Arquivo 2020

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Product Designer na Dasa e criador de conteúdo do UX da questão
Pai, arteiro, feliz

Marquinho é pai de menina, mestre em piadas sem graça e designer. Vive criando projetos, faz todos ao mesmo tempo e compartilha tudo internet afora. Apaixonado por UX, anda pela cidade e pelo mundo do design contando suas percepções sobre coisas do cotidiano e é um super defensor da acessibilidade. Dá uma olhada no Instagram do @uxdaquestao_ para saber mais ;) A barba branca denuncia que trabalha na área desde a internet discada e back-up em 257 disquetes. Passou por editoras, agências de publicidade e hoje é Product Designer na Dasa.

Marco Moreira
Escute este artigo

Se design = forma + função, onde é que que forma foi parar?

No início dos anos 2000 eu cursava faculdade de Design Digital. Lá o foco era desenvolver projetos experimentais, que tinham uma função, claro, mas que também houvesse uma atenção importante, muito importante para a estética. Cada vírgula no projeto era considerada e criticada nas bancas de apresentação. A gente precisava ter argumento para tudo o que colocávamos nas interfaces, nos cartazes e fotografias que fazíamos.

Das disciplinas da grade curricular nós tínhamos História da Arte, Teoria da Cor, Fotografia, Tipografia, Expressão 3D (Escultura), Desenho, Animação, Psicologia, Ergonomia. Éramos muito estimulados a treinar o olhar sobre as coisas, a mexer com atividades manuais, buscar a própria linguagem, experimentar e praticar bastante.

O contexto da época era que na web não havia padrões bem definidos. Páginas em Flash, sites cheios de introdução, efeitos sonoros e menus diversos. Cada site tinha uma forma de navegar. Uns surpreenderam positivamente, mas a verdade é que grande parte decepcionava os usuários que buscavam apenas por uma simples informação. 

Alguns projetos eram incríveis, como o memorável site do EYE4U (Vídeo abaixo) dos anos 2000. Quem viveu aquela época vai se recordar com toda certeza. Hoje quem vir irá achar tosco, assim como quem assiste filmes de animação antigos e percebe as limitações que os filmes tinham no passado. Mas isso era o suprassumo do Flash, acredite. O EYE4U era incrível por que a gente não tinha boas referências de animação e som para internet na época.

Introdução feita em Flash do site EYE4U

Olha o mobile chegando aí, gente!

Na era dos sites em flash, nada era criado para rodar em celular, mas em junho de 2000 começou a rodar no Brasil em alguns aparelhos com planos pós pagos e pela operadora Telesp, o acesso a sites por um mini browser via WAP (Wireless Application Protocol).

"O protocolo WAP é um sistema que possibilita que as páginas da Internet sejam adaptadas ao visor do aparelho celular. Os aparelhos são equipados com um pequeno navegador chamado de mini browser, que permite o acesso à rede mundial de computadores."

Fonte: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,wap-internet-pelo-celular,20000824p8896

Eu inclusive conseguia acessar o WAP pelo Motorola StarTac que eu tinha na época. Era bem rudimentar ainda, e acredite, um dia eu fiz wireframe para um site WAP, mas isso só foi acontecer em 2009.

6 desenhos de telas de celular para o antigo sistema WAP dos anos 2000
Telas de wireframe feitas para um serviço de um cliente da agência onde eu trabalhava.

A importância da função

Ao mesmo tempo que a gente descobria animações de introdução fantásticas, isso passou a incomodar, as pessoas começaram a perceber a falta de preocupação com a funcionalidade, se falava por exemplo em colocar um botão “pular intro” nos sites, de se ter uma opção para desligar o áudio ou para ele não começar automático, de disponibilizar uma versão alternativa em html para quem não conseguisse navegar no Flash e por aí vai. A função e a preocupação com a acessibilidade começou a aparecer nas interfaces, facilitando a vida de um monte de gente. Que bom!

