Arquivo 2020

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Coordenador de Design na Youse
Lindy hopper, ciclista, LGBTQIA+ 🌈

Orgulhosamente LGBTQIA+ 🌈, maceioense, ciclista, lindy hopper, baseado em São Paulo, formado em Design pela UFPE-CAA.

Vinícius Vieira
Escute este artigo

Ao me aproximar pessoalmente ao contexto de liderança de times de design, algumas reflexões estão fritando na minha cabeça desde então. Consigo enxergar a comunidade de design aberta e curiosa para o debate de tópicos técnicos, extremamente importante em um mercado que valoriza cada vez mais o olhar para as pessoas clientes e seu impacto real no crescimento em escala de um produto digital. As pessoas a frente de um time de design finalmente começam a enfrentar cobranças e desafios diferentes dos problemas enfrentados junto aos times de tecnologia e produto.

Porém, sinto que utilizamos nosso repertório enquanto designers de maneira limitada ao não explorar esse mesmo conceito em outras áreas de atuação profissional (e por que não dizer também pessoal?). Aqui, quero refletir sobre essas responsabilidades atreladas à liderança de pessoas, sua relação com o design e a necessidade de um espaço seguro para o desenvolvimento técnico e profissional de indivíduos, produtos e serviços.

Visão holística do produto

Ao liderar pessoas com o foco em um bem comum - impactar positivamente pessoas - para o negócio, torna-se primordial uma visão completa e generalista da jornada de uma pessoa cliente. Momentos que variam desde a captura de um perfil até o uso e desistência dessa pessoa do produto. Com um foco muito além da interface, um conceito atrelado ao design se destaca: comunicação.

Enquanto designes, somos estimulardes a olhar a relação de nossos produtos e features do cliente para dentro, e não tanto da relação holística que o produto desempenha no contexto a qual está inserido. Rafael Cardoso em Design Para Um Mundo Complexo já chamava nosso olhar generalista para as inúmeras dependências que artefatos possuem com a evolução da tecnologia e sua relação com a sociedade.

O mundo atual é um sistema de redes interligadas; e a maior rede de todas é a informação. Ignorar esse fato, ou posicionar-se contra ele de modo reativo, serve apenas para minar qualquer possibilidade de mudar o sistema. (Rafael Cardoso)

Como as pessoas estão sendo impactadas nas diferentes jornadas dentro do seu produto? Como você e seu time validam a efetividade dessa comunicação e a qualidade dessa informação? Clientes conseguem desenvolver com autonomia seus desejos de acordo com a comunicação recebida dentro e fora do seu produto?

Enquanto líder, busco compreender as inúmeras dependências que os sistemas (eletrônicos e sociais dentro de uma organização) possuem para encontrar sugestões que consigam ser refinadas e validadas constantemente.

Foco em pessoas

As principais metodologias de design que provaram ter impacto positivo nas organizações foca principalmente no diálogo recorrente com pessoas. É a partir dessa relação que torna-se possível o entendimento de problemas reais que podem ser motores de inovação.

Aqui observo um diálogo importante que precisamos desenvolver: como designers encaram a dominação e controle do conhecimento técnico de design e como isso pode ou não desenvolver uma estrutura hierárquica de poder entre designers, clientes e demais profissionais envolvidos. Há um debate extremamente necessário feito pelo grupo de estudos Design e Opressão que relacionam práticas coloniais aos processos de design, desde sua criação até sua aplicação no dia a dia de um time ou organização.

Precisamos lembrar que metodologias não são lineares, como receitas de bolo, e que fatores como contexto, pessoas envolvidas, fatores socioeconômicos definem não apenas o resultado do nosso trabalho, mas também como podemos SER e AGIR enquanto individuos em um desafio profissional, seja dentro do time como em uma etapa de cocriação por exemplo. Ao estar inserido eu um novo contexto afim de entender problemas e propor soluções viáveis, designers não serão as 'pessoas salvadoras' com as 'respostas certas' principalmente se esse novo contexto for distante da vivência por elas experenciadas.

