Arquivo 2020

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Research & Business Design Lead no iti Itaú e criador de conteúdo no Design Preto
negro, gay, indígena

Nascido em Santo André/SP, filho de mãe solteira, de família nordestina, líder do time de research & business design no iti Itaú, criador de conteúdo no canal Design Preto e mentor na comunidade PretUX. Sou gay, negro e de ascendência indígena. Atuo há 10 anos com design e serviços digitais.

Fernando França
Escute este artigo

Acho justo que, antes de você começar a ler esse texto, eu deva te alertar que meu objetivo aqui não é trazer respostas, mas estimular reflexão e gerar diálogos. Abrir um pensamento crítico sobre a forma como lidamos com o design e seu impacto hoje. Então, dados os devidos alertas, conta aqui pra mim: você acha que, quanto comunidade, nós compreendemos, de fato, o papel social que exercemos ao construir um produto digital e lançá-lo no mundo? Eu acredito que ainda não. E ouso dizer que estamos até um pouco distantes dessa realidade. Sinto que nossa comunidade ainda limita-se a percorrer ambientes confortáveis do design. Estamos presos nos nossos casulos de discussões técnicas e instrumentalistas, que apesar de serem desafiadoras e necessárias, acabam por não estimular o questionamento para além do que é mais tático no design, limitando assim, nosso potencial de transformação. 

Quando falamos sobre como operacionalizar as atividades do design nas organizações com mais frequência do que trazemos debates sobre como a nossa disciplina tem sido responsável pela manutenção de desigualdades, percebemos que nossa comunidade ainda engatinha quanto a compreensão de sua potência e responsabilidade social.

Significa que as pautas técnicas e instrumentalistas não sejam importantes para a evolução do nosso campo de estudo? Jamais! São de extrema importância para alcançarmos maestria quanto disciplina, mas não são elas que levarão o design a novos rumos e patamares. Porque quando apenas discutimos o "como fazer", estimulamos pensamentos mecanicistas de execução que nos impedem de questionar as estruturas do dia a dia. Deixamos de lado nosso pensamento crítico e filosófico para nos tornarmos ótimos executores de técnica impecável, mas que não compreendem a responsabilidade de seu papel social em um mundo complexo e ambíguo.

Entender esse papel, é fundamental para compreendermos, questionarmos e mexermos nas estruturas da nossa sociedade a partir das abordagens transformadoras do design. Mas esse entendimento exige um deslocamento à uma posição de desconforto, expandindo nosso discurso para além do ferramental, a um nível de entendimento filosófico do design que questiona as suas próprias estruturas e mentalidade e puxa responsabilidades para si.

Então, te faço um convite para vir comigo nessa jornada de diálogo e pensamento crítico da nossa disciplina. Aqui, inicio essa jornada com você já por um tópico perigoso que, de primeira vista, parece não ter relação com o design, mas infelizmente, guia grande parte dos nossos processos decisórios no design de produtos: a colonialidade.

Vamos falar um pouco de história?

Na verdade, a compreensão da problemática da colonialidade é uma discussão bem árida que exige mais tempo do que um artigo curto. Então, nesse momento, vamos nos ater a entender que a base da colonialidade é a exploração, domínio e conflito como forma de exercer o poder, controle e autoridade sobre determinados povos, e que mesmo após o fim do colonialismo com as independências nacionais das colônias, ainda mantém traços e formas de racionalizar e organizar o mundo, mesmo que inconscientemente, vindas desse sistema que permanecem até hoje no imaginário coletivo do povo, principalmente nas estruturas de negócio dos produtos que estamos construindo na atualidade. Um desses traços da colonialidade que tratarei, especificamente, neste artigo, é a lógica de mundo neutra e universal. Ela é um dos instrumentos fundamentais de poder da colonialidade, e responsável pela criação de dinâmicas de poder e subjugação de povos que perduram até hoje, e tem grande impacto no processo de design de produtos digitais. Mas primeiro, vamos entender o papel dela na colonização e depois fazemos os paralelos com o design, pode ser?