O Flash começou a desaparecer com força depois do surgimento do iPhone (2007). A Apple se recusou a dar suporte para o plugin, que além de não ser acessível e de não ter padrão nenhum ainda tinha problemas sérios de segurança. Foi polêmico, mas errada a Apple não estava, né? Até hoje ela é referência quando se fala em acessibilidade. Os sites deles são lindos, funcionais e acessíveis, porque ela já está inserida dentro do projeto, afinal — diga-se de passagem — acessibilidade não é uma feature.

Aí os portais começaram a se modernizar, veio a globo.com, que foi referência para muitos designers não só de outros portais, mais também de agências, pois foi uma das primeiras soluções com grids flexíveis, responsivos e com um visual aceitável dentro de um contexto “duro” que era o do editorial.

Depois de um tempo o flat design veio para dar adeus aos Bevel & Emboss, sombras, brilhos e um monte de firula desnecessária, além disso surgiu o html 5, as divs, e o código começou a ficar mais limpo, dando mais importância para a funcionalidade, peso das páginas e… resultado! 

Então aquele web designer que fazia o html, o layout até a animação do Flash mudou de nome, de função e se dividiu em diversas partes. Designer de interação, Arquiteto de Informação, UX Designer, UI Designer, Product Designer.

Esse novo designer passou a olhar mais para a arquitetura de informação, fluxos, sitemaps, jornadas, personas, testes com usuários, apresentações, análise de dados e — agora sim — os produtos estão começando a funcionar do jeito que sempre deveriam: Foco em quem utiliza e resultado para quem paga.

Mas… e a forma?

Lembra das disciplinas acadêmicas do curso de design mencionadas no início deste artigo? Onde elas se encaixam em um universo onde o Product Designer chega no time de uma empresa e encontra "tudo pronto", onde as cores, formas, ícones e tipografia já tenham sido definidos dentro de um Design System, onde a produção é moldada sobre as regras de negócio, números de acesso, das vendas e dos testes de usabilidade?

Tenho reparado o aparecimento de muitos UX Designers com foco no negócio, muito ligado à parte estratégica, quase Product Owners, e ao mesmo tempo um afastamento do UI designer, que tinha uma mão fantástica para layout e interação. Noto também o desaparecimento do processo da construção de uma solução — ou do próprio design —  da preocupação com as micro interações, do motion, do som, da crítica sobre estética visual definida para uma foto, ilustração ou ícone que vai entrar na página e de tantos outros detalhes que fazem toda a diferença na experiência.

Passamos tanto tempo em reuniões e calls que o cuidado com a estética, ergonomia e os detalhes na interação passam despercebidos. Sem falar claro, da acessibilidade, que mesmo tendo grande importância na parte funcional, também acaba ficando em segundo plano na maioria dos projetos.

Se não estamos mais tão ligados à arte, se estamos tão focados no negócio e nas necessidades dos usuários, por que ainda encontramos tantos produtos com problemas básicos de usabilidade e acessibilidade?

Mais Amor (à arte) Por Favor

Sempre achei importante o envolvimento do designer com a arte, com o trabalho manual, com projetos pessoais, e também com o processo de desenvolvimento e o aprendizado com a prática de cada projeto. 

Sinto falta da troca de referências de arte entre os designers, de ver projetos pessoais que não têm necessariamente a ver com o trabalho do dia a dia, mas que oxigenam o raciocínio lógico e enriquecem nossa visão e crítica.

Um dos processos de design mais bacanas que vi nos últimos tempos, que envolvem trabalho manual e que utilizaram escultura como base para um exercício de pesquisa foi no post Como criamos avatares abstratos e inclusivos para um app de pagamentos da Designer Patricia Belo, e olha só, para um banco!

Então, fica aqui minha provocação: Qual é o papel da arte em nossa profissão e o quão necessária ela é nos dias de hoje para desempenharmos nosso papel como Product Designers?

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty
não clique