bom senso

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis
não clique