Arquivo 2020

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Product Designer na Zup Innovation e Cofundadora da Redesign for All
Tetraplégica, empresária, palestrante

Liliane é Product Designer na Zup Innovation e Cofundadora da Redesign for All, empresa especializada em inovação através do Design Inclusivo e Acessibilidade. Ela se apaixonou pelo design após sofrer um erro médico que a deixou tetraplégica e defende que suas experiências com a inacessibilidade são oportunidades para provar que o Design junto à Acessibilidade são ferramentas que geram inovação na usabilidade dos produtos e amplitude de entrega dos serviços.

Liliane Claudia
Escute este artigo

Ao final de 2019, muito se falava sobre a acessibilidade ser uma das principais tendências no meio digital em 2020. Me lembro que para escrever meu artigo no Design 2020, fiz algumas pesquisas sobre o assunto e apontei para uma previsão de que 2020 seria um ano com grandes oportunidades para a comunidade de Design voltar o olhar para as diferentes formas de usabilidade das pessoas com deficiência.

Escrevi sobre acessibilidade, UX e dados como soluções que atendam a todos, destacando como quando nós designers incluímos diferentes necessidades de usabilidade nos processos de criação dos produtos, a acessibilidade realmente é contemplada. Naquele momento eu vislumbrei a expansão do tema através do projeto Design 2020 - e a pandemia acelerou para um cenário tangivelmente real.

Com o artigo publicado em fevereiro, meu trabalho teve maior visibilidade na internet e, em abril, fui convidada a integrar o time de fundadoras da Redesign for All, empresa especializada em inovação de produtos e serviços através do Design Inclusivo e Acessibilidade. Eu buscava oportunidades para romper alguns paradigmas sobre a aplicação de acessibilidade nos produtos digitais e, o propósito para o qual estava sendo destinada a trabalhar na empresa, fazia match com a minha busca.

A pandemia causada pelo COVID 19 estava em fase inicial e seguiu progredindo para uma situação de isolamento social no mundo inteiro. Essa experiência concretizou as previsões para a acessibilidade em 2020 como uma necessidade urgente das empresas, desmistificando a ideia de que recursos acessíveis só deveriam ser aplicados se houvessem pessoas com deficiência como personas do produto.

Por isso, a aceleração da acessibilidade digital durante a pandemia é uma excelente oportunidade de evoluirmos os aprendizados para 2021.

Acessibilidade não é só para pessoas com deficiência usarem.

O foco restrito em aplicar acessibilidade em um site por meio de verificadores automáticos e/ou sendo tratada como um item de scorecard, por exemplo, não garante que o produto esteja acessível. A performance da acessibilidade deve ser direcionada à perspectiva da usabilidade de pessoas reais, em momentos de proximidade que gerem conhecimento sobre suas necessidades cotidianas. Essa é uma excelente forma de descobrir features que inovam produtos.

Um exemplo bastante claro foi o que aconteceu com os softwares de videoconferência.

Durante a pandemia, surgiu a necessidade da adequação das empresas ao trabalho remoto e, por causa disso, os produtos receberam um grande número de novos usuários; que significou pessoas com necessidades diferentes em situações diversas. Com isso, a Microsoft, o Google e outras empresas que oferecem produtos para o universo digital entenderam a indispensabilidade de adequar suas plataformas de videoconferência com recursos da acessibilidade digital, como a legenda para quem está em casa num ambiente barulhento e não consegue escutar a reunião durante o trabalho.

O interessante nesse contexto, é que esses softwares já deveriam ter sido evoluídos com recursos acessíveis direcionados à usabilidade das pessoas surdas. E o contexto de necessidades durante a pandemia confirmou o quanto a acessibilidade não passa só por pessoas com deficiência.

A tecnologia oferece potencial para gerar acesso ao trabalho na área tech.

A adoção do trabalho remoto pelas empresas foi um facilitador para que mais oportunidades de trabalho para pessoas com deficiência se abrissem na área tech. Essa visão se dá pelo fato da comunicação e entregas serem feitas através de um computador, recurso com potenciais a serem explorados cada vez mais.

