Arquivo 2020

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Designer independente na Toptal
Designer transgressor

Andrei Gurgel é Designer com mais de 20 anos de experiência criando produtos digitais. Interesse em abordagens Participativas do Design, colaboração e cocriação. Nos últimos, tem trabalhado remotamente na condução de times distribuídos de Design e Desenvolvimento em projetos no Brasil, Estados Unidos e Canadá. Criou o Xlab em 2016 para debater sobre o Design no YouTube e em outras plataformas.

Andrei Gurgel
Escute este artigo

Este é um artigo sobre desobediências no Design, que aparecem na forma de questionamentos a conceitos estabelecidos. À norma qualquer questionamento é uma desobediência mal-vinda. Assim, consciente dos riscos que um ato desobediente acarreta, ele vem a público. A desobediência convicta já não se importa com isso. Sabe que a norma não resiste a meia dúzia de perguntas. Questionar é um primeiro passo da desobediência, porque não é o que se espera de uma relação de imposição e de normatização. Diante de padronizações, o que os seus criadores esperam dos demais é passividade. Por isso, este artigo não tem a intenção de trazer respostas, mas sim, perguntas. Várias delas. Desta forma, não haverá aqui tentativas de reforçar normas, mas sim, colaborar com o seu desmonte, para que juntos a gente tente criar novas relações para o Design, e que sejam mais significativas a todos/as/xs nós.

Quando a escritora, teórica, psicóloga, psicanalista e artista interdisciplinar portuguesa Grada Kilomba escreveu o seu livro, Memórias da Plantação (2019), ela realizou uma compilação de episódios cotidianos sobre racismo e sua naturalização estabelecida, demonstrando os mecanismos aos quais milhões de pessoas como ela – mulher negra - são constantemente e institucionalmente submetidas. Sua intenção foi a de expor e questionar de forma contundente estes fatos e analisar o trauma resultado deste processo nas vidas dessas pessoas. Para demonstrar a dimensão de sua análise, porém, a autora desobedeceu a norma acadêmica de pesquisa estabelecida estruturando sua obra a partir do depoimento de apenas duas mulheres - não foram cinco, nem cinco mil – foram duas. Para Grada, isso era mais que suficiente para que ela pudesse embasar sua obra e demonstrar as estruturas que ela tinha a intenção de expor, referente às construções racistas e sexistas, bem como as consequências psicológicas e comportamentais resultantes. Grada sabia que estava desafiando a norma, e ela mesma aponta as consequências de suas transgressões:

Como acadêmica, por exemplo, é comum dizerem que meu trabalho acerca do racismo cotidiano é muito interessante, porém não muito científico. Tal observação ilustra a ordem colonial na qual intelectuais negras/os residem: “Você tem uma perspectiva demasiado subjetiva”, “muito pessoal”; “muito emocional”; “muito específica”; “Esses são fatos objetivos?”. Grada Kilomba

Quem pode falar? Questiona Grada. Para ela, tais comentários à validade do seu trabalho funcionam como uma máscara de silêncio, como se o seu conhecimento fosse incompatível com a norma estabelecida e, portanto, inválido, menor, não digno de atenção.

Inspirado pela força que o texto da Grada carrega, me pergunto: Quem pode falar sobre Design? Quem está autorizado a determinar conceitos e prescrever soluções? Quem estabelece o que é belo e harmônico? Quem aponta os processos que devemos seguir para sermos bons designers? Embora todas estas questões trazidas por Grada descrevam contextos muito mais profundos e graves, que em nenhuma proporção comportaria aqui comparações, percebo que a mesma lógica de construção de saberes recaem sobre o Design.

Será que no Design também convivemos com normas e padrões similarmente estabelecidos e impostos em larga escala? A normalidade do Design. Normas estas que contam com a nossa obediência para continuarem sendo propagadas? Que se apoiam na nossa colaboração obediente de difusão e aceitação? Por que tomamos certos fatos como verdades estabelecidas sem questionarmos? Por que assimilamos construções comportamentais, procedurais, metodológicas, mercadológicas e estéticas no Design de forma tão passiva? Em uma recente participação em debate sobre Design e perspectivas da negritude, Robson Santos (2020) se questionava sobre as nossas referências hegemônicas e dominantes, levantando questões sobre o porquê do estilo minimalista ser tão referenciado num país como o Brasil, tão claramente maximalista, nas suas palavras.

É sobre todas estas questões que eu queria refletir (desobedecer) com quem estiver lendo este artigo neste momento. Acredito que por meio do questionamento e senso crítico, podemos desmontar conceitos impostos por vias de privilégios e opressões, extrair o que fizer sentido aos nossos contextos, para então remontá-los com mais significado a todos/as/xs.

Para mim, um dos conceitos mais evidentes da relação de obediência aos padrões impostos no Design, aos quais estamos todos submetidos, é o da construção da relação projetual Designers/Usuários, que embasa boa parte da compreensão do que é e o que faz o Designer, e por consequência, todos os conceitos que são desdobrados a partir dessa relação.

Alguns meses atrás eu decidi renomear o meu projeto UXlab (que é formado por um canal de YouTube, Podcasts e canal de Discord), voltado à discussão de temas relacionados ao Design, para Xlab, retirando o termo usuário de seu nome.

