Arquivo 2020

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Especialista em Experiência do Usuário
mulher, designer, feminista, atleta

Há mais de 15 anos atua no mercado de design, hoje com foco em experiência do usuário. Desde 2011 trabalha como freelancer e consultora de UX em projetos digitais - é palestrante, Sprint Master Certified pelo Google e participa de comunidades Google para mulheres e também para startups.

Bianca Brancaleone
Escute este artigo

Desde o lançamento da série The Social Dilemma muitas pessoas se interessaram pela junção de dois temas que não costumam aparecer em muitas discussões: Ética e Tecnologia.

A primeira vez que me deparei com o assunto foi em 2018 e desde então tenho estudado e apresentado palestras que tiveram ótimos feedbacks. Um dos motivos da minha vontade de entender mais sobre o tema é a complexidade de sermos consumidores e desenvolvedores destas tecnologias. O quão conscientes estamos sobre os produtos e serviços que consumimos? E sobre os produtos e serviços que desenvolvemos? Nosso consumo afeta a nossa produção?

Economia da atenção

Para iniciar o tópico, gostaria que você respondesse duas perguntas: qual foi a última coisa que você fez antes de dormir? E qual foi a primeira coisa que você fez ao acordar? Provavelmente verificar o celular esteve nos primeiros e últimos minutos do seu dia.

Se você já percebeu esse comportamento, tentou mudar seus hábitos e não conseguiu, saiba que você não é completamente responsável por esse impulso. Hoje vivemos o que alguns chamam de era da "Economia da Atenção", em que os produtos e serviços não competem apenas entre eles numa concorrência direta pelo nosso dinheiro, mas competem pelo nosso tempo utilizando esses produtos e serviços

Esses produtos e serviços possuem algoritmos muito bem desenvolvidos - como Tristan Harris diz “é como se estivéssemos jogando xadrez com um super computador apontado para nossos cérebros", que nos fazem retornar e identifica que tipos de conteúdos seremos mais propensos a continuar vendo ou que tipo de produtos seremos mais propensos a comprar. Um exemplo é o tráfego do Youtube: em 2018 o CPO disse que 70% do que um usuário vê na plataforma são indicações de sua inteligência artificial.

O modelo anzol

Pode parecer que todos esses grandes aplicativos de sucesso descobriram a fórmula mágica para atrair e reter usuários, mas muitos deles usam o "Modelo Anzol" descrito no livro do Nir Eyal "Hooked: Como criar produtos criadores de hábitos", que consiste em 4 passos.

O primeiro é o Gatilho que pode ser interno - como um sentimento como tédio, que te leve a fazer algo - ou externo, como um email ou uma notificação. Depois vem a Ação, que deve ser uma ação que não precise de grandes esforços para ser feita, como um simples login ou o clicar de "compartilhamento". Após a ação, vem a grande chave deste modelo, que é a "Recompensa Variável" - essa recompensa - que pode ser receber um like, ver que alguém te compartilhou, um novo email, etc. - deve satisfazer os gatilhos, mas tem que fazer com que a pessoa queira mais e, por último, o Investimento, que é outra pequena ação que vai fazer retornar ao início, uma antecipação a uma recompensa futura - neste momento, a pessoa foi “fisgada”.

O exemplo do modelo anzol do Facebook e do Pokemon Go:

Fonte - tradução livre
Fonte - tradução livre

O papel do design(er)

Nós, como designers, podemos desenvolver novos produtos e serviços pensando além destas regras criadoras de hábitos - muitas, que percebemos hoje em dia, que são até prejudiciais.

No meu entendimento, a chave para um consumo digital melhor é a consciência de uso, e a chave para o desenvolvimento de produtos e serviços mais éticos é desenvolver para que estes sejam usados com intenção.

Nesses últimos anos, ótimos conteúdos começaram a ser produzidos - além de matérias, entrevistas, livros e podcasts, os que mais me chamam a atenção são princípios e ferramentas que ajudam a criar novas maneiras de desenvolver, a pensar nessa nova camada ou etapa ética.

Princípios

Três frentes que são referência para mim - Google Digital Wellbeing, Center for Humane Technology e Humane by Design - trabalham com Princípios.

Eu criei meus princípios norteadores em 2019 e os tenho revisado desde então. Meus princípios estão baseados em alguns casos respeitar e, em outros, proteger.

Design para Respeitar e Proteger 

• Dados e direitos 

• Vulnerabilidades 

• Controle e Opções 

• Tempo 

• Expectativas

Vejamos cada uma delas a seguir:

Direitos e Dados

Como muito bem apresentado no Ethical Design Manifesto, acredito que a base de um Design Ético está em proteger itens básicos, e nada mais básico que os Direitos Humanos.


Ethical Design Manifesto - tradução livre

É necessário proteger nos meios digitais direitos adquiridos e respeitar os dados de quem os fornece. Alguns exemplos sobre Respeitar e Proteger Direitos e Dados

  • Ser transparente e explícito sobre os dados e comportamentos coletados
  • Deixar clara as políticas de privacidade a que as pessoas se submetem
  • Usar dados pessoais somente para o propósito que foi pedido

Deezer e uso de cookies: com a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), os sites devem pedir aceite para coleta de informações - alguns, como o Deezer, dão opções para o usuário selecionar quais dados concorda que sejam coletados.

