Arquivo 2020

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Head de Design na Loft
Segundo minha esposa: Lindo, carismático, inteligente, sincero e orgulhoso / Na minha opinião, seriam: amigo, pai, dedicado

Reconstruindo parte do que acredito todos os dias para me tornar um profissional e uma pessoa melhor.

Kpelo
Escute este artigo

É preciso entender e reconhecer seus limites e suas fortalezas, para, então, encontrar — ou construir — um ambiente e rotina de trabalho que te complementa e te faz feliz.

A maneira como trabalhamos mudou mais rápido do que qualquer um poderia imaginar. Este poderia ser um texto de uma visão para 2025, mas o ano atípico que vivemos em 2020 acelerou a chegada do futuro do trabalho. Mudanças profundas na nossa rotina profissional, relacionamentos do dia a dia, aceleração da digitalização dos serviços e automatização dos processos.

As mudanças não param por aí, novas posições de trabalho nasceram e algumas habilidades ganharam um novo peso de relevância. Mudanças na nossa vida, no mundo, na empresa e no negócio, somadas às cobranças de líderes e a nossa autocobrança, além da necessidade de nos adaptar e sermos ágil para darmos conta de tudo, é a receita perfeita para o esgotamento emocional.

O novo contexto que estamos vivendo está forçando as empresas a encontrarem maneiras eficientes de projetar os sentimentos de bem-estar e pertencimento aos colaboradores.

Um estudo da Limeade e Quantum Workplace descobriu que funcionários com maior bem-estar têm mais probabilidade de se sentir engajados no trabalho, apreciar seu trabalho e recomendar sua organização. 95% dos líderes de RH concordam que o esgotamento impacta a retenção de funcionários. Mas apenas 12% acreditam estarem prontas para resolver esse problema.

A experiência no trabalho nunca vai ser linear, não estaremos sempre felizes e realizados. Teremos dias ruins, vamos nos sentir frustrados e decepcionados por várias vezes. O que nos dará forças para superar essas dificuldades e as más experiências será ter os pilares desse relacionamento — pessoa e empresa — bem estruturados. Esses pilares são:

inspired by Aleksandra Savic

Propósito — Trabalhar em algo que realmente acreditamos. É ter nosso porquê alinhado com o da empresa.

Cultura — Trabalhar onde nos sentimos bem e respeitados. É ter crenças e valores alinhados aos da empresa.

Perspectiva — Trabalhar com espaço para crescer. É ter uma curva de crescimento nivelada a da empresa.

Porém esses pilares precisam estar apoiados em uma base sólida, que se chama: confiança.

O que é confiança?

É um sentimento de quem acredita na sinceridade de algo ou de alguém. Para a psicóloga Denise Rousseau, a confiança é expressa como “um estado psicológico que compreende a intenção de aceitar uma vulnerabilidade baseada em expectativas positivas das intenções ou comportamentos de outro”. A expectativa positiva de que o comportamento da outra parte trará benefícios mútuos.

Isso aplicado ao relacionamento pessoa-empresa é possível dividir em três principais partes:

  1. Confiança em mim. Autoconfiança no meu potencial. Entendimento de quais são minhas fortalezas e fraquezas — está tudo bem ter fraquezas;
  2. Confiança na minha liderança. Aqui é mão dupla, o quanto eu confio na minha liderança e o quanto ela confia em mim;
  3. Confiança na empresa. Confio na direção que estamos seguindo. Sob a perspectiva do negócio, do ambiente e das pessoas.

Como construir essa base de confiança?

A confiança é adquirida no cotidiano da relação. Não é um processo construído unilateralmente. Ao contrário, pressupõe experiências vividas em conjunto. A construção da confiança está, a todo o momento, sendo negociada entre as partes. Esse sentimento se desenvolve a partir de uma série de comportamentos como atenção, carinho, cumplicidade, respeito, cuidado e transparência.

Na prática, esse processo é natural, mas não quer dizer que ocorra de forma simples. Os momentos particulares dos envolvidos também influenciam essa relação. É preciso escolher tornar-se vulnerável em virtude dessa construção.

Encontrar um equilíbrio para a nossa saúde mental será o problema mais complexo que nós vamos precisar resolver

Não temos mais um limite claro entre o trabalho e nossa vida pessoal, também não sabemos exatamente qual é a melhor forma de criarmos conexões e laços com as pessoas, além de não sabermos como podemos identificar se uma outra pessoa não está bem. O sentimento de solidão e o baixo potencial de colaboração, aumentam as chances de um esgotamento emocional e a falta de um sentimento de pertencimento ao time, empresa e propósito. Ainda temos muito para explorar e aprender para lidarmos com esse “novo normal”. Mas o primeiro passo precisa ser olharmos para nós mesmos e aprendermos “o que funciona” e “o que não funciona” para a nossa saúde mental.

