Arquivo 2020

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Consultora CX e Service Designer Sênior - Global Hitss em Claro Brasil
Mãe, Otimista, Idealista

Natalí Garcia é Designer de Serviço, Consultora de Experiência do Cliente e Professora. Cursou Técnico em Design, Artes Visuais na UNESP, Gestão em Marketing na Anhembi Morumbi, especializou-se em Design de Serviço (antiga EISE) e tem um MBA em Transformação Digital e Futuro dos Negócios pela PUCRS. Tem mais de 15 anos com pesquisa e concepção de produtos e serviços digitais, tendo trabalhado em empresas de diferentes portes em diferentes setores, de telecomunicações, educação, saúde, instituições financeiras e consultorias.

Natalí Garcia
Escute este artigo

Temos conhecimento dos problemas que enfrentamos, não só como indivíduos e cidadãos, mas também como espécie. O mundo que conhecemos nunca parou de mudar, porém nos últimos séculos tivemos uma acelerada transformação na sociedade que nos levou a um modo diferente de pensar - mais progressista e científico - que nos possibilitou criar muitas novas tecnologias e nos possibilitou crescer e prosperar economicamente, porém não sem perdas e débitos. De acordo com uma maneira de ver e criar o mundo sob um paradigma mecanicista e linear, geramos também inúmeros problemas em larga escala, que hoje ameaçam nossas condições de vida presentes e futuras. 

Em seu livro, "A visão sistêmica da Vida", Fritjof Capra e Pier Luisi discorrem sobre o antigo paradigma que modelou o pensamento - sobretudo ocidental - pautando o tipo de crescimento ao qual nos apegaríamos como sociedade - o crescimento quantitativo. Economistas enfocam o crescimento de acordo com uma parcela muito limitada de métricas e números que não expressam de fato a real riqueza ou pobreza dos países e mercados. Algumas culturas dominantes tampouco incentivam um necessário equilíbrio nos valores e práticas dos cidadãos, provocando um acelerado e insustentável passo de consumo de bens e recursos naturais. 

Há tanto valor monetário circulando em nossas redes globais e, apesar disso, é crescente a desigualdade entre pessoas e entre países - que não usufruem de maneira igualitária dos produtos, serviços e recursos globais - bem como é crescente a instabilidade de nossos ecossistemas, que revelam hoje dificuldade em se sustentar e se regenerar, devido ao constante e crescente desgaste sobre eles infligidos. 

No mesmo livro, Capra e Luisi apresentam teorias de uma nova forma de pensar, que se contrapõe ao mecanicismo e introduzem o que chamam de uma visão sistêmica da vida - mais do que conceber a complexidade e interconectividade do mundo real, nos deparamos com a necessidade de conhecer a fundo os princípios da vida e da ecologia, para então mimetizá-los e obtermos insights sobre o que é esperado de nós quando se trata de garantir a sustentabilidade e prosperidade do mundo, levando em consideração também um crescimento qualitativo - que busca o bem comum, o belo, a vida e a justiça social. 

Quando se fala de sustentabilidade, tanto dos ecossistemas físicos e biológicos como de sistemas socio-técnicos, é preciso entendermos que já não é suficiente apenas evitar danos, precisamos ativamente trabalhar para a regeneração da saúde e qualidade desses sistemas. Ou seja, é preciso não apenas parar de propagar efeitos nocivos, mas reestabelecer as condições para que esses organismos possam recobrar a saúde, e florescer e frutificar. Atualmente já existem conhecimentos e tecnologias para a transformação do nosso mundo, de problemas ambientais à problemas sociais, dispomos sim - em algum lugar - de recursos que poderiam nos ajudar a mudar quadros tão negativos. No entanto pouco ainda é feito, ou ainda, o resultado parece pouco relevante. Muitas soluções e iniciativas perecem por atacar apenas sintomas ou por não terem condições de endereçar os muitíssimos outros problemas que se desvelam ao analisarmos sistemicamente o contexto e a causa raíz do desafio que almejam resolver.

Muitas vezes novas tecnologias, que parecem promissoras, ajudam a criar novos problemas, que agravam desigualdades e desequilíbrios, sobretudo por ainda pensarmos de forma segregada e linear, dando pouco espaço ao pensamento sistêmico e ao design estratégico. 

