Arquivo 2020

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Designer de Produtos na Promobit, Co-criador e Organizador do Interface Brazil e criador de conteúdo no UX Junior
Preto, Criativo, Atleta

Paulistano com sotaque mineiro, 33 anos, Publicitário e Designer por formação. Nos últimos anos trabalhei em empresas como Casar.com, NZN e para grandes marcas como Microsoft, Samsung, Vogue, Caixa Seguradora, Udacity e Yahama.

Vinícius Gomes
Escute este artigo

Se o design é projetar algo mesclando forma e função ao solucionar um problema, projetando com ação e não apenas pensamento, nos tornamos responsáveis pelos projetos que colocamos no mundo, certo.

2020 foi um ano atípico para todos nós. E nele aproveitei para tirar algumas leituras do armário, dentre elas o Livro Ruined by Design: How Designers Destroyed the World, and What We Can Do to Fix It escrito por Mike Monteiro. O assunto deste livro me chamou bastante atenção e a sua leitura é mais do que necessária para você entender com mais profundidade o assunto que irei abordar. 

Mike afirma que "Antes de ser designer, você é um ser humano. E como todo outro ser humano no planeta, você faz parte de um contrato social". 

Então, ao escolher ser designer, você escolhe impactar as pessoas que entram em contato com o seu trabalho e com as suas ações você pode ajudá-las ou prejudicá-las diretamente ou indiretamente. Por isso, o efeito daquilo que você coloca no mundo deve sempre ser um ponto focal do seu trabalho e designers não podem se isentar disso.

•  •  •  •  •

Imagine que você está trabalhando no time de design de um aplicativo de mobilidade urbana e você é responsável por projetar a interface de identificação do passageiro. 

Por definições das regras de negócio1, essa identificação deve mostrar ao motorista todos os dados do passageiro como a foto, o nome, o e-mail e telefone. Além disso, deve conter botões para aceitar ou recusar a corrida.

Com algumas informações na mão você desenhou o protótipo e foi testar com os motoristas. Nesse teste descobriu que para os motoristas seria muito bom se na identificação do passageiro aparecesse também o local de partida e de destino. Então você acrescentou essas informações, enviou para desenvolvimento e a interface de identificação foi para o ar. 

Algumas semanas depois você começou a receber feedbacks positivos sobre a interface, os motoristas estão te agradecendo por se sentirem mais seguros, pois agora eles sabem o destino da viagem antes mesmo de aceitarem a corrida. Você encerra o projeto e parte para um novo desafio. 

Alguns meses depois o volume da métrica de cancelamento de corridas começa a te chamar a atenção e você nota que nos horários noturnos e próximos a áreas periféricas onde se tem menor movimento, há uma grande quantidade de corridas sendo canceladas sem apresentar nenhum motivo aparente. 

Os passageiros incomodados com a recorrência dos cancelamentos começaram a reclamar nas redes sociais. E algumas dessas reclamações começaram a apresentar um padrão. Todos os usuários que estão reclamando são pretos ou pardos, moram próximos ou nas áreas periféricas e em seus históricos de viagem eles sempre pedem a corrida tarde da noite.

Uma das principais hipóteses nesse exemplo é que apresentar as informações do passageiro e o seu destino antes de iniciar a corrida faz com que os motoristas tenham um viés2 preconceituoso sobre o passageiro, o local de partida e o destino. 

Como designer, você poderia ter identificado esse problema?

Meu propósito não é responder essa pergunta e sim tentar gerar uma reflexão sobre quais os impactos que estamos causando na vida das pessoas e por que nós deveríamos ser mais responsáveis ao projetar produtos e serviços digitais.

•  •  •  •  •

Quais impactos estamos causando na vida das pessoas? 

Não podemos negar que a tecnologia mudou a maneira como nós interagimos com o mundo. E vários dispositivos nos conectam a uma infinidade de conteúdo e comunicação instantânea ao mesmo tempo que produzem novas formas de destruição como o Cliquetivismo3.

Há poucos meses atrás documentários como Privacidade hackeada e O dilema das redes trouxeram para o debate questões como disseminação de notícias falsas, manipulações e a polarização política nas redes sociais. Nos fez repensar sobre o preço que estamos pagando pelo uso excessivo das redes sociais, privacidade e ética. 

