Arquivo 2020

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Head of UX & Service Design | Mindfulness Instructor
Feminista, amante da natureza e que acredita que só é inovação se gera impacto positivo

Com mais de 10 anos de experiência no mercado Digital, graduada em Marketing pela Anhembi Morumbi, com especializações na área de UX Design, Design Thinking, Inovação, Métodos Ágeis de Desenvolvimento é Pós-Graduada em Comunicação e Mídias Digitais pela ESPM, tem passagem por agencias e pelo mercado financeiro, atualmente na Natura & Co Latam é responsável pelo CoE de UX & Service Design, foi corresponsável pela criação do Núcleo de Inovação Digital área que iniciou a transformação Digital da Natura. Facilitadora de Mindfulness é também co-criadora do App Meditação Natura, produto inspirado em um programa presencial para promover bem-estar e redução de stress criado em uma parceria da Natura com o Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, por meio de seu Instituto do Cérebro, e pela Associação Palas Athena.

Barbara Villar
Escute este artigo

Este é um artigo sobre a vida e uma visão do nosso papel no mundo. Mas também é um artigo que, assim como o título, tem muito mais perguntas do que respostas.

Um momento de reflexão sobre nossas próprias vidas, carreira, nosso atual contexto pandêmico e uma abordagem que nos ajuda a perceber o porquê de as coisas serem como são. Tenho pra mim; que como designers adoramos problemas, somos criaturas reflexivas, questionadoras, sempre em dúvida criativa... sempre conscientes (ou não) de que todo avanço no conhecimento expande o escopo de nossa ignorância.

Digo isso, pois, em 2020, fomos desafiados de forma nunca antes vista a enfrentar a maior crise humanitária dos últimos tempos com o surgimento da COVID-19, que não só trouxe à tona a fragilidade da vida humana, que já seria o suficiente para nos causar medo, angústia e ansiedade, mas também deu luz a todos os desequilíbrios do nosso ecossistema global, seja no âmbito social, financeiro ou ambiental. Nunca vivemos de forma tão extrema o mundo VUCA.

Como designers fomos ainda mais desafiados, pois sempre fomos reconhecidos como profissionais proficientes nas chamadas "habilidades do futuro", aquelas descritas pelo Fórum Econômico Mundial como fundamentais para viver no mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo... Habilidades como:  solução de problemas complexos, pensamento crítico e sistêmico, criatividade e inovação, tomada de decisão, orientar e servir,  liderança, colaboração, negociação, flexibilidade cognitiva, aprendizagem contínua e, por fim e talvez o cerne deste artigo, a inteligência emocional.

Fomos desafiados em nosso trabalho a mediar perguntas como:

Nosso modelo de negócio e as lideranças de nossas organizações estão preparados para atuar no novo mundo que emerge? Em uma nova economia, no novo normal? 

Como Designers, estamos prontos de verdade? Como comunidade, estamos construindo repertório para um pensamento e atuação sistêmicos para ajudar a gerar negócios melhores para o mundo?  

Assistimos pela TV e pelas redes sociais a Natureza se regenerando, enquanto nós humanos estávamos amedrontados trancados dentro de casa. Os pássaros puderam ser ouvidos. Alguns pássaros param de cantar quando há barulho. O confinamento dos seres humanos coincidiu, para certas espécies, com o período de acasalamento. É o caso do sapo-comum e da salamandra-malhada, que são frequentemente atropelados quando atravessam as ruas. No Parque Nacional Calanques, perto de Marselha (sudeste da França), fechado ao público pelo confinamento, a natureza e os animais retornaram às suas áreas naturais em uma velocidade surpreendente, Os canais de Veneza, por exemplo, ficaram mais limpos sendo possível até mesmo ver os peixes. – opa... parece que aqui temos mais um ponto importante neste artigo, sobre o ecossistema se autogerenciar e regenerar sem nós, humanos! 

Algumas das imagens que circularam na imprensa e redes sociais.