O Centers for Disease Control and Prevention relatou que um a cada três americanos apresentou sinais clínicos de ansiedade, depressão ou ambos desde o início da pandemia.

Entre as três principais habilidades do futuro, uma delas é autogestão. Olhar para nós mesmos nunca foi tão importante.

Eu estou no poder de como eu me sinto e não entrego esse poder a ninguém — George Kohlrieser

Para fazermos o nosso melhor, precisamos estar bem.

Controlar as nossas emoções é o caminho para estruturar boa parte dessa base de confiança. Esse controle nasce em inteligência emocional, que é uma combinação de autoconhecimento, autogestão, vulnerabilidade, empatia e feedback.

Sei que não existe uma “receita de bolo” para resolver esses problemas. Mas minha melhor aposta neste momento é: construir essa base sólida de confiança traz mais estabilidade para todos, reflete em um ritmo mais controlado e evita esgotamento emocional.

Somente de 7% a 12% das pessoas são engajadas com o trabalho. Ou seja, de 88% a 93% não são engajadas. A maior parte é ativamente desengajadas e outras são passivamente, elas apenas fazem o trabalho delas e não se importam.

Acredito que com a base sólida e os pilares estruturados (PCP-C: Propósito, cultura e perspectiva, estabelecidas em uma base de confiança), é possível projetar o sentimento de bem-estar e pertencimento que todos queremos.

Qual é o nosso papel em tudo isso?

Tenha em vista que alcançar esses sentimentos é uma responsabilidade de todos , é importante redobrarmos os cuidados com nossa saúde mental, aceitarmos e falarmos mais sobre nossas vulnerabilidades, construirmos relacionamentos e conexões com as pessoas, não nos preocuparmos em sermos “a melhor pessoa” e sim em sermos “cada dia melhores”, e, principalmente, respeitarmos nossos corpos.

Para que as coisas realmente funcionem no dia a dia do relacionamento com o trabalho, precisamos de duas engrenagens impulsionando uma a outra: estrutural e comportamental.

Estrutural — Empresa e liderança estabelecendo cultura, processos, métricas, orientação e organização que potencialize as pessoas e o lado comportamental delas.

Comportamental — Pessoas contribuindo, interessadas, fazendo sua parte e potencializando o lado estrutural da empresa.

Uma engrenagem não funciona sem a outra. A empresa pode ter a melhor estrutura, se as e pessoas não fizerem a parte delas, nada vai acontecer. Assim como a empresa pode ter pessoas incríveis, super afim de fazer as coisas, se o lado estrutural não permitir que as coisas aconteçam, nada vai acontecer. Empresas e pessoas precisam e potencializam umas às outras. O combustível que alimenta essas engrenagens é a confiança.

Não há equipe sem confiança — Paul Santagata, Head of Industry at Google

Ah! As outras duas habilidades do futuro são: trabalhar com pessoas e resolver problemas complexos, isso te soa familiar?

O futuro é cheio de oportunidades. Tire o melhor disso.

Eu adoraria ouvir de vocês como enxergam esse relacionamento com o trabalho e nossos principais desafios no ano de 2021. Fiquem à vontade para me chamarem no Linkedin.

Aproveito para deixar aqui algumas referências que me inspiraram:

Deloitte. Produção de muitos materiais e pesquisas incríveis

World Economic Forum. 5 coisas para saber sobre o futuro dos empregos

Entrepreneur. 4 tendências que estão moldando o futuro do trabalho

Entrepreneur. Os perigos da fadiga digital e como priorizar sua saúde mental

The Japan Times. A semana de trabalho de quatro dias aumentou a produtividade em 40%, mostra experiência da Microsoft no Japão (artigo de 2019)

The Washington Post. Futuro do Trabalho

Havard Business Review. Equipes de alto desempenho precisam de segurança psicológica (artigo de 2017)

✨ Sempre gosto de reforçar a admiração que tenho pela Brené Brown e Simon Sinek. Não deixe de assistir esses dois vídeos:

📕 Livros

A coragem de ser imperfeito

Mais forte do que nunca

O jogo infinito

Agradecimento especial para Maria Santos pelas contribuições neste artigo.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro
não clique