Como designer, acredito que o design em si não é responsável pelos efeitos negativos da tecnologia na sociedade, mas de certa forma somos cúmplices.

Você não acha estranho que o mesmo autor que nos ensinou como construir produtos e serviços formadores de hábitos, agora nos ensine a dominar a nossa atenção e assumir o controle das nossas vidas? 

•  •  •  •  •

Por que nós designers precisamos ser responsáveis?

Nós precisamos temer as consequências de nosso trabalho mais do que amar a sagacidade das nossas ideias. – Mike Monteiro em "Ruined by Design: How Designers Destroyed the World, and What We Can Do to Fix It".

Quando um produto é projetado sem considerar e entender todos os seus contextos podemos acabar atuando de forma irresponsável com as pessoas que usam.

Quer ver um exemplo real? Dias atrás eu estava navegando pelo instagram quando me deparei com um story que tinha a seguinte mensagem: 

"Trabalhei a semana passada toda para ganhar R$ 87,00 e ainda tive que pagar R$ 47,00 para o aplicativo porque o cliente, que recebeu o pedido das minhas mãos, reportou para o aplicativo que não recebeu o pedido. O aplicativo não me ligou para saber de nada, simplesmente tirou o dinheiro."  

Momento EMPATIA… 

Obviamente eu nem acho que isso foi esquecido de forma intencional, mas ainda assim criei duas hipóteses do que pode ter acontecido. São elas:

  1. A equipe de design, responsável por projetar este aplicativo, teve uma vaga noção de que o cliente é o beneficiário final do serviço, deixando de considerar o motoboy que faz as entregas e que também deveria estar dentro desta jornada.
  1. Não é um problema até que aconteça – Você já ouviu essa máxima?
    Possivelmente estavam trabalhando com prazos apertados, onde tudo é pra ontem e custa muito dinheiro. Então, se não é algo que afeta a experiência do cliente, podemos subir na V2.
  1. Talvez pela quantidade de outros serviços e a rotatividade dos motoboys, eles não façam parte do modelo de negócios da empresa. 

Consegue perceber o impacto de uma decisão de design? 

PARA NOSSA ALEGRIAAAAA, nesse caso o time de design responsável pelo aplicativo conseguiu corrigir esta falha "se assim podemos chamar" – e agora, na entrega do pedido, tanto o cliente quanto o motoboy precisam informar um código. 

•  •  •  •  •

Para finalizar, eu gostaria que você entendesse que a responsabilidade não é um luxo que podemos acrescentar aos projetos, assim como não é um fardo que você precisa carregar, pois o próprio ato de criar já terá efeitos intencionais que não poderão ser previstos ou compreendidos com antecedência e a reação das pessoas nunca será inteiramente previsível. 

"Design, no fim das contas, é isso: uma série de decisões que vão ter impacto na forma com as pessoas experienciam nossos produtos e serviços – para o bem ou para o mal." 

Por isso, é importante tentarmos fazer melhor do que temos feito até agora. Porque se essa responsabilidade não for minha e não for sua ela não será de ninguém. 

-----------

Regras de negócio são declarações que irão descrever como determinadas operações devem ser realizadas para guiar o comportamento e definir o que, onde, quando, porque e como algo deve ser feito em uma empresa.

Viés ou tendência é um peso desproporcional a favor ou contra uma coisa, pessoa ou grupo comparado a outro, geralmente de uma maneira considerada injusta. Os vieses podem ser aprendidos ao observar contextos culturais.

3 O termo cliquetivismo (em inglês slacktivism do slack, preguiçoso, e activism, ativismo) é um neologismo que criado em 1995 que significa ativismo preguiçoso. E apesar de ter sido criado como uma conotação positiva, atualmente ele é usado para designar ações e campanhas com pouco ou nenhum resultado efetivo em que as pessoas participam apenas para mostrar engajamento, buscar uma identidade ou aliviar consciência ou culpa, apesar de essa admissão não ter sido deduzida pela investigação.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos
não clique