A lógica de mundo neutra e universal no colonialismo europeu

Essa lógica parte do pressuposto de que o jeito de viver e estar do europeu era um "modelo a ser vivido", portanto universal. A ideia de que ele estaria no ápice do desenvolvimento civilizatório, político, cultural e religioso, fez com que se posicionasse como uma classe dominante mais desenvolvida e próxima da racionalidade, tornando-o mais "humano". Então, todo povo que não seguisse esse mesmo modelo europeu de civilização, era considerado primitivo, menos humano e, portanto, podendo ser explorado e dominado. Ou seja, a lógica europeia era: se o meu modelo é neutro e universal, eu posso impô-lo a essa civilização "primitiva".

“A ideia de que os brancos europeus podiam sair colonizando o resto do mundo estava sustentada na premissa de que havia uma humanidade esclarecida que precisava ir ao encontro da humanidade obscurecida, trazendo-a para essa luz incrível.” trecho do livro Ideias para adiar o fim do mundo de Ailton Krenak.

Na colonização, os europeus, além de exercerem dominância sobre o território e povos originários latinoamericanos, apagaram suas identidades culturais e históricas, impondo ao nosso povo a sua lógica universal: seus hábitos, costumes, leis, cultura, religião e política. Uma percepção europeia distorcida de que estavam resolvendo problemas e trazendo desenvolvimento civilizatório para as colônias, mas que na realidade foi um processo violento de apagamento epistemológico, cultural e histórico. A lógica de mundo neutra e universal é tão perigosa que nos leva a entender que a nossa forma de ver o mundo é a única válida, e aquilo que difere dela são apenas pontos de vista ou objetos de estudo. A partir do momento que acreditamos em uma lógica universal, nos fechamos para outras possibilidades de construção de mundo e nos vemos no direito de impô-la a outrem, acreditando estar fazendo o melhor a esse outro indivíduo. E aí, já conseguiu fazer algum paralelo com design de produto?

Agora vamos falar de design?

Nós temos o hábito de atribuir ao designer o papel de um ser superior iluminado que vai salvar e solucionar todos os problemas de uma população. Cá entre nós, o quanto essa mentalidade não é colonizadora? Já parou pra pensar em quantas vezes nós nos distanciamos dos nossos clientes e os tratamos como objetos de estudo, os afastando da humanidade? A dor que tentamos sanar é real para o cliente ou é a dor que nós teríamos estando na pele dele? Será que nosso processo de design tem sido apenas o resultado da nossa incapacidade de entendermos realidades que não sejam as nossas? Será que, no fim, estamos projetando as nossas realidades e a nossa forma de viver no nosso cliente, acreditando estarmos sanando suas dores? E se, na verdade, estivermos impondo a nossa lógica neutra e universal e estilo de vida a uma população, fantasiando-a de solução? 

“Como assim você não assina Netflix, Amazon Prime, Disney+, Globoplay e HBOGo? Como assim você não tem Spotify Premium? Como você vive sem ter conta em banco? Como assim você exclui aplicativos por não ter espaço no celular?” questionamentos fictícios de designers quando encaram as realidades fora de suas bolhas de privilégio.

Será que, por meio do design, estamos invadindo e apagando culturas, conhecimentos e territórios? Será que estamos construindo soluções pontuais para problemas sistêmicos e ignorando as consequências negativas que essas soluções possam estar trazendo para o indivíduo ou para a sociedade? Será que estamos criando produtos justos que promovem igualdade de oportunidades ou estamos sendo protagonistas na perpetuação e manutenção de desigualdades, incentivando a exploração, dominação e conflito de povos marginalizados e estigamatizados?

É importante que entendamos que se nós não levarmos em consideração o impacto daquilo que fazemos, podemos estar perpetuando dinâmicas de colonização e criando padrões de opressão. Até quando vamos ignorar que os produtos que estamos construindo estão lucrando em cima da desigualdade? Até quando faremos da exploração e exclusão, experiências fluídas e amigáveis? 

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal
não clique