Arquivo 2020

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Product Designer na Loadsmart
Geek, Colecionadora de palavras, Feliz

Designer pela vida, designer gráfica de formação e UX de profissão. Já me envolvi em diversos projetos sempre procurando onde posso agregar ainda mais valor. Sempre no meio de livros, criei o projeto LerUX em 2021 no instagram, onde leio livros e artigos ligados a área para agregar mais para nossa comunidade. Também faço parte do Ladies that UX Campinas, dando voz para nossas profissionais e ajudando-as a entrar no mercado de UX.

Lais Mastelari
Escute este artigo

Eu vou te contar como.

Webdesigner. Arquiteto da informação. Designer de interação.UX Designer. UI Designer. Visual Designer. UX Writer. UX Researcher. Service Designer. Product Designer. UI/UX Designer.

E lá se vai todo o espectro dentro do design. Hoje mais do que nunca vemos cargos e mais cargos que parecem mudar e evoluir a cada ano dentro do que chamamos de UX design.

Durante muito tempo eu olhava para os livros, palestras e cursos de UX com admiração e um pouco de inveja também, pois nunca conseguia aplicar tudo que era dito. Para mim era algo de outro planeta, coisa de pessoas fantásticas, não para mim. Eu era uma designer que fazia interfaces, não uma UX designer.

Porém passar por todas as empresas, freelas e eventos que passei me ajudaram a entender o que significa ser uma designer. O que significa construir um produto. Então vem comigo que vou te contar como foi que me encontrei nessa jornada.

Onde comecei?

Comecei onde, acredito, a maioria dos meus contemporâneos também começou…em fóruns e blogs na internet. Naquela época tudo era mato, participei de concursos para a melhor capa de fórum, fiz muitos templates para blogger e desse modo fui descobrindo o Design gráfico. Basicamente eu conhecia um pouco de HTML e CSS e sabia mexer no Photoshop. Pronto já dava para brincar de internet.

Se bateu a nostalgia, colega você está ficando velho(a).

Dai na hora de escolher uma profissão foi fácil, só podia ser design. Confesso que entrei no ramo querendo aprender a desenhar. Como eu era jovem. Se tem algo que você não aprende na faculdade de design é como desenhar. Porém acabei aprendendo milhares de outras coisas bem interessantes como pensar e fazer um projeto, por exemplo.

Dai em diante era um passo para entrar no mundo do design de interação. Como uma grande geek/nerd que sou foi um pulo até me envolver com o pessoal da computação e dai foi só ladeira abaixo, bora começar a usar meus conhecimentos sobre projetos nesses tals de softwares.

Durante um bom tempo, confesso, fiquei brincando que sabia o que estava fazendo, fiz alguns projetos na faculdade e muitos freelas, porém chega uma hora que a gente tem que encarar o mercado de trabalho e, o que eu achei que ia ser uma chatísse, me deu ótimas lições e oportunidades.

O primeiro emprego

Após a faculdade eu sai atirando para todos os lados até que cai em uma consultoria. Basicamente eles faziam softwares sob demanda, era a minha chance de realmente começar a fazer algo.

Cai em um projeto que sempre estará em meu coração. Um leitor de livros. Nessa época o Kindle estava nascendo e as tablets ainda vendiam muito. A ideia do produto era muito boa, criar um app para Ipad onde o usuário poderia ler seus livros em comunidade acrescentando conteúdo como fotos artigos ou comentários no meio da leitura.

O problema era: fui designer solo durante muito tempo…tinha acabado de sair da faculdade, eu não tinha ideia do que estava fazendo. Eu fazia pesquisa com pessoas que eu conhecia, não com usuários reais. Mandava questionários para grupos de facebook. Não metrificava nada. Uma piada. Eu não estava fazendo design, eu só fazia tela mesmo.

Quando me perguntavam o que eu fazia eu dizia: Sou designer de interfaces, porque de experiência do usuário eu não era. Cansada de trabalhar sozinha, ver um projeto afundar por N fatores que não cabem agora, e não ter nada, nem ninguém para me apoiar ou espelhar, mudei para outra consultoria. — “Dessa vez será diferente”, pensei eu.

E foi. Foi muito diferente, mas não positivamente falando.

Faz tela ai minha filha.

Agora eu, designer de interação e interfaces, além de estar sozinha, trabalhava em 3, 4, chegaram a ser 7 projetos diferentes ao mesmo tempo. Uma super linha de produção de telas, uma mais linda que a outra, se me perguntar se elas funcionavam, não vou saber te dizer pois testei muito pouco e 98% dos produtos sequer atingiram seu usuário final. Esse era um mal, a gente fazia mil projetos, mas quantos deles estavam realmente na mão do usuário? Nenhum.

Porém pude trabalhar com muitas tecnologias diferentes, desde aplicativos, sites, sistemas integrados, máquinas de cartão, balanças inteligentes, agro negócio, vendas, linha de produção, warehouses e até mesmo robos, porém como era tudo muito rápido e corrido, eu não parecia estar fazendo design. Parecia estar em uma corrida atrás do próprio rabo.

Por 2 anos eu fiquei me indagando, será que é isso mesmo? Será que todo aquele papo de usabilidade, pesquisa, métricas, será que isso só acontece lá na gringa? Será que um dia terei um pequeno vislumbre do que é um real UX designer?

Spoiler: iam ser mais 3 anos de busca para eu encontrar um specimem real.

Voltando a trabalhar sozinha…Pelo menos em um projeto só.

