Arquivo 2020

Designers will design

Juliana Morozowski
Product Designer no Nubank
Feminista, introvertida e nerd.

Graduada em Design Industrial pela UDESC e especialista em UX pela UFSC. Há mais de 16 anos navegando no universo do Design. Do gráfico a ilustração, da diagramação à websites, de softwares a a aplicativos e produtos. Com experiência tanto em consultorias quanto em empresas de produto, já viajou metade do país realizando pesquisas em design e desenvolvendo projetos. Já liderou equipes de UX em diferentes cidades do país e hoje atua na área de app evolution no Nubank. Como boa nerd, é apaixonada em resolver problemas complexos. Lifelong learner

Juliana Morozowski
Escute este artigo

Quem nunca ouviu que o "designer quer ter seu espaço à mesa" para poder discutir de igual para igual a estratégia do produto com o resto da empresa? E que, para isso, ele precisa aprender mais sobre negócio, produto, métricas e comunicação; precisa desenvolver seus soft-skills, capacidade de liderança, estar atualizado sobre novas tecnologias e desenvolvimento? Ufa! A lista de aprendizados é infinita. Não me entenda mal, acredito que conhecimento nunca é demais. Se você gosta dos assuntos, acha importante e quer se aprimorar, vai fundo! Só não se esqueça de, no meio do caminho, também aprender mais sobre Design.

E aqui não falo apenas de UX, mas sim de Design. Nossa área é muito mais vasta e a experiência do usuário é apenas uma das partes a serem consideradas num projeto. Afinal, não custa lembrar, mas design significa projetar. Se nosso objetivo é entregar um produto que possa promover uma excelente experiência do usuário, provavelmente ele vai ser o fruto de um projeto bem resolvido.

Para melhor projetar, temos à disposição várias ferramentas, práticas, métodos e processos que nos auxiliam nessa tarefa. E aqui cito uma das práticas que eu acho mais interessante, que é a Arquitetura de informação. 

Uma arte (quase) esquecida

Hoje, falar sobre Arquitetura de informação se assemelha a entrar num antiquário para resgatar algo que está no fundo de um armário antigo; você vê uma peça interessante mas que está toda empoeirada e meio enferrujada. Parece que não faz muito sentido trazê-la para a luz do dia. Melhor deixá-la lá, escondida no escuro mesmo. Pelo contrário meu amigo/a designer, essa peça precisa, mais do que nunca, aparecer na vitrine da loja.

Palavras como sistemas, ecossistemas, complexidade, hierarquia, taxonomia e sustentabilidade, entre tantas outras, não são palavrões. Elas precisam estar cada vez mais presentes na boca - e na prática - dos designers.

Parece que pensar em aplicativos acabou "simplificando" as coisas na nossa mente. Que é algo simples e fácil de resolver. Afinal, temos muitos produtos de referência no mercado para nos espelhar. Basta fazer uma pesquisa, definir uma estratégia, fazer uns wireframes; juntar umas telas em sequência, colocar um scroll aqui, um tab ali e voilà, temos um app. Com design system, boas práticas, frameworks, templates prontos e muitos outros recursos à disposição, tudo ficou muito mais "fácil" de se resolver. Seria maravilhoso se tudo fosse tão simples assim.

Mas por que não seria? Porque o mundo nunca esteve tão confuso. Ao mesmo tempo que temos tantas facilidades à nossa disposição, a complexidade aumenta a cada dia. Basta ver, por exemplo, os grandes desafios que teremos relacionados às mudanças climáticas. Ter facilidade em algumas partes do projeto deveriam nos permitir ter mais tempo para pensar em outros aspectos dos problemas a serem resolvidos. Um desses casos seria pensar em como nossos produtos podem evoluir de forma mais orgânica.

Lembra do papo lá de cima sobre sentar à mesa e discutir a estratégia? Pois é, cá estamos, neste exato momento. Aqui precisamos não só do seu conhecimento sobre business, que sim, vai ajudar a conectar a inteligência do negócio com as necessidades do usuário. Mas, além disso, precisamos da sua visão de designer e, de preferência, uma visão adequada ao mundo em que estamos vivendo, numa versão expandida, abstrata e, principalmente, sistêmica.

