Arquivo 2020

O futuro é plural

Paola Sales
Staff UX Researcher no Nubank
mãe, eterna aprendiz, otimista

Com mais de 15 anos na área de User Experience, tenho o propósito de humanizar relações e experiências. Trabalhando em diferentes mercados na Europa, América Latina e Brasil, tenho me empenhado em usar - e equilibrar - diferentes tipos de métodos para ajudar empresas a percorrer os melhores caminhos e alcançar seus usuários da maneira mais significativa. Sou a mãe do Vicente, apaixonada por meditação, professora e palestrante - atualmente aprendendo muito fazendo parte da equipe de Research do Nubank.

Paola Sales
Escute este artigo

Quando esse artigo for publicado, o ano de 2020 ainda não terá terminado, mas já deveremos ter aprendido muito com ele, não é mesmo? Gostaria de convidar vocês a embarcarem comigo neste grande convite de pensar o futuro em meio (ou ao final) deste ano tão desafiador. Vamos?

Design é um esporte coletivo

Pra começar, antes de falar de futuro, quero compartilhar um dos maiores aprendizados relacionados ao design que tive (ou relembrei) em 2020: ele é um esporte coletivo.

E pode soar estranho tentar emplacar um pensamento coletivo para a disciplina de design em um momento que parece que muitas das palavras da moda nos levam para um caminho contrário. "Temos que ser generalistas", "cada dia que passa vemos mais vagas buscando profissionais unicórnios, que façam de tudo", "preciso aprender a fazer um projeto todo da pesquisa até a programação em apenas 1 semana", etc, etc, etc. Parece familiar?

Pois é. Mas ainda assim, acho que vale a pena pegar o remo e fazer a nossa parte para que o barco ande para o outro lado. Sim, vamos remar contra a correnteza. Vamos mostrar que o design é o fruto do trabalho de muitas pessoas, cada uma delas com sua "mochilinha" trazendo sua história, seu olhar e suas particularidades.

Para quem estamos desenhando

Mas por que fazer esse esforço de remar contra a correnteza? Porque só com olhares diversos conseguimos construir produtos e soluções para pessoas reais, que são diversas.

Lembram da famosa frase "o que seria do azul se todos gostassem do amarelo?". Pois é, estamos desenhando e construindo realidades amarelas. E fico feliz em ver que as pessoas estão começando a acordar para o fato de que a realidade é colorida. E que bom que é assim.

Uma vez eu tive a honra de trabalhar em uma consultoria que primava por esse olhar diverso. Em uma sala de reunião de qualquer projeto que eu participei durante os meus anos nessa empresa, era possível ver pessoas de nacionalidades diferentes, trazendo em suas "mochilas" não só experiências profissionais, mas de vida. O meu olhar de jovem branca brasileira se misturava ao do jovem negro de Gana e também ao do casal de colombianos. E juntos construímos produtos para grandes marcas internacionais.

E aqui, dentro do nosso gigantesco Brasil, quantos e quantos olhares podemos misturar? Convido cada um de vocês a imaginar quantas coisas temos feito partindo do pressuposto que todos realmente gostam do amarelo.

Ciclo vicioso

Mas existe a pesquisa. Sim, obrigada!

Se você trabalha em uma empresa que acredita e pratica pesquisa, agradeça - pois a realidade de muitos é bem diferente da sua, cheias de frases como "Não preciso ouvir os usuários, eu sei o que eles querem" (ou a famosa variação "nós é que devemos falar o que é melhor pra eles").

Mas não parem de ler ainda, porque mesmo quem trabalha nesta empresa que acredita e pratica pesquisa, muitas vezes está fazendo esse design de esporte individual, sem alguém pra lembrar que muitas pessoas não gostam do amarelo. E aí, meus queridos, mesmo fazendo pesquisa, acabamos recrutando sempre o mesmo tipo de usuário. Adivinhem qual? Sim, o que gosta de amarelo.

E assim o ciclo vicioso continua: pesquisando, desenhando, prototipando, desenvolvendo e colocando no ar produtos... amarelos!

O que você carrega na sua mochila?

Eu gosto muito de falar dessas "mochilas" que carregamos sempre com a gente. Elas são aparentemente invisíveis, mas cheias de peso, pois ali se encontram não só nossa carreira profissional (com as técnicas que aprendi, os projetos que trabalhei, as recomendações que me deixaram no LinkedIn), mas também nossa história de vida, escolhas que fizemos ou que fizeram por nós. E, mesmo sem querer, em cada momento da nossa vida, é nesta mochila que buscamos repertório para agir, dar uma opinião, calar ou falar durante uma reunião.