Desanimada com a vida, o universo, o design e tudo mais. Mudei de emprego novamente. Dessa vez para voltar a trabalhar com um projeto só, no começo foi muito bom, consegui colocar algumas coisas em prática, fazer um teste aqui e outro acolá. Aprendi muito sobre styleguides e design systems, aprendi muito a olhar para o negócio, usuário e desenvolvimento e considerar esses 3 pilares na hora de construir, mas faltava algo.

Aqui eu continuava a me identificar como designer de interação e interfaces, afinal UX designer são aquelas pessoas fodas, que trabalham no Nubank ou na gringa. Eu pensava: eu sei fazer tela e quem sabe alguns fluxogramas. UX design nunca, afinal ainda não conseguia aplicar 100% o que eu aprendia nos livros e cursos, mas a designer dentro de mim não dormia, continuava a me dizer que havia algo mais, lá no fundo.

Depois de mais 2 anos em um projeto que, mais uma vez não deslanchou, no qual eu sofri alguns abusos morais, e que me fez realmente querer abandonar a área para vender miçanga (Alô pessoal de humanas!). A UX dentro de mim falou “Tenta mais uma vez, prometo que vai ser a última.”

Ok, querida, vamos lá.

Comecei a mandar meu CV para todo lado. Cheguei a recusar uma oportunidade porque sabia que ia ser mais do mesmo. Até que cheguei a minha última empresa, outra consultoria.

Calma então isso era UX?

Chegando lá, eu fui colocada em um projeto com mais 4 designers de todos os níveis, um melhor do que o outro. Eles estavam no meio de um furação, a empresa tinha sido comprada por um grupo gigantesco e eles tinham que mudar todo o branding e visual do App em um mês.

Eu pensei, ai sim, isso eu sei fazer.

Porém o que eu não esperava é que o líder do projeto ia me perguntar “E ai você quer ficar com a parte visual ou pegar a parte de UX?” Eu buguei, senti um medo gigante, afinal eu tinha certa experiência, mas nunca tinha trabalhado com UX na minha vida. Foi então que respondi: “ UX, quero fazer esse negócio ai”.

Tudo bem então aqui está uma tarefa para você pode começar.

Branco, era tudo que eu via. O que faço agora? Por onde começar? O que é design? Ai a designer dentro de mim falou: “Faz o que você sempre fez.” E foi o que eu fiz: sai organizando arquivos, conversando com stakeholders, entendendo o negócio a fundo, fazendo fluxogramas e wireframes e compilando tudo.

Para minha surpresa todo mundo amou o material…”Parabéns essa pesquisa ta muito foda!” Quê? Mas eu sempre fiz isso, isso é UX?

Sim, isso era UX.

Por um ano e meio eu fiquei nesse projeto, amadurecendo, tendo vários mentores, exemplos para o meu trabalho e carreira. Pessoas para trocar ideias, para me espelhar e também para me ajudar a entender que sim, uma pesquisa rápida na internet, um benchmarking, uma conversa com especialistas, falar com pessoas no facebook, também podiam virar ótimos materiais de design. Que é mais importante eu validar uma tela com um usuário próximo do ideal do que com nenhum.

Que carga foi tirada da minha pessoa e eu queria mais. Comecei a me interessar mais por pesquisa e dados e fui aplicando todas as técnicas que eu conhecia e aprendia no meu dia-a-dia. Por muito tempo eu pensei que queria me tornar uma UX researcher e viver fazendo pesquisa, mas não…no fim do dia meu negócio é constrir produtos, é vê-los sendo lançados e usados, é iterar e entender o que funciona melhor aonde. Então aquele trabalho de pesquisa ficou muito pequeno pra mim, pela primeira vez em 8 anos de carreira eu queria mais.

Adeus consultorias, olá produtos.

Com muito pesar no coração abandonei minha antiga empresa e fui trabalhar com produto. Como faz muito pouco tempo ainda não vou formar uma opinião, porém só posso dizer que a responsabilidade parece muito maior, e finalmente sinto que não estou brincando de casinha, agora o negocio é real e pode impactar diretamente o meu cliente. O quão maravilhoso é isso?

Depois de 8 anos eu consigo me identificar como UX designer, ou como chamam os mais novos hoje, Product designer. Faço um pouco de pesquisa aqui, olho métricas, ajudo a encontrar oportunidades e definir requisitos e também faço interfaces. Finalmente olho para trás e vejo todo o meu histórico de trabalhos loucos e oportunidades tortas como um fluxo natural para construir um bom generalista. Eu sei que sei de tudo um pouco, eu já trabalhei com diversos produtos diferentes e sei o que funciona e o que não funciona.

Mas o principal é: não tenho mais tanto medo assim do design. Hoje, vejo tanta gente que, como eu, luta dentro de empresas tortas e fica se martirizando pois não consegue aplicar tudo o que manda o manual.

Não se preocupem o manual é um guia não uma lista de regras. Entenda os limites da onde você trabalha.

Tente ultrapassá-los quando tiver oportunidade, mas nunca se culpe se não conseguir, as vezes as empresas não estão preparadas para ouvir a palavra do design, mas tendo você naquele produto já vai melhorar muito a vida do seu usuário. Pode ter certeza.

Tente aprender tudo que você puder com as pessoas ao seu redor. ARRUME UM MENTOR/UMA MENTORA. E nunca deixe que ninguém te diga que você não é algo, nem mesmo você.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj
não clique