Arquivo 2020

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Product Owner na Alura
Mulher, parda, estudiosa, pessoa colorida

Formada em Sistemas de Informação e Mestrado em Ciência da Computação. Trabalha há mais de 10 anos na área de UX Design, sempre com o foco na Acessibilidade. Já deu aulas de programação para pessoas com deficiência visual e atua como voluntária na ADEVA. Atualmente coordena os cursos de UX na Alura.

Livia Gabos
Escute este artigo

Quando falamos sobre a acessibilidade, às vezes, colocamos o assunto como se fosse a responsabilidade de apenas uma pessoa. Sendo essa pessoa relacionada de algum modo com os testes de acessibilidade, na maioria dos casos, por conta do seu conhecimento do assunto. Porém, isso significa que se a acessibilidade fica como responsabilidade de apenas uma pessoa, quando ela não estiver mais disponível, todo o trabalho dentro da empresa pode se perder.

Se a Acessibilidade não é disseminada pela empresa, poucas pessoas conseguem colaborar com a melhoria e evolução do processo e com o desenvolvimento. Já foi relacionado em outros artigos que a acessibilidade não deve ser responsabilidade apenas de uma pessoa. Assim como outros requisitos de qualidade, eles devem fazer parte do cotidiano de todas as pessoas da equipe, como descrito no artigo “Acessibilidade web como responsabilidade de todo o time do projeto” ou nesse artigo “Quem são os responsáveis por aplicar a acessibilidade em projetos digitais?”

Apesar da acessibilidade precisar ser avaliada por uma pessoa, como já dito, o seu conhecimento deve ser compartilhado com todos. Dessa maneira, é possível com que cada pessoa possa aprender e aplicar sua parte do conhecimento de acessibilidade no seu trabalho do cotidiano, de acordo com suas atividades e funções.

Acessibilidade dentro das empresas

Antes de começar a falar sobre responsabilidades, eu gostaria de nivelar algumas informações.

Dentre as várias definições para acessibilidade uma das minhas preferidas é a da W3C, presente no Fascículo 1 da Cartilha de Acessibilidade na Web, que diz que “acessibilidade na web é a possibilidade e a condição de alcance, percepção, entendimento e interação para a utilização, a participação e a contribuição, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, em sítios e serviços disponíveis na web, por qualquer indivíduo, independentemente de sua capacidade motora, visual, auditiva, intelectual, cultural ou social, a qualquer momento, em qualquer local e em qualquer ambiente físico ou computacional e a partir de qualquer dispositivo de acesso.”

O resumo dessa definição é de independente da localização, conhecimento, capacidades físicas ou intelectuais ou dispositivo, você consegue realizar a ação que você tem interesse no produto ou serviço online.  Essa é a definição mais simples com relação do que entendemos com relação a acessibilidade, que vem normalmente relacionada ao produto pronto. Mas onde encaixar a acessibilidade no cotidiano de uma empresa?

Processos e Pessoas seria a resposta resumida.

A resposta ampla é que a acessibilidade está presente no cotidiano das empresas, mesmo elas não percebendo isso. Uma empresa que se preocupa com as pessoas iniciantes nas suas carreiras, que se preocupa com o feedback das pessoas que utilizam seu produto, que tentam fazer com que seu produto\serviço seja conhecido e consiga chegar em mais pessoas, de alguma forma, pensa em acessibilidade.

Para explicar melhor esse ponto, não estou falando sobre intenções. A empresa pode fazer isso simplesmente para as pessoas terem um bom ambiente de trabalho ou para não ganharem um processo trabalhista. Mas de certa forma, existe o conceito de acessibilidade relacionado com isso. Por exemplo, fazendo com que as pessoas iniciantes de desenvolvimento não se sintam excluídas e entendam o que está acontecendo no projeto para colaborar. Ou que a empresa aprenda com os feedbacks recebidos e melhore seu atendimento, produto ou serviço.

Então, se pensarmos na acessibilidade como algo existente dentro da empresa, nos seus processos e nas pessoas, a questão da responsabilidade muda totalmente para a ideia de que cada pessoa tem o seu grau de responsabilidade. A acessibilidade se torna necessidade tanto para um cliente interno, como a pessoa iniciante, quanto para um cliente externo, que será a pessoa que vai usar o seu produto\serviço.

Mas como fazer com que todas as pessoas da empresa saibam sobre acessibilidade e como ela influencia o seu cotidiano de trabalho?

Product Owner  e Product Manager e suas responsabilidades

Vou abrir um parêntese na minha narrativa para explicar sobre 2 papéis existentes nas empresas atualmente. Fazendo uma certificação para Product Owner eu entendi a diferença sobre POs e PMs e caso você não tenha lido artigos sobre o assunto eu vou falar um pouco sobre isso.

Scrum é um framework que trata em como criar produtos com agilidade. Ele não é uma metodologia porque ele não define o como fazer. Ele deixa isso aberto para que cada um use as técnicas mais interessantes para a sua empresa e sua organização. O papel do Product Owner (PO) faz parte do Scrum, com responsabilidade relacionadas aos requisitos, visão e o roadmap do produto. Fazendo com que toda a equipe de desenvolvimento crie o que é considerado o produto certo.

Já o papel do Product Manager (PM) não faz parte do Scrum. Ele é um papel criado pelo mercado sem uma definição específica sobre ele, no final cada empresa acaba empregando a definição de acordo com a sua necessidade. Mas de uma maneira geral podemos falar que ele gerencia o produto, mesmo quando não existe algo em desenvolvimento naquele momento. Diferente do PO que precisa que o produto esteja em um ciclo de desenvolvimento para trabalhar com ele.