A minha principal motivação foi e de alinhar este projeto à minha convicção de que o trabalho fruto de um projeto de Design não está relacionado unicamente às pessoas que utilizam os produtos que criamos – os usuários. Sabemos que há diversos outros atores humanos envolvidos nesta relação. Por que eles são sistematicamente ignorados? Começando pelos administradores desses artefatos, aquelas pessoas que em alguma escala contribuem nos bastidores para que determinada solução seja operacionalizada. E as pessoas que sequer utilizam as soluções criadas, mas que mesmo assim são impactadas de alguma forma por elas. Muitas delas são afetadas apenas porque uma solução que antes não existia, passa a existir. Todas estas pessoas também não deveriam ser consideradas?

Sem mencionar o meio ambiente, seus recursos limitados e os outros seres vivos. O que fazemos não tem a potencial capacidade de prejudicar este sistema em que todas as pessoas e outros seres vivos coexistem? Por que esse pensamento é tão pouco mencionado? Por que não nos dizem que devemos considerá-los, repará-los? Definitivamente, o termo usuário está longe de abarcar estes conceitos essenciais para o pensamento sistêmico tão necessário ao Design.  

Usuário é por si só um conceito limitante. Na interpretação normatizada os usuários são vítimas de uma situação, incapazes de realizarem suas perspectivas e consequentemente conceberem soluções. Nesta relação, usuários são aqueles que servem aos designers relatando ou demonstrando seus problemas, suas possíveis frustrações, numa via de mão única. Ainda segundo a relação normatizada são os designers, e apenas eles, que possuidores dos talentos especiais, percepções e capacidades projetuais, estão autorizados a prescreverem soluções aos segundos. Neste arranjo, uma clara relação de hierarquia de saberes se estabelece.

É possível ir mais longe e refletir que no idioma português o usuário é um termo que remete ao gênero masculino. Ninguém fala das usuárias. Pessoas do gênero feminino não estariam sendo subliminarmente desconsideradas de um projeto? E quanto ao termo user, a respeito do qual tanto lemos na literatura internacional, será que carrega os contextos e vivências de um pessoa que vive, por exemplo, longe dos centros, nas periferias do Brasil?

A normalidade do Design, numa aparente tentativa de se apropriar desses questionamentos e se adaptar, passou a referir-se aos usuários como humanos, e por vezes como pessoas. Desta forma, abordagens de design que são apresentadas nas configurações de centralizações em torno do rótulo usuário, tais como, Design Centrado no Usuário (DCU ou UCD de User-Centered Design), Design Centrado no Ser Humano (DCH ou HCD de Human-Centered Design) ou todas as suas variações, estão sempre se referindo a mesma seleção limitada as quais estamos argumentando.

Em seu artigo publicado no ano passado para esta coleção inaugural de textos – o Design 2020 - Karen Santos (2019) descreve as diversas soluções de Design criadas com vieses racistas. Com precisão a autora questiona se a definição de humano contempla pessoas negras, já que por séculos esta condição vem lhes sendo negada.

“Eu costumo fazer a seguinte pergunta em algumas falas: se a tecnologia está se tornando centrada no ser humano, como o “ser humano” está sendo definido?” – Karen Santos

É por isso que um pensamento um pouco mais ampliado em relação aquele que orbita ao redor do termo usuário lança perguntas também sobre conceitos que se desdobram a partir desta compreensão. Talvez o mais popular destes seja o conceito de UX (Acrônimo de User Experience ou Experiência do Usuário). Se estamos transgredindo a compressão que nos foi imposta sobre o termo usuário, também precisamos considerar que a Experiência evocada por um artefato fruto de um projeto de Design não é apenas relacionada aos seus Usuários – ou, aos utilizadores diretos de uma solução – mas também precisam igualmente ser consideradas as experiência dos não-usuários, das experiência sistêmicas, materiais e imateriais e suas interconexões.

É o entendimento das interconexões de experiências o que torna possível falarmos sobre conceitos de Design Reparador – aquele que tem o objetivo de reverter os danos sistêmicos complexos criados pelos modelos tradicionais de projetos, sejam ao meio ambiente, a diferentes seres, a grupos anteriormente desconsiderados das soluções criadas, abrindo espaço para o que o Designer Pesquisador Caio Vassão (2020) chama de Inovação Regenerativa e um novo modelo econômico que os contemple.

E para você, que chegou até aqui, eu reservei as últimas perguntas deste artigo. Aquelas que eu mesmo seguirei refletindo em 2021: Como o Design e os artefatos que temos colaborado a conceber alteram essa rede interconectada de pessoas, seres e ambientes ao nosso redor? Para enfrentar os desafios que se apresentam à nossa frente, é necessário que elaboremos uma forma diferente de pensar Design, que contraponha a norma usuário, que contemple a diversidade, os diferentes atores e contextos envolvidos. Este é um ato de desobediência que eu te convido a participar.


Referências

GURGEL, A. Xlab - Olá todos, todas e todes. Medium, 2020. Disponível aqui. Acesso em: 29 Novembro 2020.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. [S.l.]: Cobogó, 2019.

SANTOS, K. Design 2020. Vieses racistas: como combatê-los no design, 2019. Disponível aqui. Acesso em: 29 Novembro 2020.

SANTOS, R. VIVA DESIGN - Design Decolonial: cenários e perspectivas da negritude. 1 Video (135 min). Publicado no canal CESAR School, 2020. Disponível em: <https://youtu.be/viZpoA1-Izc>. Acesso em: 28 Novembro 2020.

VASSÃO, C. A economia pós-industrial. The Funnel, 2020. Disponível aqui. Acesso em: 29 Novembro 2020.

________, Novo ciclo global de inovação. The Funnel, 2020. Disponível aqui. Acesso em: 29 Novembro 2020.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo
não clique