Arquivo 2020

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Designer Sênior da Nhaí!
Designer, Preto, Ativista, Artista Visual

Meu nome é Eduardo Arce. Sou formado em Publicidade e Propaganda na Universidade FMU, com formação tecnóloga em Design Gráfico na Escola Panamericana de Artes e Design | Pós Graduado em Brand Design pela Fundação Armando Alvares Penteado.

Eduardo Arce
Escute este artigo

O Design foi se transformando ganhou um novo formato e segue uma tendência tecnológica.

Cada vez mais amigos, antigos colegas de trabalho e muitos estudantes, estão numa vertente muito ativa nos últimos anos, a experiência do usuário.

A demanda por esse tipo de profissional aumentou 69% de 2018 para 2019. E a tendência é de um boom ainda maior nas próximas três décadas, segundo estudo da NN/g.

Sim, o famoso UX e também o UI (interação do usuário), cresce cada vez mais. A acessibilidade virou pauta cada vez mais importante e valorizada.

Mas vamos falar a real, a tendência de tantos seguirem esse caminho tem um objetivo simples e comum que praticamente quase todo mundo almeja, SALÁRIOS MELHORES!

O salário médio inicial para UX Designer júnior - sim, para o iniciante e sem muita experiência - é de R$ 4.149,00, segundo a consultoria Revelo.

Sim, é nítido que trabalhar junto com a tecnologia é um enorme aprendizado e trás segurança quando tem uma empresa investindo dinheiro, sem se preocupar com a verba gasta com um desenvolvedores para melhorar tanto a experiência como a acessibilidade para o seu produto ou serviço.

Acredito ser uma maravilha pra nós que sempre fomos tratados como descartáveis na área de marketing da empresa.

“Fazer design é muito mais do que simplesmente montar, ordenar ou até mesmo editar, é adicionar valor e significado, iluminar, simplificar, clarificar, modificar, dignificar, dramatizar, persuasor e talvez até mesmo divertir.”

E foi nessa frase que eu busquei transformar esse significado e de como realmente a acessibilidade seria importante para o trabalho.

Foram 3 vertentes necessárias e de um enorme significado, pós um ano de 2020 traumático.

Place Design - o  transformar o habitat

Acho que para todos ou pelo menos pra mim, foi uma transição cheia de complicações, tanto domiciliares, como físicas e também como mental.

O trabalho home office e o tempo preso em casa, as noticias e informações no nosso pais também não ajudavam muito e as vezes as pessoas gostariam de transmitir afeto e carinho para os familiares, já que eles não poderiam estar por perto deles.

Foi no dia 7 de abril que aconteceu o #projetaçomundial, com registros de projeções em diferentes lugares do país. A campanha foi criada exatamente por esse coletivo  @Projetemos, onde atingiu os estados de São Paulo, Brasília e Recife.

Caso que acontece no Japão, onde um coletivo chamado TeamLab, criou um projeto chamado  Digitalized Nature. Nesse projeto, levam a arte na forma digital para ocupar espaços naturais sem danificá-los.

As instalações propõem uma experiência sensorial com as pessoas que passeiam no parque após um dia de trabalho e que procuram se livrar do stress do dia a dia com caminhadas ou corridas, especialmente durante a noite.

Isso é um dos casos de como podemos transferir a experiência para um lado mental e sentimental de um design apropriado para momentos em que vivemos em meio a pandemia.

Um outro caso de place branding bem diferente do que normalmente esperamos ver no dia a dia é de uma galera chamada @nosartivistas, onde recentemente eles vem pintando as ruas de São Paulo.

Desde o dia 20 de novembro, o @nosartivistas vem pintando hashtags pelas principais ruas de São Paulo com frases anti racistas e de empoeiramento preto.

Desde a #vidaspretasimportam que foi pintada na Av. Paulista, em frente ao MASP, esse coletivo vem trazendo os sentimentos e a necessidade de fala de pessoas periféricas, que são as que mais circulam por São Paulo mas nunca são ouvidas.

São ótimas formas de Place branding expressa a cidade, bairro ou até mesmo a periferia sente e nunca e ouvida.

Design Ativista e o poder de fala dos designers negros pra evolução necessária

Fatos que não podem passar, principalmente aqui é o efeito pandêmico ser completamente pelo atual governo e como a população estava ou está reagindo perante tanta desinformação, um ruído causado pelo abismo social e de classes.

Desde o caso George Floyd, a comoção da população preta foi finalmente escutada, profissionais negros foram ganhando destaque no mercado e na mídia para falar sobre o assunto, assim como quem também não era ouvido, designers começaram a projetar ideias que causaram comoção contra o racismo.

Assim, o design usado como ferramenta de informação e voz contra aquilo que afeta metade da população, um aliado de combate e de ensino para a população.

Para mim, que já tenho quase mais de 10 anos de carreira e só trabalhei com uma designer, mulher e preta. Vendo o espaço sendo dado como voz para essas pessoas, um fundamento essencial que possa nos dar voz.

Já que, dentro dos profissionais do design aqui no Brasil, em sua maioria, 73% se identifica como branco, 15% como pardo, 5% negro e 3% asiático.

Uma representatividade bem diferente da distribuição demográfica brasileira.

Design Social e Sustentável - A importância da população de rua em meio ao COVID 19

Esse assunto é o que mais marcou meu 2020, e principalmente o que mais merece um pouco da sua atenção.

Em meados de agosto desse ano, comecei a participar de projetos sociais a convite de uma amiga que dizia que isso seria uma oportunidade única de rever e repensar até mesmo nosso estilo de vida.

Desde então, comecei a participar desses projetos e comecei a observar e pesquisar sobre como a população de rua em sua maioria são idosas, pessoas de outros estados do país e em sua maioria pretos, mais de 11% da população de rua são crianças entre 5 a 15 anos, onde não tem oportunidade de estudo e ensino.

Ao longo do período de aproximação foi possível ver um panorama sobre suas moradias e as medidas de proteção das suas próprias moradias (barracos, tendas e cobertores) praticamente o essencial para a sobrevivência de qualquer pessoa.

Sem contar a forma que eles buscam para se proteger do frio, chuva e calor durante alguns períodos sazonais.

Muitos dos produtos descartados por nós mesmo, viram alvo de coleta para moradores de rua, que utilizam desses materiais para construírem suas casas, barracos ou que seja utilizado como uma forma de design sustentável.

Estudos mostram que a capacidade de trabalhar com produtos sucateados para sua própria sobrevivência é realizada por 72% da população de rua, já que em sua maioria, não conseguem qualquer auxílio moradia do governo.

Outro exemplo é a necessidade básica da população de rua, como água, comida e cobertores que sejam essencialmente duradouros e não descartáveis.

Que basicamente é o que mais afeta uma população abandonada e sempre vista com inferioridade.

O design pode mudar isso?

Tudo depende das ideais de cada um e das formas que vamos olhar para um futuro pós pandêmico.

A área do design está cada vez mais voltada para a tecnologia da informação, seus profissionais cada vez mais ganhando destaque e cada vez mais sendo valorizados.

Já sabemos que para 2021, o mercado tem a tendência de falar sobre sustentabilidade e diversidade, mas o quanto estamos preparados para isso?

Se estamos facilitando cada vez mais a experiência dos usuários dentro do mercado, porque ainda vivemos em um mundo que ainda tem dificuldades de conviver com a diferença de classes e a diversidade?

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato
não clique