Arquivo 2020

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
UX Designer na Wildlife
UX Designer

UX Designer com 8 anos de experiência no mercado, onde já trabalhou com uma grande variedade de marcas como Nestlé, Lacta, Editora Globo, Rayban, Linx, entre outras; e uma grande variedade de produtos, como aplicativos, jogo de realidade aumentada, campanhas digitais, e plataformas SaaS.

Renata Carriel
Escute este artigo

Com certeza, você já deve ter se deparado com situações em que você apresentou dificuldades em se desvincular de algo em que você aplicou muito esforço. Ou que tendeu a  interpretar novas informações de modo que sejam compatíveis com suas teorias, concepções e visões. Ou por ter se seduzido mais com histórias plausíveis. Possuímos várias armadilhas na nossa forma de pensar e de tomar decisões. Essas armadilhas são os conhecidos vieses cognitivos e eu cito alguns deles neste texto.

Com emoção ou sem emoção?

Você vai apresentar uma nova proposta de um produto. Há outros concorrentes nessa espera junto com você. Não à toa, você está confiante de que vai arrasar, afinal, sua apresentação está rica em dados e você fez toda a sua lição de casa como um UX designer faria: colheu números de mercado, pesquisou, entrevistou pessoas e validou seus protótipos. Mas, no final, seu cliente optou por outro concorrente. Você se frustra e se questiona o porquê. O seu concorrente também fez a lição de casa, mas ele trouxe uma história. O que isso quer dizer? Nosso cérebro sente atração por histórias e aversão a fatos abstratos. Esse é o famoso viés da história. 

Quantas vezes você está no mercado, e mesmo com inúmeras opções de produto à sua frente, inconscientemente você opta pelo produto A, pois é o que traz uma maior conexão afetiva com você. Uma conexão é contada através de uma história e não pelo relato de um fato. Uma propaganda que conta uma história funciona melhor do que a enumeração racional das vantagens de um produto.

Voltemos a sua apresentação. E se você estiver do outro lado da mesa, sentado ao lado dos figurões, tomadores de decisões, tem que tomar um pouco de cuidado com essas histórias. Elas podem deturpar a realidade, prejudicando a qualidade de nossas decisões. Ainda mais se a história for plausível - o que entra na falácia da conjunção. Caímos na falácia da conjunção, porque temos uma compreensão intuitiva para histórias “consistentes” ou “plausíveis”, em outras palavras, quanto mais convincente e vívida é a descrição, maior é o risco do pensamento. Como já diria Daniel Kahneman, possuímos dois tipos de pensamento: um é intuitivo, automático e imediato, e o outro é consciente, racional, lento, trabalhoso e lógico. É normal que o nosso pensamento intuitivo tire conclusões precipitadas, muito antes do consciente entrar em ação - normal porém infeliz. O pensamento intuitivo possui um fraco por histórias plausíveis. Nessa situação, trabalhe com seu lado consciente, por mais que você precise de algumas horas para refletir ao tomar uma decisão que não seja de imediato e de maneira intuitiva. E, caso você esteja ao lado do apresentador dessa história, trazê-la é importante, porém em equilíbrio aos fatos - senão, se todos da sala forem sensatos a serem racionais, lhe acharão um tremendo charlatão.

O estudo da mente é uma coisa incrível. Vários fatores internos e externos influenciam o nosso inconsciente, o que nos leva a tomar certas decisões. Se você tivesse que escolher um horário para apresentar essa nova proposta de produto, qual destes você escolheria? a) às 9:00h; b) 13:30h; c) 15:00h; ou d) 17:30h? Foi realizado um estudo com centenas de veredictos sobre o horário das sessões marcadas ao longo do dia em um tribunal e a decisão dos juízes. O estudo demonstrou que, com o avançar do dia, os juízes tinham menos chances de dar um parecer favorável a um prisioneiro. Ao longo das sessões, a porcentagem de pareceres favoráveis caía gradualmente de 65% para quase zero, e após um recesso ou almoço, voltava a 65%. Quanto mais decisões tomamos, mais cansados ficamos. Isso é a fadiga de decisão. A nossa força de vontade cai a zero quando não nos recarregamos, seja relaxando ou comendo alguma coisa. Sempre pense nisso quando você tiver que tomar decisões difíceis em um dia ou de apresentar uma ideia para um cliente.

Até aqui a gente já entendeu que o nosso cérebro tende a ser mais intuitivo do que racional, e que somos mais aptos a memorizar histórias do que fatos abstratos. Outro fator que ocorre na nossa mente é que o nosso cérebro pensa de maneira dramática, e não quantitativa. Seria praticamente um "o que o coração sente, o nosso cérebro vê". Ou seja, todas as coisas que são mais chamativas e barulhentas estão mais disponíveis ao nosso cérebro do que aquelas que são mais invisíveis e silenciosas, pois tendemos a aumentar a probabilidade para as coisas mais chamativas e diminuir a probabilidade para as mais silenciosas. Os psicólogos nomeiam esse fato como o viés da disponibilidade. Por isso, é muito importante que você sempre esteja rodeado de pessoas que possuem experiências e pensamentos diferentes dos seus.

Estar em volta de pessoas que pensam diferente de você não perpetua a somente esse único viés. Há vários outros que nos influenciam ao estarmos perto de nossos "espelhos". Um deles é a prova social. Tendemos a nos comportar de modo correto, quando nos comportamos como os outros. Outro tipo é o viés do pensamento em grupo (quem aqui já deixou de dar alguma opinião em uma reunião? Eu já). Tendemos a ajustar nossas opiniões devido ao suposto consenso. Não estou querendo dizer para você ser um rebelde em meio a sociedade ou aos seus colegas de trabalho, mas, é sempre importante ter os advogados do diabo presentes em uma reunião.

Um viés que é bem frequente, seja no nosso âmbito profissional como pessoal, é a falácia do custo irrecuperável. Por que é tão difícil interrompermos um projeto que está dando errado quando já investimos muito tempo, energia e dinheiro? Quanto mais aplicamos esforço e dinheiro a algo, mais difícil é desapegarmos. Decidir racionalmente é ignorar os custos acumulados. Errar é humano. Persistir no erro, bom, essa vocês sabem completar.

Outro viés comum que acontece, principalmente nas práticas de pesquisa, é o viés da informação. Temos a ilusão de que "quanto mais informação, melhor" e mais garantida é a tomada de uma melhor decisão. Procure avaliar o quanto a informação impacta na sua decisão e tente se virar com os fatos por si só, ao invés de reunir todos os dados, ao contrário, você pode acabar tendo noites perdidas de sono atrás de informações a mais.

Há muitos outros vieses que influenciam a nossa forma de pensar e de tomar uma decisão. Mas, só pelo fato de você conhecer alguns e começar a prestar atenção à maneira como o seu inconsciente reage a eles, você estará preparado para tomar decisões mais eficazes.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux
não clique