Arquivo 2020

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Lead UX Research no iFood e Pesquisadora do LaDA da ESDI/UERJ
Cientista social, mãe de primeira viagem, produtora rural nas horas vagas

Larisa Paes de Lima é designer de formação, especialista em Comunicação Empresarial e mestre em Design pela Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ. Ao longo de mais de 10 anos de carreira, atuou em grandes empresas (Philips, Gama Italy, Liz, Hypermarcas, John Deere), e dentre segmentos distintos como: tecnologia, entretenimento, moda, varejo, agricultura. Durante o mestrado, criou e analisou jogos exploratórios de design, conduzindo experimentos de codesign em uma biblioteca pública carioca (MAR), como parte de um projeto de colaboração entre o laboratório escandinavo CODE (Codesign Research Center, KADK, Dinamarca) e o LaDA (Laboratório de Design e Antropologia, ESDI-UERJ, Brasil). Nos últimos anos, tem se dedicado aos temas de inovação, UX research, jogos, tecnologia, antropologia, sustentabilidade e design estratégico. Atualmente lidera o time interdisciplinar de UX Research do iFood, e ministra a disciplina “Pesquisa com Usuários” na pós em Design de Interação da PUC Campinas.

Larisa Paes de Lima
Escute este artigo

Pensar e fazer Design não foi sempre igual ao longo dos anos. A pesquisa no campo da Inovação então, menos ainda. Por isso, é inviável puxar esse papo sem um olhar historicista amplo, que leve em consideração inclusive o movimento da sociedade. É por isso que neste texto, esta pesquisadora que vos escreve vai trazer algumas referências do passado, do presente, e também de futuros - possíveis, que é o que mais nos importa refletir nesse momento tão crucial pré 2021, certo? :)

Sabemos que as Revoluções Industriais trouxeram o advento de um mundo cada vez mais globalizado, onde as sociedades têm passado por transformações econômicas, sociais e culturais que demandam uma releitura contínua acerca dos modos de produção, do uso de tecnologias e de seus possíveis impactos a todos nós. Tal fato tem sido um tema de estudo recorrente do campo de conhecimento referente à Política Científica, Tecnológica e de Inovação, o qual, interdisciplinarmente, se dedica a compreender e teorizar questões a respeito de governança, direcionamento, retórica e impactos das ciências, tecnologias e inovação na sociedade. Ao mesmo tempo, a ciência tecnológica e a inovação são temas também especialmente importantes para o Design enquanto ciência social aplicada, visto o papel que nossa área tem exercido ao longo dos anos projetando e instrumentalizando a vida artificial (Simon, 1996).

O Design, seja em sua concepção histórica a partir da lógica industrial centrada no produto (Simon, 1996; Buchanan, 1995) até sua vertente centrada no usuário (Don Norman, 1986; Sanders & Stappers, 2008), é um campo do conhecimento com raízes intrinsicamente interdisciplinares, e de perspectiva projetual inerentemente integradora. Ou seja, o projeto de Design não somente possui princípios norteadores provenientes de áreas como as Engenharias, Ciências Sociais, Artes e Psicologia, como também abarca o conhecimento tácito dos chamados “usuários” de seus produtos, valorizando a importância da experiência humana. Design mais do que uma mera perspectiva orientada pela estética, é um pensamento projetual estratégico frente a uma situação-problema (o famoso "problem oriented"). 

Dessa forma, sabendo que UX designers projetam experiências com o objetivo de mudar situações existentes (problemas) para situações preferíveis (alternativas); à todos envolvidos com a área estratégica de UX cabe também a função de lidar com a complexidade dos chamados “problemas capciosos” (wicked problems, Rittel & Webber, 1973). No Design, problemas capciosos são “problemas do mundo real em que se reconhece a complexa interdependência de diversos fatores e partes interessadas, os quais requerem mais do que simples abstrações lineares de causa e efeito que isolam o produto do design de seu contexto” (em Buchanan, 1995, p. 14). 

Para tornar mais claro, a Figura 1 reúne algumas das principais características desse tipo de problema:

Figura 1. Complexidade dos problemas capciosos. Adaptado de Rittel & Webber, 1973.

Além disso, convêm termos em mente que o Design é uma disciplina da invenção, e por isso sempre se diferiu das ciências da natureza, onde um objeto de estudo está definido e a sua investigação ocorre com o objetivo da descoberta. No Design, o objeto de estudo não é fixo, e a pesquisa pode seguir caminhos exploratórios. Tal inexatidão caracteriza o Design como uma disciplina que se preocupa com assuntos que admitem resoluções alternativas, sendo que a natureza essencial do design exige que tanto o processo como os resultados estejam abertos para debate e discordância (Buchanan, 1995, p. 24 e 25). 

Sendo assim, em um mundo cada vez mais conectado, onde as sociedades são heterogêneas e as vozes são múltiplas, faz sentido que o campo do design esteja em constante evolução, e que se ocupe de pensar caminhos mais coletivos e colaborativos para se “fazer design” junto a múltiplos atores. Além disso, o processo criativo do Design tem sido cada vez mais requisitado por suas características inventivas, holísticas e sistêmicas. É cada vez mais comum encontrar designers em Centros de Inovação, instituições públicas, start-ups e na indústria, por exemplo, com objetivo de facilitar processos de inovação e de estreitar a relação entre os atores que fazem parte destes processos.