O Planeta não precisa de nós, mas nós precisamos dele. Não só para sobreviver, mas também para aprender, evoluir... Como um ecossistema que se autorregenera é complementar, simbiótico, interdependente junto a humanidade?

Podemos usar a abordagem da regeneração e da gestão bioinspirada, que já são aplicadas com sucesso no design de produtos físicos e também na arquitetura de serviços, processos, estratégias e relacionamentos nas organizações? Minha resposta imediata é uma retórica:

Como ajudar a regenerar o mundo exterior, sem regenerar o que somos, como somos por dentro?

Esse questionamento, que já era meu estudo individual em minhas práticas meditativas, passou a ser a inspiração para a intensa rotina de facilitações de mindfulness que ampliaram significativamente desde que a pandemia iniciou. Para quem só me conheceu agora, além de liderar um time de designers incríveis em uma multinacional Brasileira de bens de consumo, também sou facilitadora de práticas meditativas nesta mesma empresa há 2 anos.

Você pode estar se perguntando: O que a minha prática de meditação tem a ver com o design, e com todos os questionamentos anteriores? Eu sei que para quem nunca praticou meditação, nem sempre essa correlação é óbvia, e por isso explico… Mindfulness é uma prática de atenção plena ao momento presente, sem julgamentos, que nos leva a um estado mental de ampliação de consciência e nos encaminha à mudança de percepção do mundo em que vivemos: do pensamento cartesiano à visão sistêmica, do ostracismo à interdependência do "interser", da mediocridade à grandeza do ser humano que somos.

E daí vem a correlação sobre a meditação como resposta para o design regenerativo. É sobre o resgate de como somos na essência, como único caminho para iniciar a abordagem da regeneração e da gestão bioinspirada de forma visceral e consistente em nosso trabalho como designers.

Monja Coen traz isso de forma primorosa:

"Nós, humanos, temos capacidade para expandir a consciência ética. Essa consciência é o fator mais importante para a transformação da humanidade. Mas esta conquista é possível apenas a partir do autoconhecimento. Estamos conectados com tudo e todos. Precisamos aprender a usar esse conhecimento para o bem de todos os seres." 

Como designers, seremos responsáveis sobre a visão de mundo e sistema de valores que vamos redesenhar em nossos negócios, economias e tecnologias, e depende de nós torná-los regenerativos e sustentáveis, ao invés de destrutivos.

É necessário e imperativo aprender com a Natureza. Observar a vida em sua essência todos os dias, começando por nós, e nos prepararmos para conseguir absorver toda a sabedoria da Natureza, que age maravilhosamente à sua maneira, impiedosa e indiferente aos caprichos e sistemas artificiais humanos, aqui está a fonte fecunda de lições valiosas para aplicarmos no mundo melhor que precisamos e temos a oportunidade de redesenhar. 

Neste contexto, precisaremos de designers ainda mais humanos, que transcendam os limites de produtos, serviços e novas tecnologias, mas que sejam hábeis em resgatar aquela verdade adormecida pelo modo de vida contemporâneo: A Natureza somos nós, porque somos parte da Natureza. A partir dessa compreensão, talvez tenhamos uma maior consciência sobre a necessidade de assumirmos nossa responsabilidade regenerativa. 

O desafio tem uma magnitude global,  mas as respostas estão dentro de cada um de nós. Basta se sentar em uma postura estável, relaxar os ombros, abrir o peito, fechar os olhos e levar sua atenção para a entrada e a saída do ar nas narinas, a cada inspiração e expiração...

Que possamos juntos ser a vida da terra, na terra que sonhamos interser*.

*Na essência Interser é um neologismo criado pelo mestre budista vietnamita Thich Nhat Hanh (nomeado para Prêmio Nobel da Paz), que significa a forte intercomunicação de todos os seres, de todos os reinos, de tudo que faz parte do universo. Mais que comunicação, uma interdependência mútua de tudo.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos
não clique