Arquivo 2020

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Product Designer na Lambda3 e Diretor de Mentorias na PretUX
Preto, gay, antirracista

Negro, gay, de família nordestina e oriundo da periferia do Rio de Janeiro, Renato Paixão sentiu na pele os impactos da falta de acesso e pouca diversidade ao entrar no mercado de tecnologia. Formado em Comunicação Visual Design pela UFRJ, foi premiado em primeiro lugar na competição L'Oréal Brandstorm na categoria wildcard e trabalha com produtos digitais desde 2015. Ao longo de sua carreira teve a chance de trabalhar com marcas como Sesi, Prefeitura do Rio de Janeiro, UFRJ e Mercedes-Benz. Atualmente é Product Designer na Lambda3 e Diretor de Mentorias no PretUX, iniciativa que busca aumentar a inserção de profissionais negros na área de UX no Brasil.

Renato Paixão
Escute este artigo

Você se lembra de quando estava começando sua jornada e sentia que o design conseguiria mudar o mundo? Que através do nosso trabalho poderíamos conscientizar pessoas de causas importantes e frear injustiças sociais?

Sabemos que o design consegue mudar o mundo. Uber, Facebook e Instagram são prova disso. Novas economias, comportamentos e até doenças têm surgido por causa de ferramentas criadas por designers. Conseguimos mudar o mundo, só esquecemos de mudá-lo para melhor. 

Não dá pra culpar ninguém. A vida é difícil, temos contas para pagar e sprints para fechar. Então entregar o melhor design para empresa e usuários com responsabilidade social pensando no impacto é um pedido e tanto. E como se o stress da vida normal já não fosse o suficiente, 2020 ainda aumentou a aposta jogando uma pandemia nos nossos colos. 

Sim, 2020 está sendo um ano difícil. Sei que é chover no molhado dizer isso, mas em um mundo em que mais de mil mortes diárias não conseguem convencer pessoas a não irem para bares ou usarem máscaras, dizer o óbvio se faz necessário. 

Para uma pessoa que cresceu gay, preta, na periferia do Rio de Janeiro e sempre à margem, foi impossível passar 2020 sem pensar na falta de empatia e compaixão no mundo. Por isso quando me perguntaram numa palestra qual eu esperava que fosse a maior mudança trazida pela pandemia de COVID-19, minha resposta foi muito sucinta: empatia

Como designers, nosso arroz com feijão é a empatia. Nossa função é empatizar e entender as dores, anseios e necessidades de nossas pessoas usuárias e conectá-las com os objetivos de negócios das empresas em que trabalhamos. Isso é algo que fazemos muito bem. Vide os lucros astronômicos de empresas como Airbnb, iFood e Rappi.

Mas esse olhar puramente comercial gerou um incômodo que me fez recorrer à escrita. Esse ano falei sobre a importância da diversidade na tecnologia e sobre o elitismo na área de UX com a esperança de que minhas palavras pudessem despertar o mesmo incômodo e , possivelmente, ações.

Sempre estressei a importância de lembrarmos que não somos receptáculos estéreis ou robôs sem sentimentos e vieses. Que somos pessoas, que as interfaces que projetamos têm consequências e impactos que vão além da conversão ou o NPS. 

Uma frase muito pertinente escrita pelo Fabricio Zillig diz que “Vivemos usando palavras e termos como Empatia, Design centrado no Usuário, Centrado em Pessoas, mas até que ponto isso baliza nossas decisões?”. O mundo está gradualmente se tornando dependente de novas tecnologias, o que torna nos mais responsáveis.

É importante pensarmos sobre como nós podemos ter um olhar crítico para as práticas que inevitavelmente acabam marginalizando e/ou explorando pessoas. E vão de coisas básicas como o uso excessivo de termos em inglês e acessibilidade até discussões mais profundas como o uso de dark patterns e a qualidade viciante de apps como instagram, facebook e outros.

É importante pensarmos criticamente quando ouvimos do CEO do Netflix (uma empresa que depende muito do design para performance) dizer que o seu  “maior competidor é o sono”. Não sei vocês, mas quando ouço alguém dizer  que a forma natural do nosso corpo de descansar, eliminar toxinas e reparar o seu funcionamento é um competidor, precisamos parar e pensar sobre o quão ético isso é.

Por exemplo, se você for um designer num app de relacionamentos, quais são as políticas e mudanças que a você implementaria ao descobrir que as pessoas pretas são preteridas? Você vira a cara e diz que "É questão de gosto e não racismo" ignorando o fato de que o padrão de beleza eurocêntrico é fruto do racismo ou pensa em soluções do ponto de vista do design para melhorar esse cenário? Quais mudanças você implementa?

Agnieszka Urbańska e Ewelina Skłodowska, UX Designers, chegaram a montar uma lista de perguntas que todo designer deve se fazer quando projetando:

  1. Seu design muda a maneira como as pessoas interagem para melhor?
  2. O design tem como objetivo manter os usuários perdendo um tempo que eles não pretendiam?
  3. O design facilita o acesso a itens socialmente inaceitáveis ou ilegais aos quais seus usuários não teriam acesso fácil?
  4. Você ficaria confortável com alguém usando seu design em você?
  5. Seu design usa engano, manipulação, deturpação, ameaças, coerção, ou outras técnicas desonestas?
  6. Seu design contém algum preconceito incorporado (gênero, político, ou outro)?
  7. Seu design protege a privacidade dos usuários e dá a eles controle sobre suas configurações?

Ter esses sete pontos em mente demanda que nós redefinamos o que entendemos por sucesso. Impacto social é algo que se mede no longo prazo, é um resultado não aparece no quarter e é muito mais focado na percepção do usuário do que nas métricas por nós estabelecidas. 

Design, por natureza, traz mudança. É nosso dever como pessoas críticas e pensantes reconhecer o poder que temos em nossas mãos para conseguir empoderar pessoas que sempre foram negligenciadas. 

Considere o impacto humano do seu trabalho e entenda essa posição única que nós temos. Pergunte-se se o que você está projetando representa bem as vontades e desejos da comunidade. Se cataliza união ou se causa alienação e segregação. 

Ter essas perguntas em mente é ter uma intenção clara e agregadora que vai além da conversão ou de bater as KPIs. É uma boa forma de voltar para aquela visão que a gente tinha quando começou a estudar design e acreditava que conseguia mudar o mundo. Porque consegue.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha
não clique