Arquivo 2020

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Digital Design Manager / M. Sc Mestre em Design Estratégico / Consultor / Professor e criador de Conteúdo em #sextoux, #olhavaga e Ceo Founder Online UX Team
Criativo, colaborativo, comunicativo

Profissional de design digital (UX user experience e UI User Interface Design) nível sênior/manager com conhecimento acumulado por mais de 20 anos de atuação. Mestre M. Sc. em Design com Habilitação em Design Estratégico (UNISINOS) e bacharel em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (UFRGS) Em sua carreira profissional teve passagens por empresas como PROCEMPA, PROCERGS (16 anos), SENAC EAD, Softdesign, Grupo Digital Business/La República, SOFTPLAN, Grupo Nexxera e Portobello S/A e já atendeu clientes como Cargil, Bradesco, Banco Paulista, Grêmio Futebol Porto Alegrense, Banco Renner e Sou Digi +, Caixa Econômica Federal, Lojas Paquetá e Portobello S/A e experiência com fintechs, gateways de pagamento, bancos digitais, comércio eletrônico, healthtechs, startups e grandes empresas. Também atua como professor de Agile UX, Inovação e Design Thinking em cursos de pós-graduação na faculdade CESUSC e Anhembi / Morumbi, além de atuar como CEO, Founder e Head de Design no Online UX Team (www.onlineuxteam.com), empresa e comunidade de profissionais de UX e UI Design.

Ubiratan Silva
Escute este artigo


Experiência do usuário em tempos de isolamento social

No início da pandemia, que no Brasil chegou de fato no início de março de 2020, lembro de ter pensado comigo mesmo: Agora sim vamos colocar a prova a experiência do usuário de produtos e serviços que estão aí no mercado e nunca foram exigidos como serão agora. Isso me parecia um desafio óbvio diante da necessidade de isolamento social, mas também uma imensa oportunidade de mostrar o valor real do design e dos estudos sobre experiëncia do usuário como ferramentas de resolução de problemas reais, sociais, políticos  e complexos.

A partir da necessidade de isolamento social que nos foi imposta pela pandemia que atinge o mundo nesse ano de 2020 já contaminou milhões e matou milhares, colocamos a prova a experiëncia de uso proporcionada por muitos produtos e serviços que tinham no digital um meio de apoio, e quase nunca, o principal meio de divulgação e comercialização.

Embora os números antes da pandemia já apontassem um crescimento forte na conscientização e entendimento das empresas brasileiras sobre os resultados operacionais e estratégicos da aplicação de conceitos de UX e Design Thinking como ferramentas para resolução de problemas complexos e inovação, a pandemia e a necessidade das pessoas ficarem em casa acelerou e muito essa necessidade.

De uma hora para outra começamos a priorizar o digital e usá-lo para resolver tudo que fosse possível, de modo a não precisar sair de casa e nem ter contato presencial com outras pessoas e assim diminuir os risco de contágio pelo coronavírus. A partir deste novo cenário muitos modelos de negócio tiveram que ser repensados e outros ganharam um impulso nunca visto, mas o fato é que todos os tipos de negócios foram impactados de alguma maneira pela pandemia e foram intimados a tomarem decisões e assumirem novas posturas para se manterem como negócios viáveis.

Ao mesmo tempo e também por influência deste novo cenário, indústrias, comércio e serviços também perceberam a necessidade urgente de acelerar todos os processos de transformação digital, se viram obrigadas a se digitalizar rapidamente, sob o risco de deixarem de existir como negócio. Sendo assim, diversas barreiras, receios e questionamentos que ainda restavam sobre transformação digital foram simplesmente superados, questões como qual gateway de pagamento utilizar, como assinar contratos de forma digital, ter ou não ter comércio eletrônico, acreditar ou não em trabalho remoto, que antes ainda eram questionadas se tornaram o padrão da sociedade pandêmica e pós-pandêmica (embora ela ainda não tenha passado) e que muitos definem com a alcunha a meu ver equivocada de novo normal.

Mais do que uma oportunidade de mostrar valor real, a necessidade latente de digitalização apontou que o design digital e suas áreas relacionadas podiam e muito contribuir e liderar a construção de um novo papel mais estratégico do design na sociedade, mas sem deixar de ser operacional, com mais foco no ser humano e buscando de fato o que, em essência, deveria ser a razão do design, melhorar e facilitar a vida das pessoas, acelerar os processos, exigir menos esforço para realização de tarefas..

Empresas que se deram mal e outras nem tanto

Com a pandemia vimos diversos tipos de negócio praticamente deixarem de existir, principalmente os que dependem de aglomerações de pessoas, o maior risco de contágio da doença. A partir da premissa de necessidade de isolamento social, negócios como escolas e creches particulares, restaurantes, lojas físicas de todos os tipos, salões de beleza e quase tudo que se relacione com entretenimento, turismo e cultura tiveram um impacto gigantesco em suas receitas e tiveram que repensar seus modelos de negócio para sobreviver.

