Arquivo 2020

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Product Designer no iFood, Fundadora do ux.kit, e do podcast UASK
Manauara, Fundadora do UX.KIT, host no podcast UASK.

Sempre fui apaixonada por soluções com propósito, e durante os 6 anos de atuação na área de Design em experiências digitais tive uma jornada de carreira que vai desde a Universidade do Porto, Apple Academy, aplicativos para indivíduos com deficiências intelectuais, empreendedorismo social, UX conversacional, consultorias multinacionais, e atualmente Product Designer sênior no iFood, também sou fundadora da UX.KIT e host no podcast UASK onde tenho a oportunidade de conversar com especialistas da área de design e tornar o conhecimento acessível.

Valéria Romano
Escute este artigo

O modelo mental humano e as regras da sociedade foram "design(adas)" muito antes dos objetos e interfaces que criamos existirem. Entender a origem e questionar nossos métodos é o primeiro e mais importante passo para criarmos produtos e serviços que moldarão, daqui pra frente, o futuro.

Minha missão nesse texto não é criar um processo novo, ou metodologias, mas uma discussão reflexiva sobre o design como um processo que não deveria pertencer apenas ao profissional de design, e como isso pode ser democratizado.

"Como a rocha que conhece o rio"

Essa citação tirada da série "Fargo" pode servir de reflexão sobre o começo de um projeto de design, onde há evidente necessidade de se olhar o que houve no passado para, enfim, aprender e seguir com novas ideias.

Mergulhando na raiz dos métodos de design, nos deparamos com um mundo no pós-guerra, entre a década de 50 a 60, quando nasce a "primeira geração de métodos de design" baseada no método científico e sistemático - claro, seus criadores eram em maioria engenheiros e projetistas que, com o objetivo de aumentar a indústria e facilitar o uso de máquinas para produzir mais, buscavam validar o Design como uma área da ciência.

Com isso podemos voltar ao nosso contexto atual, onde algumas coisas (como a pressão da indústria) claramente se repetem e vão continuar se repetindo ainda mais vezes. No entanto, percebemos algumas diferenças que em 2020 só aumentam: maior acesso à tecnologia, maior necessidade de pessoas que pensam e questionam o uso de ferramentas digitais, e uma mescla de profissionais em design de diversas áreas como o Design gráfico, arte contemporânea e design urbano para transformar o mundo físico com o digital.

Para onde vamos agora?

e como o contexto atual influencia diretamente o futuro da área de design?

Pessoas desconectadas: Ao mesmo tempo que temos uma maior necessidade de pessoas conectadas, encaramos a realidade de 46 milhões de brasileiros que não têm acesso à internet (segundo a CETIC, 2019). Além do fato dessa realidade refletir a falta de acesso à educação e a nossa diferença social em um mundo mais digital, pensar em alternativas para conectar pessoas sem dúvida será uma das prioridades do mercado.

Elitismo e design: O preço aproximado de um curso em UX Design no Brasil é de 1mil a 3mil reais. É possível que esse valor aumente pela alta demanda do mercado digital, e consequentemente o processo se torne cada vez mais exclusivo a pessoas de alta renda - e que não abrangem o grupo de minorias brasileiras.

Esse aumento da busca de mercado por profissionais de design, significa também que precisamos aumentar a inclusão de pessoas de outras idades, regiões, gêneros, deficiências, orientação sexual, raças, e nível de conhecimento - ou seja, aprendizes, estagiários, juniors.

Centralização de poder: No meu início de carreira ouvi uma vez "Bom, você como UX... qual o melhor caminho para o usuário?" e procurei na minha mente toda e qualquer pesquisa que poderia responder a pergunta, mas com os dados que disponíveis nesse projeto, o mais próximo que cheguei foi "Não sei, preciso testar".

Essas situações de tomadas de decisão não deveriam ser de responsabilidade apenas do profissional de design, e por mais que o mercado tenha desenvolvido metodologias agéis (design sprint, facilitações, workshops etc) que tornam nossas decisões mais focadas em dores e metas do usuário, essas técnicas tem um limite de interatividade apenas em etapas específicas do projeto. A verdade é que o Designer continua sendo o profissional fechado em uma sala com alguns post-its procurando a melhor estratégia para solucionar problemas que envolvem muito mais do que aquele público-alvo, essa centralização de poder não permite ver quem é mais influenciado pelos produtos e serviços: as pessoas, o mundo, a sociedade.

Mas e se esse processo não pertence-se apenas à esse profissional? E se pessoas que não dominam design mas são diretamente e indiretamente impactadas pudessem participar e aprender ativamente nesse processo?  E se nossos processos fossem totalmente transparentes, interativos e com intenção de democratizar e não de excluir?

Como democratizar o processo?

Algumas coisas que acredito que podemos trazer para iniciar com esse processo mais democrático:

1. "Wabi-sabi"  - uma filosofia japonesa onde o belo é imperfeito, impermanente e incompleto.

Erramos o tempo todo e não admitimos. Poucos profissionais descrevem o caos do processo criativo nos artigos tão aplaudidos no Medium ou em um portfólio cheio de trabalhos realizados através de métodos "perfeitos". Mas a verdade é que erramos.

Erramos porque o processo é um reflexo do nosso modelo mental, e por mais perfeito que tentamos ser, vamos errar.

Nosso processo é nossa luta individual contra os gatilhos mentais. Gatilhos como a aversão a perda e a prova social onde estamos constantemente nos comparado aos outros.

E quanto mais rápido você admitir que não vai salvar sua empresa/projeto por ser Designer ou muito f#da no que faz... mais rápido você erra e mais rápido você começa a aceitar que precisa de outras pessoas.