Acompanhando a complexidade do nosso mundo, seguem os produtos que desenhamos. Se, por um lado, conseguimos projetar experiências mais intuitivas e fluídas, por outro, elas co-existem num contexto muito mais amplo. Pois nenhum produto existe no vácuo. Ele existe dentro de um universo de outros produtos e serviços inter-relacionados; estes, por sua vez, também são sistemas únicos em si. E todos eles juntos formam um ecossistema com um único propósito. Confuso? Sim. Esse é o momento que nos encontramos agora. Um momento complicado. 

"That’s what a system is: a set of elements that work in interrelated ways towards a purpose." 
Jorge Arango

Mas o que eu quero dizer com tudo isso? Que nossa maneira de projetar está, de certa forma, limitando o crescimento dos nossos produtos, que demoram muito a responder às novas necessidades das pessoas e do mundo. Por exemplo, conseguimos no dia a dia colocar várias melhorias pontuais e incrementais. Mas, quando precisamos expandir uma estrutura que precisa suportar mais produtos ou funcionalidades, acabamos tratando isso como um redesign, pois a mudança necessária é muito maior e envolve mais pessoas. Isso gera impactos nos times, no custo e no time-to-market do produto. Nem sempre projetamos considerando a evolução contínua. Nosso pensamento acaba sendo limitado a alguns meses à frente do dia de hoje. Pensamos na entrega do quarter, do semestre. Pensamos no projeto feito, finalizado e entregue. 

Por isso considero a Arquitetura de informação uma prática muito importante. Sua utilização, nos permite pensar em estruturas, sistemas e complexidades. Ela nos ajuda a ampliar a nossa visão, permitindo explorações estruturais e conceituais que facilitam a evolução. Nos auxilia a pensar de forma mais sistêmica, abraçando o agora e o futuro de produtos e serviços. 

Esse é um breve exemplo, entre tantos outros possíveis, que usei para ilustrar sobre as belezas que temos a disposição no nosso "cinto de habilidades" do design.

De conceitos abstratos à realidade

"We live today not in the digital, not in the physical, but in the kind of minestrone that our mind makes of the two". 
Paola Antonelli

Saindo do abstrato e indo para o mundo real, temos visto como sites e aplicativos estão criando contextos que influenciam a nossa maneira de entender o mundo e como agimos nele. Mesmo comprimidos em pequenas telas, esses sistemas se conectam num universo que vai muito além deste momento.

Hoje passamos grande parte do nosso tempo online, em ambientes informacionais. Nossas atividades diárias, seja por praticidade ou por alguma circunstância inesperada como o COVID-19, foram empurradas ainda mais nessa direção. 

O que fazíamos antes foi para o digital. O trabalho, a academia e a escola foram obrigados a migrar para o mundo intangível. Empresas tiveram que ser criativas, à toque de caixa, para sobreviver à essa mudança. E a rapidez dessas transições só foi possível graças a natureza imaterial dos ambientes informacionais, que mudam de uma forma muito mais rápida que um prédio físico. 

O estado natural desses ambientes é estar em um constante fluxo, adaptando e evoluindo em resposta aos desafios que o mundo apresenta.

Esse momento em que estamos vivendo representa um dos grandes desafios que teremos que enfrentar nos próximos anos. Quanto mais caminhamos em direção a espaços informacionais complexos, mais precisamos aprimorar nossa forma de pensar e projetar. Refletir em como nossa vida vai acontecer e evoluir no digital. 

Para isso acontecer, devemos criar condições que permitam que essa evolução ocorra tanto de forma conceitual quanto estrutural, sem comprometer o propósito desse produto e/ou serviço. E o que não nos falta é conhecimento dentro de casa para nos ajudar nessa tarefa. 

Na nossa carreira, vamos aprender muitas coisas, desenvolver novas habilidades, conhecer muitos temas e literaturas sobre outras áreas de conhecimento, que não são do universo do Design. Tudo isso é muito importante para que sejamos designers melhores. Mas, no final das contas, designers will design.

_________________________

Este texto foi inspirado pelo livro "Living in Information - Responsible Design for Digital Places" - Jorge Arango

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja
não clique