Arquivo 2020

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
UX Researcher na Easynvest
Pesquisadora, negra, feminista

Socióloga pós-graduada em Pesquisa de Mercado, Opinião e Mídia. Atualmente é UX Researcher na Easynvest.

Liliane Oliveira
Escute este artigo

Atualmente, o mercado na área de UX vem se mostrando bastante aquecido. Diante dessa efervescência, podemos perceber que, nos últimos anos, houve um aumento significativo de pessoas interessadas em ingressar no ramo e eu fui uma delas.

Trabalho como pesquisadora há mais de 15 anos. Há quase dois anos venho estudando sobre UX e, recentemente, consegui ocupar uma posição como UX Researcher.

Frequentemente recebo mensagens de pessoas que estão passando pelo mesmo processo e ficam curiosas para saber o tempo que levei para fazer a minha migração porque, na verdade, é uma fase que gera certa ansiedade, demanda tempo, muita reflexão, estudo e exige que tenhamos uma dose extra de paciência.

O ponto é que a pergunta que me fazem não tem uma resposta exata que eu possa dar porque não existe uma receita a ser seguida, mas sendo bem sincera, o que consigo dizer é que esse tempo depende de vários fatores, como por exemplo, nosso grau de preparação, entender o que as empresas estão exigindo como pré-requisito para contratação, número de vagas disponíveis para a posição que buscamos, nível de concorrência e por aí vai.

Não quero e nem tenho o direito de desmotivar alguém que esteja pensando em fazer ou passando por um processo de transição de carreira, porém, pelo fato de ter passado por essa experiência muito recentemente, também acredito que não devemos romantizar essa fase que nos traz dificuldades que são intrínsecas, já que, na verdade, há vários questionamentos que precisamos fazer para decidir se queremos ou não encarar essa mudança.

Questionar-me sobre por que eu quero fazer uma transição de carreira parece ser simples, mas não é. É a primeira pergunta a ser respondida de maneira convicta para embarcar nessa jornada –  que, por sinal, não é nada impossível de se fazer. Contudo, acaba sendo fundamental ter isso muito bem amadurecido para se chegar ao objetivo final que pode, sim, levar mais tempo do que se imagina.

Ao passar por esse processo, notei que profissionais de diversos ramos, têm enxergado a possibilidade de começar tudo de novo em uma área que está em ascensão e tem oferecido muitas oportunidades (infelizmente, ainda em menor escala para juniores e estagiários).

Mas, considerando o aquecimento no mercado e a quantidade de pessoas se preparando para ingressar, notam-se, inclusive, descrições de vagas um tanto quanto confusas e processos seletivos com critérios nem sempre transparentes.

Não é incomum, por exemplo, visualizarmos vagas cujos profissionais tenham responsabilidades que exijam conhecimentos técnicos que normalmente são exercidos por outros especialistas. Ao mesmo tempo, é possível notar um mercado cada vez mais exigente que busca profissionais cada vez mais qualificados.

Estudando para migrar

Quem está se movimentando para fazer uma transição de carreira para a área de UX, talvez tenha notado que a comunidade é muito receptiva. Desde que comecei a estudar, encontrei muitos profissionais dispostos a conversar e a compartilhar todo tipo de conhecimento. Aproveitei e ainda aproveito muito essas trocas. Há uma infinidade de conteúdos disponibilizados gratuitamente em canais do Youtube, Instagram, LinkedIn, além de textos publicados no Medium e lives acontecendo a todo momento. Tudo isso acaba sendo algumas das possibilidades, inclusive para ampliar nossas conexões e conhecer cada vez mais profissionais do ramo.

No entanto, estudar é um dos pontos mais importantes para se fazer uma transição de carreira. Ler, não somente artigos no Medium, mas também livros e fazer parte dos diversos grupos do WhatsApp, Telegram e Facebook são necessários, assim como seja inevitável investir em cursos para se aprofundar na área, considerando que há muitas escolas que oferecem cursos de diferentes cargas horárias inclusive no formato remoto, o que eu particularmente acho muito bom.

Outro aspecto que considero ser fundamental é pesquisar muito bem sobre a instituição, professores e coordenação. Investigar se o coordenador do curso tem experiência na área de UX e a trajetória dos professores, por exemplo, na minha opinião pode ser bem oportuno. Outro ponto importante é saber se você terá a chance de fazer atividades práticas para não ficar somente na teoria, pense com carinho sobre isso!

Diversidade

Logo que começamos a estudar sobre UX, entendemos que o usuário deverá estar no centro do processo de design. Pessoas têm histórias, vivem em contextos diferentes e carregam experiências que devem ser consideradas quando projetamos produtos e serviços. Por esses motivos, pensar em diversidade faz todo o sentido para mim.

Várias empresas têm usado um discurso de que é ou quer ser diversa, mas, na prática precisamos reconhecer que não é o que enxergamos no nosso dia a dia. Quando eu investigo um pouco mais sobre uma empresa, raramente vejo pessoas com mais de 50 anos, mulheres ou pessoas negras em cargos de gestão. Nessas horas, me pego pensando o seguinte: onde está a tal diversidade que meio mundo tem falado?

Sendo eu, uma mulher negra que acabou de migrar para a área de UX, posso dizer, com certa propriedade, que, ao longo dos 16 processos seletivos que participei, pude enxergar pouquíssimas pessoas como eu me entrevistando, por exemplo. Ao final de cada entrevista que fazia, sempre me questionava que a tal diversidade se limitava somente a alguns posts publicados nas redes sociais.

Se você quiser saber um pouco mais sobre este assunto, veja a Pesquisa Panorama UX 2020 aqui.

Embora saibamos que exista pouca diversidade na área de UX, quando penso no assunto, não dá para achar normal que um time de Design e Produto seja formado somente por pessoas brancas, mas que as empresas deveriam se preocupar em ter pessoas de faixas etárias distintas, pessoas com deficiência, pessoas que se identificam como LGBTQIA+ e que sejam, inclusive, de outras regiões do Brasil. Por que digo isso? Porque vejo um mercado cada vez mais exigente, com empresas querendo ser cada vez mais ágeis, com startups querendo virar unicórnios da noite para o dia, mas com pouquíssimas ações voltadas para ter um ambiente realmente diverso. Se você está fazendo a sua transição de carreira, também deve refletir sobre isso.

Pense comigo: será que um produto desenhado por profissionais de uma empresa localizada em São Paulo não deveria levar em consideração outros contextos de um país com extensões continentais como o nosso? Será que há diversidade suficiente entre os funcionários dessa empresa que possam trazer outros olhares, sotaques, pensamentos e experiências que, de alguma maneira, sejam capazes de agregar valor ao produto ou serviço que trabalham?

Embora acredite que nós, profissionais da área de UX devamos reconhecer que estamos longe de atingir esse tipo de pluralidade em nosso ambiente de trabalho, acredito que temos a responsabilidade de levantarmos essas bandeiras.

Aproveito para dizer às pessoas que estejam fazendo um super esforço para realizar uma migração de carreira e talvez não tenham se dado conta dessa pauta é que considero fundamental refletir sobre o tema.

O que eu espero com tudo isso? Que, sinceramente, possamos reconhecer privilégios, que possamos refletir seriamente sobre o assunto e promover esse tipo de discussão sempre que pudermos. Você pode até achar que é pouco, mas o importante é começar!

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar
não clique