Crescemos e vivemos em uma sociedade pautada em diversos conceitos datados onde o sonho do oprimido é ser o opressor – conceito do educador e filósofo brasileiro Paulo Freite. Gerir pessoas não foge dessa dinâmica. A cultura de que ambientes corporativos são hierárquizados numa estrutura semelhante se relaciona com o senso comum de gestão amplamente replicado no mercado de trabalho. Analistas que respondem as pessoas gestoras, que respondem as pessoas diretoras, etc.

Acredito que a real liderança ocorre quando possibilitamos a ruptura desse modelo e damos espaço para que as pessoas lideradas encontrem meios e conforto para análise e desenvolvimento de soluções. Indiferente do espaço, se em um time multidisciplinar ou entre pares, a necessidade do olhar da liderança com as pessoas lideradas deve facilitar e remover qualquer tipo de impedimento para que ações como essas aconteçam. Particularmente, não acredito em modelos de liderança que fogem desse padrão.

Estrutura e processos internos

Design como metodologia nos permite conhecer, explorar, refinar e propor mudanças materiais em produtos e serviços. Ter a posse dessas metodologias nos garante uma enorme responsabilidade, como já comentei anteriormente. Quanto maior e mais refinada forem essas metologias e processos, mais efetivo pode ser a descoberta e a validação de uma solução.

Aqui entram ritos de Design Critique, design system estruturado como produto, envolvimento entre áreas de operação, atendimento e tecnologia entre outras ações relevantes que podem ser estruturadas, utilizadas e evoluídas com os perfis envolvidos. Estrutura essa que não se aplica exclusivamente ao contexto de experiência de clientes, mas também da experiência de colaboradores do produto e/ou serviço para dentro. Testes automatizados em QA, facilidade e velocidade em processos de deploy, agilidade na comunicação com clientes por diferentes canais, etc. Exemplos como esse podem motivar as pessoas colaboradoras do negócio e garantir o crescimento saudável em escala de um produto ou serviço.

Fometo ao trabalho colaborativo

Como já foi dito anteriormente, designers não possuem as respostas dos problemas de uma empresa. Sempre defendi a capacidade do design, enquanto técnica, em facilitar grupos no entendimento de um cenário, análise desse contexto, exploração de soluções até a escolha de uma possível caminho. O mercado sempre olhou com bons olhos perfis generalistas que conseguem atuar em diferentes frentes, porém, mesmo assim, não trabalhamos (e não podemos trabalhar) de forma solitária.

É com a vivência e opiniões de outras pessoas que mais cenários são analisados, soluções são criadas e validadas. Porém, minha teoria é que trabalho colaborativo acontece de fato em ambientes seguros. Se uma pessoa não se sente a vontade em comentar, sugerir, criticar algo, a colaboração não acontece como desejado. Você se sente confortável em questionar a decisão de alguém que você não tem intimidade ou não te dá libertade e espaço para a crítica?

Inúmeras variáveis podem acontecer para impedir com que as pessoas de um time se sintam inseguras no ambiente de trabalho: hierarquia, burocracia, violência psicológica, preconceito, saúde mental... Vejo aqui um excelente caminho que liderança deve agir e criar acionáveis em seu backlog, acompanhando caso a caso. Ouvir atentamente o que está sendo dito e questionar-se como ajudar a solucionar os problemas no ambiente de trabalho (e por que não também fora dele?) pode ser um bom caminho. Fortalecer esse elo entre as pessoas lideradas é essencial para o entendimento da raiz causa de um problema.

Ritos que estimulem críticas e cocriação entre designers mas também entre áreas e especialidades fará com que seja cada vez mais fácil focar nas pessoas que utilizam um produto e conhecer atuais problemas afim de propor melhorias em conjunto.

A impressão que eu tive ao refletir sobre isso foi que nada disso parece novo se você trabalha com design nos últimos 10 anos. Porém, o lembrete de que continuamos designers em outros ambientes e desafios pode nos ajudar indiferente do cenário no qual nos encontramos. Esse é um lembrete que sempre me esforço para ter.

Espero que possamos continuar estourando a bolha do design e utilizando esse olhar de forma anticolonial em ambientes corporativos e fora deles.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão
não clique