Arquivo 2020

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
UX Designer, ThoughtWorks
Surda, mãe, feminista

Surda de nascença e designer há quase 15 anos e trabalha com UX há 10 anos. Pós-graduada em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais e graduada em Design Gráfico pela SENAC SP. Atualmente trabalha como UX Designer na ThoughtWork, na área de Learning & Development. Também atua como representante de Transformação Social na mesma empresa. Idealizadora do projeto Atendo em Libras.

Beatriz Lonskis
Escute este artigo

"E as pessoas surdas?"... "Como tem sido a experiência de pessoas surdas como usuárias?"... São perguntas que venho me fazendo ultimamente.  

Eu poderia escrever sobre qualquer outro assunto relacionado ao design. Mas escolhi falar sobre os usuários surdos, pois percebo ser um assunto pouco explorado na comunidade de UX ainda.

Sob a perspectiva de uma designer surda, é difícil deixar de pensar ou me referir sobre assuntos relacionados a acessibilidade e inclusão, devido às dores, barreiras e desafios que vivemos diariamente na pele.

Na maioria das vezes, as barreiras presentes na sociedade são explicitadas por projetos que excluem involuntariamente diversos perfis de usuários.

Decidi escrever sobre esse tema com o objetivo de jogar luz sobre esse grupo, aparentemente desconhecido, incentivando comunicação com pessoas surdas, que também são usuárias, consumidoras. Surdos são seres humanos que trabalham, ganham remuneração, têm desejos, exercem o papel de cidadão, dentre vários outros papéis.

Estamos falando de quase 10 milhões de pessoas que declaram ter deficiência auditiva, segundo os dados do IBGE 2010. Destas, 344,2 mil entendem-se como surdas (pessoas que se identificam culturalmente como surdas e têm Língua Brasileira de Sinais - Libras como primeira língua). 

A seguir, veremos alguns dos cenários que causam sofrimento cotidiano aos usuários surdos, no contexto digital:

- Interfone sem câmera na porta de casa ou na portaria de um prédio;

- Dificuldade em contatar algum estabelecimento de delivery, quando o pedido estiver muito atrasado ou vier errado;

- Falta de cursos online acessíveis que permitam aprimoramento pessoal/profissional nas diversas áreas de interesse;

- Conteúdos das redes sociais (YouTube, lives, stories, etc.) sem legenda ou tradução para Libras ou transcrição;

- Indisponibilidade de sistemas que permitam conversa via chat ou videochamada para agendar consultas médicas;

- Impossibilidade em contatar remotamente funcionários do banco para tirar dúvidas ou resolver serviços bancários;

- Falta de acessibilidade em locais como sala de espera de laboratórios de análises ou em clínicas, onde por exemplo, é usual chamar pelo número ou nome oralmente, sem apoio visual.

Pensando em alguns desses itens, que faz parte da vida das pessoas surdas, questiono, dentro do nosso papel enquanto designers: o que podemos fazer para eliminar essas barreiras?

De acordo com o documento sobre design inclusivo, elaborado pela Microsoft Design, a deficiência acontece nos pontos de interação entre a pessoa e a sociedade. A exclusão física, cognitiva e social são o resultado de interações incompatíveis. Como designers, é nossa responsabilidade saber como nossos projetos afetam essas interações e criam incompatibilidades. 

Este mesmo documento afirma que os pontos de exclusão podem nos ajudar a gerar novas ideias e projetar inclusivamente. São oportunidades de criar soluções com utilidade e elegância para todas as pessoas. Também é necessário considerar o design inclusivo nas tecnologias emergentes.

Segundo a designer Kat Holmes, os momentos de transição tecnológica possibilitam projetar novos modelos que garantam que não gerarão exclusão. Ao não considerar a importância da inclusão no cerne da era da inteligência artificial, corremos o risco de ampliar um ciclo de exclusão em grande escala. 

Embora a inclusão e acessibilidade sejam bastante utilizados nos discursos, ainda não vivenciamos esses conceitos na prática. 

Kat Holmes traz à tona um ponto importante: devemos ampliar a definição de design e designers. Devemos nos perguntar "quem estou excluindo?" e permitir que as respostas mudem nossas soluções. 

Compartilho da mesma opinião dela de que acessibilidade, sociologia e direitos civis deveriam ser disciplinas obrigatórias em nossa formação para construir tecnologias, afinal não aprendemos formalmente sobre inclusão e exclusão em cursos. 

Para projetar pensando em atingir o máximo possível de pessoas, temos que nos conscientizar de que todos nós temos o direito de estar incluídos. A diversidade deve estar contemplada  nos projetos de design, reconhecendo as diferentes necessidades e minimizando as exclusões.  

Para sair de "bolha" em que vivemos, é preciso observar, escutar e compreender as pessoas com perspectivas diferentes das nossas. Somente nesse processo poderão surgir potenciais de criar produtos/serviços acessíveis. 

Mesmo que o recorte de pessoas surdas venha ganhando visibilidade ultimamente, vale ressaltar que é importante entender que há também uma diversidade dentro da comunidade surda. Por exemplo, há surdos oralizados que optam por se comunicar somente em Português falado, enquanto há outras pessoas surdas se comunicando prioritariamente em Libras. Também há outro grupo que são surdos que são bilíngues, usando tanto Libras quanto Português escrito diariamente em sua comunicação. 

Diante dessa conscientização sobre a diversidade humana e, portanto, surda, torna-se mais nítido o que deve ser projetado para os serviços ficarem mais acessíveis e usuais na jornada das pessoas surdas.

Para buscar entender melhor as necessidades das pessoas surdas e lhes projetar soluções acessíveis, seguem algumas orientações que podem ajudar:

  • Trocar ideias com designers surdos;
  • Falar com colegas que já trabalharam em projetos/produtos inclusivos;
  • Ao planejar uma entrevista, teste de usabilidade ou alguma dinâmica, busque se informar sobre qual forma de comunicação os surdos preferem (se precisam de intérprete de Libras ou se utilizam leitura labial ou se a escrita em língua portuguesa é sua preferência);
  • Formulários devem ser organizados contendo vídeo em Libras para cada questão;
  • Quando for contratar um profissional tradutor intérprete de Libras, consultar o guia redigido pela Febrapils (Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-Intérpretes de Língua de Sinais);  
  • Não ter receio sobre possíveis barreiras na comunicação, mas estar disponível para acolher o surdo e suas especificidades.

Mesmo que este texto esteja focado em um recorte, também gostaria de convidar para refletirmos juntos e avaliarmos como estamos trabalhando no design. Nosso design está voltado para todas as pessoas ou tem sido exclusivo? Que nós, os designers, questionemos o status quo, olhemos a nossa formação, pensemos de forma sistêmica, observando o impacto de nossos projetos nas pessoas e no ecossistema, que podem colaborar efetivamente na construção de um mundo melhor. Vamos nessa? 

Sugestões para leitura:

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles
não clique