Quando a gente se esforça para criar (ou pelo menos fazer parte) de times que acreditam que o design é um esporte coletivo, começamos a ver as coisas ficarem um pouco mais coloridas. Conseguimos ver em uma sala de reunião (em um zoom, meets ou teams da vida) as pessoas interagindo e comentando coisas como "mas isso não funcionaria para aquela mãe que cria os filhos sozinha e não tem tempo para assistir todo esse video tutorial" ou "que tal a gente colocar outras pessoas nesse ensaio fotográfico que retratem melhor o nosso país?".

Pensar o design como um esporte coletivo implica ver que nem todo mundo sabe fazer a mesma coisa (eu, que não sou tão entendida de esportes, vou deixar cada um pensar no esporte coletivo que preferir: futebol, vôlei, basquete, handebol, etc.). Não tem como todo mundo em qualquer um desses esportes fazer exatamente a mesma coisa. E isso foi uma coisa que eu tive a honra de ver na prática no "esporte coletivo do design" este ano. 

Hoje trabalho em uma equipe que, dentro deste recipiente enorme chamado design, é composta por ux researchers, ux writers e mil tipos de designers (product, motion, creative, etc.). Além do potinho de design, tem também PMs, PMMs, BAs, desenvolvedores, CIs e muito mais. Mexa toda essa sopa de letrinhas e cargos e, poxa vida, como é maravilhosa a sensação de estar em uma reunião com esses profissionais e aprender tanto com eles. Saber que o meu trabalho como researcher será muito, mas muito melhor pois carrega o meu olhar misturado com o olhar de cada uma dessas pessoas fantásticas.

Acredito, mais do que nunca, que o nosso trabalho é definido pelo talento de todos os times trabalhando juntos.

"Mas não é esse o meu trabalho!"

Será que alguém chegou a esse ponto do texto e pensou algo parecido com isso? Se é o seu caso, não precisa se sentir mal. Eu mesma já ouvi muitas pessoas reclamando que estão perdendo o tempo que deveriam estar entrevistando usuários, em reuniões intermináveis e se preocupando com o trabalho de outras áreas do time. Você pode substituir o "tempo que deveria estar entrevistando usuários" por "tempo que deveria estar fazendo telas", "programando" ou qualquer outra tarefa que preferir.

Mas queria deixar um convite aqui: experimentem olhar seus colegas de equipe como usuários. Sim, porque com os usuários temos toda a paciência e didática do mundo. Nos preocupamos em saber qual é a melhor maneira de fazer uma pergunta sem enviesar a resposta, sem que a pessoa se sinta desencorajada a compartilhar sua opinião.

Ouso dizer (sempre correndo o risco de estar errada) que fazer esse experimento tem grande potencial não só de melhorar seu relacionamento dentro da equipe, mas também de aumentar muito a qualidade do trabalho a ser entregue. Quem ganha com isso? Todo mundo: você, seus colegas de equipe, a empresa e o usuário final.

Quantas vezes ouvimos na nossa vida que ninguém nasce sabendo tudo, não é mesmo? E quantas vezes nós nos lembramos disso no nosso dia a dia? Arriscaria dizer que menos do que a gente precisa. Precisamos todos os dias cultivar uma postura de aprendizado contínuo. Em todas as áreas da vida. Aprender novas técnicas, novos olhares, novas receitas de bolo e até novas maneiras se relacionar em tempos de pandemia. E, no dia seguinte, começar tudo de novo.

Se unirmos essa postura de aprendizado contínuo a um olhar de conexão, acredito que seremos não só profissionais melhores, mas também melhores seres humanos.

Se o design é um esporte coletivo, o futuro é plural

O futuro - seja ele o dia de amanhã ou o ano de 2021 - ainda está todo para ser construído.

Acredito que 2020 nos ensinou que mais do que solitários, precisamos ser solidários.

E a solidariedade é também um esporte coletivo, assim como o design.

Não tem como praticar um esporte coletivo e continuar pensando no singular. Ou, pelo menos, não deveria (apesar de saber que muitos esportistas ainda continuam falando muito mais "eu" do que "nós").

Temos que fazer nossa parte.

Nossa parte para que nosso trabalho seja construído através do repertório de muitas "mochilas", com muitas cores, sotaques, experiências e olhares.

Só assim vamos conseguir entregar valor real para pessoas reais.

Pois pessoas reais possuem diferentes cores, sotaques, experiências e olhares.

A vida real é plural.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu
não clique