Vulnerabilidades

Tristan Harris comumente cita Edward O. Wilson "temos emoções paleolíticas, instituições medievais e tecnologias divinas". Com grandes discrepâncias entre vulnerabilidades do nosso cérebro e avanço das tecnologias, é necessário que 1) reconheçamos nossas vulnerabilidades e 2) não as exploremos em nossos produtos e serviços de maneira que possam causar danos.

Alguns exemplos sobre Respeitar e Proteger Vulnerabilidades:

  • Ajudar a manter o foco, alinhando do que é entregue com sua devida urgência
  • Ser direto: identificar o caminho mais curto e/ou comum para que as pessoas cheguem ao objetivo delas no produto ou serviço e projetar para que seja fácil chegar a ele
  • Adicionar fricção quando necessário: nem toda fricção é ruim, fazer as pessoas confirmarem ações importantes - que não podem ser desfeitas, envolvam pagamento, etc. - é uma maneira de evitar erros.
Invision: exemplo de Fricção - confirmação da exclusão de um protótipo exige que se selecione os checkbox que explicam as consequências da ação de excluir o arquivo e só então se pode clicar no botão de deletar

Controle e Opções

Em 1994, Jakob Nielsen em suas 10 Heurísticas de Usabilidade já falava sobre "Controle do Usuário e Liberdade", "Flexibilidade e eficiência no uso", "Ajuda para as pessoas reconhecerem, diagnosticarem e se recuperarem de erros" e "Ajuda e documentação". Todas essas heurísticas mostram como podemos dar Controle e Opções para quem utiliza um produto ou serviço.

Alguns exemplos sobre Respeitar e Proteger Controles e Opções:

  • Permitir customizações, respeitando as expertises de cada indivíduo
  • Respeitar intenções, não forçando interações quando a pessoa não precisa ou não quer
  • Notificando apenas quando necessário ou quando a pessoa explicitamente quiser
Whatsapp: exemplo de respeito às intenções e notificações quando a pessoa quiser - é possível silenciar notificações por tempo determinado e até mesmo não exibir de algumas pessoas ou grupos.

Tempo e Agenda

Tempo está ligado à atenção e foco, projetar pensando no dia a dia das pessoas deve ser ponto de partida para qualquer projeto envolvendo Experiência do Usuário - fazemos isso quando entendemos quem é o público e usando ferramentas como Mapa da Jornada do Usuário, Mapa de Empatia, Canvas de Proposta de Valor e outros.

Alguns exemplos sobre Respeitar e Proteger Tempo e Agenda:

  • Informar o tempo de uso no produto ou serviço
  • Sugerir atividades e conexões offline, até mesmo pensar em oportunidades ou modelos de negócio que combinem online e offline, como Meetup
Instagram: exemplo de opção para Informar o tempo de uso -  dentro do próprio aplicativo é possível definir um Lembrete Diário que te informará quando chegar ao tempo determinado

 Expectativas

Ethical Design Manifesto - tradução livre

Trazendo novamente o modelo do Ethical Design Manifesto, respeitar e proteger as expectativas das pessoas tem a ver com os dois itens do topo da pirâmide: respeitar os esforços humanos sendo funcional, conveniente e confiável e respeitar a experiência humana, sendo encantador.

Alguns exemplos sobre Respeitar e Proteger Expectativas:

  • Ser funcional, resolvendo ou entregando o que se promete
  • Ser acessível, respeitando as habilidades das pessoas
  • Trazer uma boa experiência, não gerando nenhum tipo de surpresa negativa
Duolingo: exemplo de opção para funcional e acessível - mesmo com um ótimo sistema de gamificação, o Duolingo é direto ao acessar, sem dashboards ou outras distrações, ao entrar no aplicativo aparece o último curso feito, além de opções para avançar no curso com Checkpoints com testes para avançar lições

Ferramentas

Além dos princípios para guiar, o Center For Humane Design e o Google também criaram ferramentas para auxiliar no desenvolvimento de produtos e serviços éticos e humanos.

O exemplo abaixo do site Center for Humane Design - Humane Design Guide mostra uma planilha para ajudar a identificar oportunidades para uma tecnologia mais humana.

E o documento do Google bem completo - Google's digital wellbeing product experience toolkit - explica sobre bem estar digital, mostra os princípios de UX para esse bem estar, apresenta algumas provocações para ajudar no desenvolvimento e, por fim, tem um workshop pronto para ajudar na avaliação produtos existentes, gerar ideias e, mais importante, investigar consequências não intencionais.

Finalizando, gostaria de apresentar duas frases célebres.

Ambas me lembram do poder e responsabilidade como pessoas que trabalham com tecnologia, quando podemos estar nas mãos e nas vidas de milhares e até milhões de pessoas, literalmente formatando suas dinâmicas de vida e social.

Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades.
Tio Ben, Homem Aranha

e

Tudo o que temos que decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado.
Gandalf, A Sociedade do Anel

E assim como comecei, gostaria de terminar esse texto com outra pergunta:

Daremos opções para as pessoas decidirem o que elas querem fazer com o tempo e vida delas?

Essa não tem uma resposta em comum, mas vem carregada de esperança que, não só em 2021, mas daqui pra frente, a resposta seja sempre sim.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita
não clique