Um exemplo de como essa transformação aconteceu durante a pandemia, foi a minha primeira experiência de contratação para trabalhar em uma empresa, ao final do mês de junho. Isso só foi possível porque uso uma tecnologia assistiva que me proporciona independência ao trabalhar no computador. Frequentemente me comunico com os times de design, de tech e negócios através do Google Chat ou WhatsApp. Realizo entrevistas por videoconferência e, mesmo que não seja possível fazer anotações e perguntar ao mesmo tempo, posso escolher gravar para analisar depois. Em resumo, todas as limitações que tenho por ser tetraplégica não influenciam meus resultados por que uso recursos da tecnologia para concluir tarefas.

O futuro das oportunidades de negócio tem tudo a ver com a inclusão.

Muitas vezes, concentra-se os processos de Design em métodos rígidos, deixando de lado um recurso extremamente necessário para se entregar soluções acessíveis: dados sobre as diferentes formas de usabilidade das pessoas com deficiência. Esse é um ponto crucial para evoluirmos a acessibilidade como uma oportunidade para o negócio e para não ser compreendida somente como um processo de empatia.

Em meados de 2020, a Redesign for All iniciou a primeira comunidade de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de tecnologia no Brasil, a Deficiência Tech. Nos primeiros 15 dias já tínhamos uma base de 370 pessoas engajadas e, desde lá, venho percebendo que as empresas estão em atraso nos seus processos inclusivos por não terem informações suficientes.

  • O que é necessário para um cego operar o computador?
  • O que é necessário para um surdocego operar o computador?
  • O que é necessário para um surdo oralizado operar o computador?

Entre tantas outras dúvidas…

O aumento na busca por profissionais com deficiência na área de tecnologia também se dá pela especialização da entrega de aplicações acessíveis que, inclusive, está longe de ser um processo apenas empático e sem retorno lucrativo. A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que até 2030, 2 bilhões de pessoas precisarão acessar pelo menos uma tecnologia assistiva para realizar suas tarefas, e a previsão de compras nesse mercado vem crescendo 7,4% ao ano, devendo alcançar US$ 31 bilhões em 2024.

Contudo, ter mais informações sobre as pessoas com deficiência para incluí-las no mercado de trabalho ou para ampliar a oferta do produto, é uma necessidade atual. Além disso, existe também o fato de envelhecermos e precisarmos de recursos acessíveis, como para ler um livro numa interface digital, por exemplo. Segundo projeções feitas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2018, a porcentagem da população com mais de 65 anos era de 9,2%, mas esse número aumentará para 25,5% em 2060.

Ou seja, acessibilidade digital não é só sobre pessoas com deficiência e aplicações difíceis, é sobre o meu e o seu futuro. Sobre o quanto teremos acesso ao uso dos produtos e o quanto as empresas estarão preparadas para inovar num contexto de necessidades diversas.

Estamos saindo de um ano “surpreendente” e o desejo é que cada momento de aprendizado sobre a acessibilidade - além dos citados neste texto - seja um fato motivador para o desenvolvimento de produtos acessíveis em 2021.

Let’s go, designers!

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Na contemporaneidade, o que não é design?

Isadora Ribeiro dos Santos
Isadora Ribeiro dos Santos

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Se você quiser voar, precisa soltar o que te puxa para baixo

Tereza Alux
Tereza Alux

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Por que designers devem aprender No-Code em 2021?

Caio Calderari
Caio Calderari

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Liderança e Maternidade: Qualquer semelhança não é mera coincidência

Bruna Amancio
Bruna Amancio

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

O Product Designer está fora de forma?

Marco Moreira
Marco Moreira

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Líderes do presente

Juliana Marcenal
Juliana Marcenal

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Perspectivas visuais e um conceito social (talvez) necessário

Eduardo Arce
Eduardo Arce

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

Faça seu design orientado por dados

Mumtaz Mesania
Mumtaz Mesania

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Como você enxerga o Design?

Monica Barros
Monica Barros

Levei 8 anos para me definir como UX designer. E eu vou te contar como.

Lais Mastelari
Lais Mastelari

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier
não clique