2. "Poder para o povo, combate ao sistema" - "power to the people, stick to the man". Frase do filme Capitão Fantástico

A única forma de acabar com o poder é através da sua descentralização, e para descentralizar precisamos envolver mais pessoas no processo.

É claro que isso vai depender de alguns fatores: se você está em uma ambiente que te permite testar e errar, por exemplo.

Afinal, "envolver pessoas" é também entender se todos estão sendo incluídos no processo, se sabem usar e se têm acesso às ferramentas que você vai apresentar ou disponibilizar nas dinâmicas de criação e definição. Outras perguntas fundamentais para tal objetivo: se não se sentem excluídos na discussão, se entendem o espaço e momento atual dessas pessoas , qual retorno elas têm nesse processo ou, o que elas aprenderam?

Talvez no final você nem crie um produto ou serviço, ou invalide a ideia durante a etapa de pesquisa, mas seu processo não vai ensinar apenas você, como também beneficiar as outras pessoas envolvidas. Além disso, descentralizar ajuda o profissional de design a não sofrer um *burnout* com o nível de responsabilidade da área e do peso das decisões tomadas.

3. Talento ganha jogos mas trabalho em equipe e inteligência ganham campeonatos - michael b jordan.

Estar imerso no mundo do design desenvolve um ego e visão focada apenas no design, ignorando o mundo ao redor.

É claro que hoje temos alguns métodos bonitos pra tentar nos deixar mais abertos a outras idéias, incluindo facilitações em grupo e Design critique. Mas isso é o suficiente? Quando juntamos pessoas da área de tecnologia em uma sala virtual para avaliar produtos que vão afetar o mundo, é suficiente? Definitivamente, não.

Segundo Tenório (1990, p.2 em O mito da participação) “[...] participar é uma prática social na qual os interlocutores detêm conhecimentos que, apesar de diferentes, devem ser integrados. Que o conhecimento não pertence somente a quem passou pelo processo de educação formal, ele é inerente a todo ser humano”

O quão participativo é o seu processo? Que outras pessoas além da sua bolha tecnológica você tem envolvido, e o quanto é esse envolvimento?

4. Ouvir não é o suficiente, precisamos da escuta analítica.

A escuta analítica é uma prática da psicanálise mencionada por Freud, mas deveria ser mais vezes aplica ao processo de Design, onde não basta apenas ouvir (ou seja, utilizar apenas a audição como recurso de analise), a Escuta analítica comunica a atenção sem critica ou seleção do que é escutado, evitando se basear no que acha ser mais relevante.

Quando permitimos a escuta analítica também permitimos nos desprender de vieses e entender a realidade do outro.

5. “usuários” não são enquadrados e reconhecidos como trabalhadores de IHC. - Gonzatto, 2018

“Usuário é um termo utilizado em estudos e projetos de IHC para denominar a pessoa ou grupo de pessoas que usa artefatos computacionais. (...) também são trabalhadores da produção material e simbólica da realidade. Entretanto, na forma histórica que toma no modo de produção capitalista, “usuários” não são enquadrados e reconhecidos como trabalhadores de IHC."(Gonzatto, 2018)

No meio profissional de design existe uma diferença normalizada: nós (designers), somos diferentes de, os "outros" (usuários).

Essa diferença propões uma segregação entre pessoas como se usuários não tivessem o mesmo "nível" intelectual para criar artefatos digitais e influenciar os próprios produtos.

Em um futuro cada vez mais digital, vai ser comum compartilhar com usuários, opniões e conhecimentos de usabilidade, além de discutir as intenções verdadeiras da criação de um produto/serviço, os usuários deixam de ser passivos e se tornam ativos e conscientes desse processo.

6. "A melhor câmera é a que você tem em mãos" - frase favorita de um dos meus professores de fotografia.

Eu era uma grande evangelista dos métodos de design, "Vamos fazer uma Jornada do usuário?", "Aqui precisamos de um mapa de empatia", adorava uma facilitação com vários canvas.

Mas o que a prática desses métodos me ensinou foi que não existe algo pronto, e que geralmente esses métodos são mais uma forma de organizar estratégias, pensamentos e alinhar o time.

Meus métodos favoritos agora são as adaptações, o envolvimento, preparação do "ambiente" e dar ferramentas para as pessoas resolverem os problemas certos, isso não significa que eu sei as respostas, mas que no lugar de tentar descobrir tudo e passar pelo caos criativo sozinha, eu envolvo times, pessoas e especialistas, transformando juntos o processo e os métodos de acordo com as perguntas, e não com as regras.

Design não é mais uma pessoa, mas sociedades.

Em resumo, o que acredito é que se existe uma forma de criar produtos e serviço para todos, com certeza é fazendo produtos com todos, mas ao mesmo tempo, essa criação precisa levar em consideração o contexto do país e das pessoas relacionadas, adaptando ferramentas para que elas sejam incluídas e empoderadas para solucionar os problemas.

Por fim, precisamos de um processo de educação em design de forma acessível, nossa profissão é cheia de privilégios e precisamos compartilhar o conhecimento, lugares como esse site (design2021) e alguns outros movimentos têm tornado o design um conhecimento mais livre.

Mas só podemos falar de design para todos, se formos parte dessa mudança e compartilhamos nossos aprendizados, permitindo novas mentes criativas surgirem e colaborarem, por exemplo, como podemos levar o conhecimento do design para a favela? Ou para pessoas mais velhas? para o governo? animais? crianças? A democracia do processo de design é possível, se nós, profissionais de design nos tornamos uma ponte e não o guardião ou guardiã dela.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe
não clique