Para muitos nem a possibilidade de operar em meio digital os salvou da falência,  no entanto para alguns tipos de negócio a digitalização se tornou a tábua de salvação e até mesmo de crescimento.

Ficando mais em casa, começamos a querer melhorar nossa casa, consertar coisas, reorganizar espaços, melhorar o bem-estar do lugar onde por recomendação de saúde cada um deve ficar o máximo de tempo possível, enquanto durar essa pandemia: a sua casa, e mais do que isso, para muitos sua casa virou como num passe de mágica em seu local de trabalho também. O trabalho remoto e homeoffice começou a ser aceito como normal e até recomendável, o que era absolutamente diferente um ano antes por exemplo, quando ainda se discutia a eficácia do trabalho remoto e como implementá-lo. 

E assim tomaram impulso a maioria dos serviços de tecnologia relacionados ao digital, a construção civil, reparos domésticos, todos os tipos de delivery, de comidas a livros, de eletrodomésticos, de roupas e inclusive as formas de pagamento digital também tiveram que acelerar a sua evolução, e o nosso pix é um exemplo disso, sim ainda estamos aprendendo. Ou seja, mais do que nunca, a possibilidade do conforto de fazer certas coisas de casa e proporcionada pela tecnologia foi posta a prova e penso que algumas áreas estão superando o desafio com louvor e até crescimento embora outras nem tanto.

O que o Design tem a ver com isso

Mas o que o design, especificamente o digital tem a ver com isso? o que a experiência do usuário, a tão falada UX tem a ver com isso? Como o pensar como designer (design thinking) pode contribuir para amenizar esse cenário complexo e problemático da pandemia e do pós pandemia?

O design como atividade de mediação de relações e ferramenta de resolução de problemas complexos tem uma oportunidade gigantesca de mostrar o quanto pode ser estratégica e social.

Estratégico no sentido de colaborar muito mais para responder a perguntas como: o que fazer, por que fazer (propósito), além do já tradicional como fazer  (método) as coisas em diferentes cenários, com diferentes stakeholders envolvidos e com todas as variáveis impactadas pelo cenário pandêmico.

As dificuldades, molas propulsoras da inovação, estão nesses tempos pandêmicos mais do que presentes, e só nos resta como designers empatizar, se colocar no lugar no outro, se aproximar, ouvir, observar para poder inovar. Só nos resta fazer as coisas de maneira diferente para sobreviver, só nos resta colocar as pessoas nos centro das atenções, o coletivo junto com o individual, as diferenças e similaridades dos humanos e usar o pensamento estruturado e os métodos do design para alcançar os melhores resultados, para entender, idear, prototipar, testar e implementar soluções. Somos convidados a isso pelas dificuldades impostas pela pandemia e que sirva de lição para quando a pandemia passar estarmos mais preparados.

Experiência do usuário em tempos de pandemia

A área de experiëncia do usuário também compartilha de um desafio gigantesco, pois cada vez mais as interfaces digitais criadas para intermediar a relação entre as máquinas e os homens serão exigidas simultaneamente por diferentes gerações, com diferentes necessidades e objetivos e nos mais diversos dispositivos e contextos. 

UX ou user experience não é moda como alguns desenhistas industriais gostam de afirmar, e nem palavra mágica ou receita de marketeiro, user experience ou experiëncia do usuário é somente mais uma área de conhecimento nova e abrangente, fruto da percepção de que um produto ou serviço, digital ou não, ou qualquer outro tipo de artefato que seja passível de ser usado para determinada função, pode ser aperfeiçoado e isso se faz com pesquisa, observação, empatia, ideação, prototipação, testes, validações, implementações, mas sobretudo se evolui  com o uso e se aperfeiçoa com a aplicação de métodos que tenham esse objetivo num ciclo contínuo de aprendizado, construção e análise.

Mais do que nunca o designer é a interface, é o mediador de relações e conexões, aquele que estuda o ser humano usuário, suas características e contexto, cenário, dores, necessidades, objetivos, vontades, personalidade, cultura e a partir desse manancial de informações busca criar soluções adaptadas e que tornem a vida mais leve, mais divertida, mais simples, e por consequëncia mais feliz. 

Para atingir esses nobres objetivos é preciso, mais do que nunca, compreender que esse humano que está no centro das atenções é composto por diferentes camadas, dimensões, lados, e para que nossa aproximação (empatia) funcione precisamos considerar as dimensões da personalidade e comportamento que compõem a sua individualidade e também das suas dimensões contextuais de sociedade, política e cultura, além da capacidade e interesse em se conectar e se relacionar com outros.

Sim cada vez o designer precisa entender e praticar conceitos de sociologia, antropologia, história, geografia, política, psicologia, engenharia entre outras áreas, além de bom senso e empatia (aproximação) como ferramentas para ampliar sua compreensão do problema a ser resolvido.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos
não clique