No entanto, hoje há muitos caminhos e tendências surgindo que nos revelam possibilidades e esperança. Capra e Luisi descrevem algumas soluções sistêmicas em cases no seu já mencionado livro, bem como o autor e designer Ezio Manzini ("Design quando todos fazem design", 2017) apresenta clusters de inovação social, onde o design tem papel fundamental para a promoção da transição para a sustentabilidade. 

Agroecologia, energias limpas e renováveis, redesign de cidades e comunidades, economia circular, e muitos outros temas oferecem uma luz no fim do túnel. São soluções até simples, mas que de tão contrárias ao status-quo, têm enorme resistência para sua aplicação em larga escala. 

Posso perceber que há brilhantes estudiosos que têm sim muitas respostas e caminhos, porém como o filósofo e educador Paulo Freire já dizia na década de 70 em seus livros, como em "Pedagogia do Oprimido" e "Extensão ou Comunicação", não é eficiente "prescrevermos soluções" - por mais bem-intencionadas que sejam, a mera descrição de culturas e prescrição de receitas para problemas não muda o contexto, cultura e práticas, isso porque carece da participação ativa daqueles que vivem e sofrem com os problemas no local, e que precisam dialogar para o entendimento, crítica e mudança do meio em que se encontram. É através de um método dialógico que podemos compreender, imaginar e mudar um determinado contexto.

Desta forma, Freire e Manzini concordam que essa práxis do século XXI necessita ser participativa e inclusiva, para empoderar pessoas (ou atores) do ecossistema a co-criarem seu próprio futuro. 

No entanto, sabemos o quanto é difícil esperar que as pessoas se mobilizem para co-criar soluções. Vivemos em um mundo em transição onde as relações estão fragilizadas, carecemos de conscientização, educação e mobilização coletiva para a transição. Podem haver boas intenções mas não há cultura e infraestruturas que incentivem e suportem ações anti-convencionais que busquem experimentar meios contrários às práticas e valores dominantes. No mundo altamente hiper-conectado e globalizado, ganhamos por uns lados e perdemos por outros. Acredito que nessa busca incessante do que nos interessa e de quem nos é aprazível, estamos perdendo a capacidade de dialogar e nos conectar como cidadãos - numa base local - e o decorrente enfraquecimento da cidadania e valores emerge dessa quase inexistência do convívio, diálogo e relacionamento com a comunidade que está perto de nós fisicamente mas longe de nós cognitivamente e emocionalmente (nós que fomos conectados a outros em virtualidade e distanciados de outros também). Para esse problema, o da dificuldade de mobilização de pessoas devido ao enfraquecimento de relacionamentos e valores, acredito que o design participativo e estratégico (também chamado por Manzini como co-design) tem um grande papel potencial, no regenerar valores e processos dialógicos que promovam a transformação em nível individual e coletivo, engajando pessoas na prospecção estratégica de futuros sustentáveis e promovendo uma cultura de regeneração que possibilite a manutenção e eficiência de sistemas vivos e a qualidade de suas relações.

Tenho pesquisado com o objetivo de entender como o co-design pode oferecer suporte e ganhos para a qualidade não só das relações mas também no cultivo de valores alinhados à regeneração e sustentabilidade de (ecos)sistemas - que podem ser socio-técnicos e/ou sociais e ambientais. 

Acredito que necessitamos ir além da discussão de quais soluções sistêmicas são necessárias para fazermos a transição para um mundo mais justo e sustentável. Precisamos entender o que nos impede e o que nos ajuda a catalisar e perseverar no trabalho necessário para fazer a mudança acontecer - seja na mudança de perspectivas, visões de mundo ou nos experimentos, suportes e continuidade de iniciativas. E nesse sentido nós designers podemos ajudar muitíssimo a construir esse amanhã mais desejável e positivamente transformador para a sociedade e biosfera das quais fazemos parte. Como cantava o Vandré: "Vem vamos embora, que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer." 

AGRADECIMENTO 

Um salve para os professores da UTFPR, Fred Van Amstel, Marco Mazzarotto e Cayley Guimarães e ao colega Andrei Gurgel, pela oportunidade de participar de algumas rodas de conversas e estudos muito interessantes, onde descobri a incrível sinergia do trabalho do Freire com o Design. Nossas discussões também reforçaram para mim a importância de valorizarmos o design crítico e brasileiro. 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAPRA, F.; LUISI, P. L. 2014. A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. São Paulo: Cultrix, 615 p. 

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1974. FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983. 

MANZINI, E. 2017. Design quando todos fazem design. Uma introdução ao design para a inovação social. Editora Unisinos, 254 p.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj
não clique