Arquivo 2020

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
UX Researcher no PicPay

Sou graduada em Publicidade e Propaganda pela USP, técnica em Administração pelo SENAC-MG e estudei Web Design e Design de Interação na Universidade de Bergen (Noruega). Já trabalhei na Youse Seguros e atualmente trabalho como UX Researcher no Picpay e mentora na Mergo User Experience. Meu propósito de vida é entender pessoas e compartilhar conhecimento. No Medium e Instagram crio conteúdo desmistificando técnicas de pesquisa e orientando sobre boas práticas na migração para UX.

Sheylla Lima Souza
Escute este artigo

Como se tornar um herói em UX.

Um jovem herói vive uma vida calma e comum até que um evento inesperado o tira de sua zona conforto e o chama a um novo desafio.

À princípio o herói nega o chamado à aventura. Não acredita que a responsabilidade seja sua ou não se sente capaz.

Até que o encontro com uma figura protetora lhe fornece o conhecimento e as ferramentas para seguir em sua jornada e enfrentar os obstáculos que está destinado a encontrar.

Essa história te soa conhecida?

Essa estrutura narrativa é muito comum e está presente em contos, mitos, livros, filmes e séries desde muito tempo. E nesse artigo você vai descobrir qual é a relação dessa narrativa com líderes do mercado de UX.

Image for post
Histórias cujo roteiro seguem A Jornada do Herói.

Os arquétipos e a Jornada do Herói

Durante anos o psicólogo suíço Carl G. Jung —aluno de Freud— ouviu relatos de sonhos de pacientes em seu consultório.

Depois de um tempo ouvindo os relatos Jung observou que havia um certo padrão entre os seres do universo onírico de seus pacientes. Assim, ele sugeriu que poderia haver um “insconsciente coletivo”.

No insconsciente coletivo é que se encontrariam os “arquétipos”: personagens míticos universais que residem no interior da mente das pessoas em todo o mundo.

Mais tarde, o antropólogo Joseph Campbell percebeu que os arquétipos também se repetiam nos contos de fadas, nos mitos religiosos e diversas outras narrativas através dos tempos e das mais variadas culturas.

Ele analisou essas história e elaborou a Jornada do Herói, uma estrutura narrativa seguida por todos os mitos em algum grau.

O papel dos arquétipos nos mitos é o de simbolizar elementos presentes nos diversos ritos de passagem que experimentamos ao longo da vida, auxiliando o rompimento entre o estágio anterior que se está deixando e a nova condição.

Existem diversos arquétipos e nesse artigo vamos falar sobre O Sábio.

O Arquétipo do Sábio

Embora o Herói seja a figura central da jornada mítica, seu caminho é cercado pela presença de outros indivíduos que têm funções necessárias a seu crescimento.

O Sábio (também chamado de Mentor, Velha ou Velho Sábio): é uma figura positiva que ajuda ou treina o herói e lhe dá certos dons. A figura do mentor representa aquilo que o herói pode se transformar se persistir na sua jornada.

Frequentemente, esta presença protetora se trata de um Herói anterior que já cumpriu seu caminho de renascimento, concluiu o ciclo e agora fornece a outros aquilo de que precisam em suas próprias jornadas.

Obi-Wan Kenoby em Star Wars; Gênio da lâmpada em Aladdin; Gandalf em O Senhor dos Anéis; Dumbledore em Harry Potter.
Personagens que são representações do arquétipo do mentor nos cinemas.

Em Alladin, o Gênio da Lâmpada concede três desejos ao jovem ladrão e o guia na jornada para salvar Agrabah de Jafar.

Harry Potter é levado para Hogwarts e presenteado com a capa da invisibilidade por Dumbledore, que o auxília em sua trajetória para derrotar Voldemort.

Em O Senhor dos anéis, Frodo vai para casa e encontra o mago Gandalf, que o espera com uma mensagem e um envelope. O envelope contém O Anel de Sauron e Gandalf ajuda Frodo a levá-lo para longe do condado.

A Fada Madrinha para Cinderela, Obi-Wan Kenobi para Luke Skywalker, Haymitch Abernathy para Katniss Everdeen…

Em diversas narrativas de mitos, livros, filmes e séries é comum encontrar a presença do mentor, um ser cujo objetivo é organizar e auxiliar o herói em sua jornada.

Não é atoa que o mentor é um arquétipo comum

Sua existência nos mostra a importância da figura do guia, que compartilha conhecimento com mentes em formação.

Pessoas instrutoras, professoras, guias, responsáveis, todos aqueles que ensinam são manifestações desse arquétipo.

Fazendo um pararlelo com o mundo profissional, ao realizar a “migração de área” a pessoa não é apenas uma profissional, mas sim a guerreira, a heroína, aquela que vai em busca da jornada da aventura. E todos à sua volta, participando desse mesmo ritual, têm seu papel: a Sombra, o Governante, o Mentor, etc. mostrando como cada pessoa é uma parte vital dessa sociedade.

Ensinar é um exercício que exige tanto habilidades técnicas, quanto comportamentais. Uma boa pessoa mentora é capaz de:

  • entender as atividades que faz e o porquê
  • explicar conceitos e processos de forma simples
  • dar feedbacks e ajudar outras pessoas a desenvolverem suas habilidade
  • consegue superar seu próprio ego e colocar outros nos holofotes

Assim, a capacidade de ensinar deveria ser uma medida da senioridade de profissionais em todas as áreas e principalmente em UX, onde há um grande movimento de migração.

Como disse Karl Marx: O indivíduo é um ser social.” E o trabalho é uma das formas de estabelecer relação consigo mesmo, com a natureza e com outros indivíduos.

Uma forma de estreitar relações, acelerar o aprendizado e suavizar a passagem (ou migração) é a presença de um mentor. Alguém que oriente e guie jovens profissionais na jornada de transição para esse mundo novo de Experiência do Usuário.

Por isso, é importante quebrar essa mentalidade de buscar sempre profissionais sêniors e começar a buscar pessoas a serem desenvolvidas.

Pra finalizar…

Meu apelo é para profissionais que já estão no mercado, especialmente líderes de times de UX (e áreas relacionadas):

Contrate pessoas com o objetivo de treiná-las!

Dar oportunidade a quem está começando no mercado é uma forma de elevar seu próprio nível profissional e de seu liderados.

Cada vez que você ajuda alguém a se desenvolver, suas habilidades também evoluem um pouco.

Obrigada por ler até aqui! Esse texto foi escrito especialmente para o Design 2021, um projeto colaborativo sobre a visão brasileira sobre design, produto e comunidade.

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Koji Pereira

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti
não clique