Arquivo 2020

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Head de Design, banco Bmg
Sorridente, resiliente, apaixonada por futebol

Se aventurou no empreendedorismo, fundou o Studio Conecte, uma agência multicanal que atendia tanto o mundo off-line como o online. Atuou em agências dos mais diversos segmentos como designer, trabalhou como UX no Walmart, e no mundo de consultoria coordenou um time de Design na Vivo. Hoje, gerencia o time de Design do banco Bmg em franco desenvolvimento e em sua transformação digital. É muito envolvida com a metodologia de Design Thinking com foco em inovação e empreendedorismo.

Bianca Faraj
Escute este artigo

Quando entrei no banco Bmg há 1 ano encontrei um cenário de um banco digital recém lançado e uma empresa ainda tentando encontrar o caminho para a sua transformação digital. Nada muito diferente do que encontramos no mercado, ainda incipiente em relação ao como se modernizar.

Éramos um time enxuto, focados em encontrar meios para contribuir para o desenvolvimento desse novo conceito “digital” dentro do banco. Ainda tentávamos estruturar como seria nosso modelo de trabalho, nossos processos e como poderíamos acelerar para realmente ter uma participação ativa nesse novo momento. 

Sabíamos que precisávamos estar juntos e construir um modelo que se encaixasse no que o banco precisava e que fosse escalável, pois uma das certezas é que iríamos crescer e precisávamos estar prontos. 

Agora vem que eu vou te contar como foi tudo isso para nós...

O primeiro papo sério...

Em uma auto análise rápida, sabíamos que ainda estávamos no estágio 1 de maturidade de Design, ainda éramos apenas produtores, totalmente focados em telas, sem processos de UX e pesquisas estruturadas. A liderança ainda não entendia muito bem o que era design, o que eram os processos e por que realmente precisávamos realizá-los. Acredito que nada muito diferente do que encontramos por aí, empresas sedentas por resultados, mas sem ainda saber muito bem como fazer isso. 

A certeza era que queríamos nos desenvolver e pular para o estágio 2, mas sabíamos, seria um processo trabalhoso. Nosso plano era claro, queríamos instaurar processos de UX, construir um processo colaborativo em que o time de Design desenvolvesse ações criativas entre os times e começasse a incluir pesquisa para ontem. A percepção mais clara foi que para que isso tudo acontecesse, esbarraríamos em um dos temas mais importantes em uma transformação digital: como transformar a cultura da empresa.

Por onde começar

Se o nosso desafio era sobre transformar a cultura, fazer nossa parte nisso era explicar o que é Design, como trabalhamos, quais são nossos objetivos, como pensamos e como podemos realmente ajudar nesse processo todo de transformação.

Fizemos alguns alinhamentos com a gestão e iniciamos os workshops sobre Design em todas as áreas do banco que conseguíamos alcançar. Em sessões de 1 hora, nos concentramos em explicar: princípios básicos de Design para unificar conceitos, quais eram nossos papéis e responsabilidades, quais eram nossos processos e entregáveis e, principalmente, como pensamos, como funciona toda a estrutura mental de pensamento de um designer e como ele pode ajudar a resolver um problema, em qualquer contexto. 

A ideia era pulverizar o conceito da disciplina, ganhar espaço para os processos de UX e conseguir sócios para pular para o estágio 2 de maturidade de Design, objetivando um desenvolvimento acelerado para o banco e para o time. Isso tudo deu muito certo, a reação das pessoas foi super interessante, principalmente na provocação final do workshop. Como queríamos engajar mais pessoas também a pensar como um designer, ao final do workshop, convidamos os participantes a pensarem como um: procurando entender o problema ao qual estavam trabalhando, sendo curiosos, questionando muito, se interessando em conhecer seu cliente e, fazendo experimentos, muitos deles, para errar rápido e acertar mais rápido ainda.

Depois dessas sessões todas, já éramos mais conhecidos no banco e quando entrávamos nas reuniões os POs (Product Owners) já sabiam que iriamos pedir mais tempo para construir as demandas, pois queríamos desenvolver os processos de UX e, principalmente, falar com nossos clientes.

Processos de Design (modo goela abaixo)

Vocês podem imaginar que quando começamos a aplicar os processos de Design não foi nada mil maravilhas. Os times das squads começaram a reclamar que precisávamos ser mais rápidos, já que eles só precisavam de algumas “telinhas” e nada mais. 

Mais uma etapa da transformação cultural, entendemos que não adiantava só mostrar uma apresentação, explicar o que é Design, se isso não fosse aplicado diariamente e, que cada um de nós fosse agente ativo na transformação cultural das pessoas que trabalhávamos. Quase todos os dias tínhamos que explicar por que estávamos fazendo aquilo, daquela maneira, qual era o objetivo e, essencialmente, que ouvir a voz do cliente era nossa atividade principal e que ela é tão importante quanto tomar água todos os dias.

Começamos a entender que para nos desenvolver como time precisávamos aplicar os processos de Design, às vezes com apoio do time e às vezes sem apoio mesmo. O importante era conseguir mostrar de maneira clara e prática que o resultado final era totalmente diferente quando fazíamos uma heurística, uma análise competitiva, uma matriz CSD e principalmente quando validávamos com os clientes antes de colocar a solução no ar. 

