Arquivo 2020

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Product & Service Designer
Carioca, designer e revolucionária

Carioca da gema! Graduada em jornalismo, design e pós graduada em docência. Passei por empresas como IBM, Elo e Banco BV. Criadora do canal/evento/podcast Clube do UX. Professora nas horas vagas Sou especialmente interessada em estratégias de negócios e suas relações com UX.

Bruna Castro
Escute este artigo

Eu fui uma criança que cresceu com a ideia de que quando eu me tornasse uma adulta estaria nos confins de algum país pobre salvando pessoas da fome e miséria. Isso é muita responsabilidade pra uma pessoa só, né? Tenho certeza que muitos de vocês estão lendo esse texto agora mesmo e lembrando da infância onde você tinha certeza que se tornaria algum super herói ou salvador. Acho isso tudo inclinações muito nobres, mas infelizmente a realidade sempre atropela a gente e derruba nosso castelinho de sonhos, mostrando que não só essa não é uma missão de uma pessoa só como também é um fardo muito pesado. Parece que até hoje, na idade adulta, muitos ainda perpetuam a síndrome de super-homem (isso existe?). Queremos levar a salvação pra todos, de preferência usando o que fazemos de melhor.

Nossa, Bruna! Quanto pessimismo e o texto mal começou...

Calma! Até o final desse texto eu espero que você entenda essa crise de Schopenhauer que assolou esse primeiro parágrafo. 

Mas antes, deixa eu te explicar uma coisa

De acordo com a economista Talita Carvalho, a definição de capitalismo é:

O capitalismo é um sistema econômico que visa ao lucro e à acumulação das riquezas (...) Há duas classes sociais principais nesse sistema: os capitalistas (ou burgueses) e os proletários (ou trabalhadores). Os capitalistas são os donos dos meios de produção, eles empregam os trabalhadores e a eles pagam salários. Os proletários, oferecem sua mão-de-obra para realizar determinado trabalho em troca de uma remuneração - Talita de Carvalho/Politize.com.br, 2018

Ou seja, nós, a classe trabalhadora produzimos para que a burguesia aumente suas riquezas, mas isso a gente já sabia né?

Bruna, você tá muito comunistinha

Só estou atentando os fatos! Prometo.

Taokey, mas o que isso tem a ver com design?

Segundo o incrível escritor Rafael Cardoso:

O design é fruto de três grandes processos históricos que ocorreram de modo interligado e concomitante, em escala mundial, entre os séculos 19 e 20.

O primeiro destes é a industrialização: a reorganização da fabricação e distribuição de bens para abranger um leque cada vez maior e mais diversificado de produtos. - Cardoso, Rafael, 2016, p. 22

Isso quer dizer que o design está envolvido até o pescoço com a industrialização européia, sim tô falando da revolução industrial, lá nos meados do século 19. Percebe que o autor diz que o objetivo é um leque mais diversificado de produtos? Sabe a Disney que era produtora de filme, virou parque, canal a cabo, marca de roupas, streaming de vídeo e por ai vai? Isso é diversificação de produtos numa mesma marca e podemos comparar isso ao que o Rafael fala lá no livro. No final das contas estamos falando em gerar mais capital.

Lembra que lá em cima eu falei do complexo de super-homem? É nesse ponto que quero chegar. Ainda parece muito nebuloso falar do mercado como um motor de geração de renda. Parece que precisamos ter certeza que existe um propósito pra tudo isso, afinal, não é possível que a gente só vive pra pagar boleto. 

Acho imprescindível colocar esse tema na mesa e mostrar que na maior parte das vezes é só isso mesmo. Somos a classe que produz a riqueza que vai ser usufruída por outros que não somos nós e é assim mesmo, sem rodeios e sem romantização do mercado privado. 

Pra uma empresa existir ela precisa de geração de lucro, a não ser que estejamos falando do terceiro setor, ou seja, instituições sem fins lucrativos. Se hoje mesmo você decidisse abrir sua empresa design bem lindona, como ela vai ser manter funcionando se o dinheiro não entra e mantém suas contas no verde? 

Mas eu posso ser um Designer com propósito?

Deve!

Existe uma história maravilhosa que li sobre um designer que desenvolveu um artefato que ajuda pessoas com pouca mobilidade nas mãos a voltar a usar o membro com mais autonomia e melhor. Ele não cobra nada pelo produto e quer manter assim pra sempre, mas é claro que ele tem um outro emprego que o mantém o possibilita essa boa ação. 

Eu sou daquelas pessoas que trabalha, dou o meu melhor, recebo o meu salário e com ele faço o que acho mais verdadeiro pra mim. Ajudo as pessoas da forma que me convém e é claro, gasto com uma cervejinha no fim de semana. Não me julguem. Eu preciso do dinheiro pra fazer a transformação que eu acho cabível e tenho noção de que, de novo, não vou salvar o mundo. 

Quando eu trago todo esse contexto pra você, o que eu realmente quero é te dizer pra tomar muito cuidado e não se frustrar quando você perceber que não tá salvando a vida de ninguém fazendo design no dia-a-da (sentiu a referência ao Norman?). Que muitas das vezes vamos fazer um produto incrível que vai ajudar inúmeras pessoas, mas que é possível que não seja levado ao mercado ou não perdure por falta de lucro. Que vamos fazer coisas, muitas das vezes, às pressas e sem as fases do projeto que desejamos e entendemos que é certo pois a gerência tem pressa em fechar o orçamento. 

Esse não é um texto de pessimismo, mas sim uma mensagem que eu deixo pra você não carregar o mundo nas costas (Alô Atlas!) e achar que você é o único frustrado nesse planeta. Enquanto a gente vive nesse modelo de exploração da mão de obra, somos a geração que busca o propósito para viver. Não queremos mais ser como nossos pais e avós, temos que ter fazer valer a pena. A junção desses dois fatores não combina, é tipo água e óleo e resulta em, cada vez mais, pessoas esgotadas mentalmente.

Mas lembre-se

Esse é um texto opinativo que carrega a minha vivência de anos (tô velha) no mercado de trabalho privado. Se você tem uma opinião diferente, eu encorajo você a escrever e dividir com o mundo e comigo. Precisamos de mais pensamento plural. 

Referências

Uma Introdução À História Do Design: Blucher Ed.3 2008

Artigo: O que é Capitalismo.

Os millennials querem marcas com propósito

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves
não clique