Existem outros artigos interessantes que falam sobre isso como o “Gerente de produto vs. Dono(a) de produto (PM x PO)” e “Você sabe a diferença entre Product Manager e Product Owner?”.

Agora entendendo esses 2 papéis e suas diferenças, vamos relacioná-los com a acessibilidade.

Accessibility Champion como PO ou PM nas empresas

Em um artigo do Marcelo Sales ele fala sobre o papel do Campeão de Acessibilidade ou Accessibility Champion, que possui características como:

  • Está familiarizado com uma variedade de tecnologias assistivas;
  • Compreende os efeitos sociais da inclusão;
  • É apaixonado por design inclusivo;

No artigo Marcelo fala sobre que o Accessibility Champion seria como um Líder de um Capítulo (Chapter Leader), mas voltado para acessibilidade. Eu concordo com esse papel, principalmente quando pensamos que o líder observa as pessoas e se preocupa para que elas desempenhem melhor o seu papel.  Ao mesmo tempo, se a organização não estiver separada em chapters ou trybes ou squads ou qualquer sub divisão de área, para quem fica a responsabilidade com relação a acessibilidade?

Pensando no contexto do produto, atualmente entendo que é necessário alguém com papel de liderança frente a questão da acessibilidade no produto. Alguém que decida quais as características de acessibilidade que serão adotadas nas funcionalidades. Observe se a visão do produto caminha junto com questões de acessibilidade. Identifique se as entregas do produto realmente entregam valor no aspecto com relação à acessibilidade. Que são todas atribuições características do PO nas empresas. Neste caso, podemos dizer que essa pessoa seria um Accessibility Product Owner, que ficaria responsável por incorporar a acessibilidade no cotidiano do produto.

Mas e o PM como ele se encaixaria nessa perspectiva de acessibilidade?

Se uma equipe termina um produto, o PM sempre será o responsável por aquele produto. mesmo se ele não fazer mais parte do cotidiano da equipe de desenvolvimento. Caso existam problemas de acessibilidade futuros, novas atualizações de tecnologias assistivas ou melhorias necessárias para que o produto continue sendo acessível, tudo isso fica como responsabilidade do PM. Neste caso, podemos dizer que essa pessoa seria um Acessibility Product Manager, que ficaria responsável por garantir que acessibilidade se mantém no produto e que a empresa não mudou a visão com relação a isso.

Por que eu trouxe a questão do Accessibility Champion no começo?

Talvez ele não seja o melhor papel para sua empresa neste momento. Talvez você precise de alguém que defina com maior precisão e liderança como o seu produto deve ser para ser acessível. Por isso trouxe os papéis de Accessibility Product Owner e Acessibility Product Manager, que existem no mercado internacional.

No final, por que estou falando sobre todos esses papéis?

Porque eu quero que você perceba que não é apenas uma pessoa que vai salvar a sua empresa ou o seu produto implementando maravilhosamente a acessibilidade. Muito provavelmente você vai precisar de um conjunto de pessoas, que entendam sobre as suas responsabilidade e itens técnicos, além do entendimento e aplicação da acessibilidade no seu contexto de trabalho.

Muitas pessoas de UX conversam comigo com dúvidas sobre como fazer para que a empresa ou sua liderança comece a implementar a acessibilidade nos seus produtos. Não é fácil fazer com que pessoas que não sabem de nada sobre acessibilidade entendam a sua importância e porque ela tem existir no produto. Mas e se a pessoa, que já entende de acessibilidade, for dona ou gerenciar o produto, o que impede de implementar a acessibilidade desde a sua base?

Isso significa que toda empresa vai precisar de um Accessibility Product Owner, de um Acessibility Product Manager e talvez até de um UX Accessibility que vão trabalhar juntos para fazer com que o produto seja acessível? Não. Essas pessoas podem existir em uma empresa, mas o fato delas trabalharem juntas não significa que o produto criado será acessível. Todas as funcionalidades do produto vão passar por esse PO? Ou por essa pessoa de UX? Se vão existir mais POs ou pessoas de UXs, como você sabe que o produto será acessível?

Podem existir pessoas especializadas em questões de acessibilidade, mas como falado anteriormente, isso não significa que ela deve ser a única na empresa. Todas as pessoas devem ter um conhecimento sobre acessibilidade e como implementá-la no seu cotidiano. Ao mesmo tempo, deve existir alguém responsável por negar uma entrega ou funcionalidade porque ela não está acessível, sendo esse um dos seus requisitos.

Hoje em dia, se alguém me perguntasse sobre como começar a implementar a acessibilidade na minha empresa eu daria a seguinte receita:

  • Contrate o máximo de pessoas especializadas em acessibilidade em diferentes níveis da empresa. Desde a pessoa de desenvolvimento até o PO e além.
  • Espalhe essas pessoas em toda a empresa em todas as equipes.
  • Faça com que eles se comuniquem sempre, para alinhar sempre o produto para as mesmas expectativas.
  • Dissemine o conhecimento dessas pessoas para as que estão próximas.

Algo só pode ser avaliado com relação a sua qualidade, se ela está presente desde o começo do processo. Nada surge como mágica e por isso a construção de uma maturidade de acessibilidade nas empresas é tão necessária.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie
não clique