E a pergunta que não quer calar é: estamos realmente buscando inovação de maneira colaborativa com as oportunidades de interação que temos atualmente?

Em seu artigo “Conceitos de Ciência e a Política Científica, Tecnológica e de Inovação”, Lea Velho (2011) argumenta que os instrumentos e as formas de gestão sobre as quais se planeja ou se coloca em prática novas tecnologias e inovação estão intrinsicamente relacionados aos paradigmas científicos vigentes em uma determinada sociedade. Ou seja, se por um lado pode ser natural que a implementação de novas tecnologias e a lógica científica vigente estejam em constante tensão por conta de disputas sociais, por outro lado viabilizar a participação de atores diversos pode também suscitar ou influenciar o estabelecimento de novos paradigmas. 

Desse modo, é possível que a maior contribuição do Design em relação ao campo da Ciência Tecnológica & Inovação nesse momento seja o de difundir e desmistificar práticas colaborativas com os chamados usuários desses produtos e tecnologias. Em outras palavras: existe uma oportunidade em 2021 para que nós - profissionais de UX - experimentemos cada vez mais metodologias e práticas para “fazer design com” pessoas e instituições em contextos e situações emergentes; simplesmente como uma proposta para superarmos e transcendermos o paradigma anterior de “fazer design para” um público passivo.

Sendo assim, este texto nada mais que inicia uma discussão breve (pois 1200 palavras é bem pouco para um assunto desses), e tem como objetivo incentivar a utilização de mais e melhores ferramentas colaborativas para se repensar os meios de participação das partes interessadas na geração de novas tecnologias e inovação, com foco inicial em processos ditos abertos. Nos ancorando nos saberes do Design, da Antropologia, da Psicologia, do IHC, da Economia e de tantas outras áreas poderemos, finalmente, nos ocupar de encontrar meios para projetar junto de múltiplos atores.

Mais ainda, que Design 2021 venha como um convite a uma nova abordagem à inovação - na qual pessoas voltam a fazer parte das situações como sujeito ativo (Jasanoff, 2003). Se por um lado se observa a intensificação de uma crise crescente em torno de modelos de inovação tradicionais, de outro, se reconhece que é frutífero trazer partes interessadas para se pensar coletivamente Produto, Inovação e Design. Essa é uma questão que já foi além de se deveríamos trazer outras partes para esse debate, pois atualmente o desafio é de fato viabilizar como promover e mediar a contribuição das partes.

“Nesta nova concepção de ciência que ainda toma contornos, não se nega que os pesquisadores tenham papel destacado, mas reconhece-se a participação de múltiplos atores, associados em redes de configuração variável [...]. Admite-se até mesmo a contribuição de grupos locais numa ecologia de práticas e saberes (Santos, 2003). O conhecimento se faz de forma predominantemente interdisciplinar e se dá nos locais mais variados.” (VELHO, 2011, p. 146)

Sejamos nós, então, os profissionais de UX, aqueles que se comprometerão em trazer para a prática essa mudança de paradigma que viabiliza a inclusão de mais atores (partes realmente interessadas) no processo de inovação e design. Quem sabe assim, um dia, a gente possa ir além da famigerada pesquisa de jornada do usuário, para então explorar e usufruir cada vez mais de pesquisas de cocriação com a colaboração ativa dos usuários.

Referências bibliográficas

BUCHANAN, Richard. Rethoric, Humanism and Design. In: BUCHANAN, Richard; MARGOLIN, Victor. (Eds.). Discovering Design. Explorations in Design Studies. Chicago and London: The University of Chicago Press, p. 23-66, 1995.

JASANOFF, Sheila. Technologies of humility: citizen participation in governing science. Minerva 41: 223–244, 2003. © 2003 Kluwer Academic Publishers.

NORMAN, Donald A.; DRAPER, Stephen W. User Centered System Design: New Perspectives on Human-Computer Interaction. USA: L Erlbaum Associates Inc. Hillsdale, 1986.

RITTEL, Horst W. J.; WEBBER, Melvin M. Dilemmas in a General Theory of Planning. Source: Policy Sciences, Vol. 4, No. 2 (Jun., 1973), pp. 155-169

SANDERS, Elizabeth B. N.; STAPPERS, Pieter Jan. Co-creation and the new landscapes of design. CoDesign International Journal of CoCreation in Design and the Arts. Volume 4, 2008 - Issue 1: Design Participation(‐s).

SIMON, Herbert. The Sciences of the Artificial. 3ª Edição. The MIT Press. Cambridge, Massachusetts, 1996.

VELHO, Lea. Conceitos de Ciência e a Política Científica, Tecnológica e de Inovação. In Sociologias, Porto Alegre, ano 13, no 26, jan./abr. 2011, p. 128-153.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo
não clique