Então, o que começamos a fazer? Fomos para a rua, começamos a fazer pesquisas de guerrilha, sem pedir muita permissão. O resultado foi incrível, trouxemos para os times o que os clientes estavam achando daquilo que estávamos desenhando e quantos insights maravilhosos começaram a surgir, tudo isso mais rápido até do que os próprios times das squads poderiam imaginar.  

O que aprendemos com isso? Não espere autorização para começar algo. Encontre uma maneira de fazer os processos sem atrapalhar sua entrega, demonstre os resultados o mais breve possível e a empresa entenderá de forma prática o que você queria fazer, e até começará não só a te respeitar, como também trabalhará com você nessa empreitada. 

Aí veio a pandemia...

Quando começou a pandemia sofremos aquele super impacto que o mundo todo sofreu, sem saber muito bem como trabalharíamos de maneira remota. O receio era se conseguiríamos continuar a avançar no nosso desenvolvimento como time de Design, se conseguiríamos continuar com os processos e, principalmente, como falar com nossos clientes e validar nossos fluxos.

A certeza é que não poderíamos parar, por isso, nos reinventamos, nos adaptamos e começamos a fazer nossas pesquisas de profundidade com os clientes via telefone. Encontramos uma maneira de conseguir a atenção deles perguntando sobre a experiência com nossos produtos e tem sido um super case de sucesso para nós. Conseguimos de maneira rápida e prática escutar a avaliação dos clientes e levar isso para os times para desenvolverem e melhorarem os produtos. 

Além disso, nos adaptamos com testes de usabilidade remotos não moderados por meio de ferramentas online e também inovamos fazendo testes moderados por meio de comunicadores e até com WhatsApp. O objetivo era claro, precisávamos continuar trazendo para o banco a voz do cliente e construindo essa cultura; a pandemia não poderia nos impedir disso. 

E não impediu, para que a voz do cliente tivesse mais força, construímos alguns fóruns para sempre levar pesquisas para a liderança e realimentar a cultura continuamente de trazer nossos clientes para o centro, nos focando em desenvolver produtos e serviços para eles. 

Com a diretriz de desenvolver a cultura de testes também criamos o Programa de Beta Testers Bmg para os funcionários do banco todo testarem o banco digital. Foi uma experiência riquíssima, descobrimos uma série de bugs que estavam impactando bastante nossos clientes e recebemos uma chuva de propostas de melhorias. Se tem algo que eu aconselho a vocês é começarem um programa como esse, mesmo que seja interno. Ele é tão valioso que vale um artigo todo contando como fizemos isso e o melhor, sendo criativos e sem muita verba.

Mudança de modelo

No meio dessa adaptação toda do trabalho remoto e de como poderíamos avançar ainda mais no nosso plano de maturidade de Design, houve uma mudança de modelo de trabalho ágil no banco, deixando de trabalhar em squads para trabalhar com o conceito de tribos, em que os times de Design e desenvolvimento seguem um backlog único, sem divisão por temas.

Em um primeiro momento nos assustamos, mas rapidamente percebemos que essa mudança traria muitos benefícios para o desenvolvimento do time de Design. Com ela, conseguimos um grande pulo na conexão de Design com a área de negócios, passando, então, a ter fóruns para discutir ideias e trabalhar priorização juntos, construindo, assim, um backlog rico e priorizado pelo o que os clientes nos falavam. Finalmente estávamos conseguindo trazer o cliente para o centro das discussões e evidenciando os processos de UX na construção dos produtos.

Com esse novo modelo conseguimos intensificar as pesquisas e o valor percebido por elas por todo o banco, além de dar um grande salto não só para o estágio 2, mas sim para o estágio 3 de maturidade de Design, onde os processos de Design e pesquisas são integrados às áreas da empresa. Os pedidos por pesquisa de diversas áreas começaram a surgir e estávamos vendo claramente que havíamos plantado a melhor sementinha da cultura: a importância de ouvir nossos clientes.

As lições aprendidas

Aprendemos muito em um processo de transformação digital, principalmente porque estamos continuamente sendo desafiados a nos adaptar e a nos reinventar. Se eu pudesse deixar algumas lições, seriam:

  • O processo de transformação não para, sempre temos algo para melhorar e essa é toda a graça;
  • Se você acredita em um objetivo, é muito mais fácil de alcançá-lo;
  • Encontre um jeito de aplicar (mesmo sem apoio) de maneira prática os processos de Design, as pessoas aprendem mais por observação do que por palavras; 
  • Não espere por permissões. Faça e mostre o valor que traz. É o jeito mais fácil de conseguir o respeito das pessoas;
  • Dedique tempo em construir cultura de pesquisa. Ela faz o jogo virar. 

Depois de um ano lotado de aprendizados como esse, só estou ansiosa para saber o que 2021 nos reserva e como podemos desenvolver ainda mais nossos estágios de maturidade de Design em uma empresa em transformação super acelerada. A evolução em um ano foi tremenda, e a certeza de ter um orgulho gigante de estar nesse banco. Obrigada muito especial ao time de Design Bmg, que acreditou e continua acreditando nesse sonho comigo e faz ele ser possível. E obrigada ao Bmg pelo apoio e por me fazer acreditar que podemos ser empreendedores da nossa própria história.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva
não clique