Arquivo 2020

2021: um ano para recomeçar (?)

Koji Pereira
Head of Design, Lyft Business
Descendente dos Maxakalís

Koji Pereira é Head of Product Design no time Business da Lyft em São Francisco, EUA. Ele tem mais de 2 décadas de experiência na área de design, trabalhou no Google por 9 anos, lançou produtos 0-1 e trabalhou na equipe de produtos consagrados como: Orkut, Google+, Files by Google, Camera Go, Android TV Data Saver, Who's Down, entre outros. Koji foi também professor no Brasil na IEC-PUC Minas e FUMEC, e também na HARBOUR.SPACE em Barcelona. Ele é evangelista de práticas colaborativas, e inclusivas em Design.

Koji Pereira
Escute este artigo

2021 é um ano de muitas expectativas, e muitos de nós estamos esperando que seja o ano da vacina que faça tudo voltar a normalidade. Não é? Mas se tem algo que aprendi na vida é que criar muitas expectativas gera ansiedade e grande parte das vezes frustração. É claro, quando criamos uma expectativa, estamos criando uma imagem, uma projeção do que esperamos, mas o mundo real é muito mais caótico que nossa imaginação, e 2020 provou isso. Então, no lugar de gerar grandes expectativas, eu queria refletir sobre 2020 e encarar 2021 como mais um ano como qualquer outro, onde precisamos continuar aprendendo e evoluindo.

Não vamos glamourizar a doença e a tristeza que ela trouxe, mas sim, 2020 foi transformador porque nos apresentou uma pandemia inesperada até certo ponto, onde tivemos que repensar a forma de trabalhar, de ajudar outras pessoas, do nosso papel no mundo e da nossa pequenez diante de um vírus. Transformador porque deixou claro problemas que irão se repetir se não pensarmos na forma como nos relacionamos entre nós humanos, e também entre o meio ambiente, e os animais não-humanos. 

O COVID-19 foi identificado pela primeira vez em Wuhan, na China, em Dezembro de 2019. O vírus possivelmente se originou nos “mercados molhados” onde animais de diversas espécies animais vivos são vendidos – nestes amontoados de vidas em jaulas é onde vírus novos nadam de braçada. Esses ambientes criados por humanos se tornaram um acelerador de doenças, animais de biomas diferentes ficam próximos, num encontro entre espécies que se acontecesse naturalmente demoraria anos. Wet markets não são nada novos, e em certos aspectos olhando para trás, 2020 foi apenas mais um ano para pandemias transmitidas por animais em ambientes desenhados por humanos. Vaca louca, H1N1, H7N7, Mers, SARS, para citar algumas. Enquanto humanos demandarem produtos de origem animal, como carne, ovos, leite, mel, couro, pele, e animais continuarem sendo criados em ambientes artificiais, em outras palavras em jaulas onde vírus tem uma maior tendência de se desenvolverem.

E essa pandemia, que parecia algo inesperado, novo, algo que tecnicamente a gente não poderia prever – de certa forma foi prevista. E espero que você não ache que foi só o Bill Gates que sabia disso 5 anos atrás, porque especialistas falam de uma pandemia como o COVID-19 há anos. Não quero bancar a pessoa que proclama “eu te disse”. Não tem nada pior do que a pessoa que diz “eu te disse”, porque além de se auto proclamar saber de algo antes, ela também é uma pessoa que assume a incapacidade de comunicar o que sabia. O que quero dizer é que 2020 não é tão diferente de 97, quando eu com 17 anos tive meus primeiros contatos com a internet discada, fui descobrindo mais sobre um tal veganismo, mesmo sem produtos gourmets veganos que temos hoje, eu de alguma forma sabia que não fazia sentido tirar a vida de tantos animais, afetar o meio ambiente tão negativamente, ali mesmo decidi parar com produtos animais. E olha se não repensarmos, mais pandemias virão.

O que mais já sabíamos há anos atrás?

Em Ferguson, 2014, nos EUA, um garoto preto de 18 anos é morto a tiros pela polícia após roubar uma caixa de cigarros. 2015, No Rio de Janeiro um grupo de 5 amigos moradores de uma favela entre 16 e 20 anos voltavam do Parque de Madureira, quando o carro que estavam foi metralhado pela polícia. Os 5 morreram.

Não vamos deixar pessoas como
João Pedro Mattos virarem estatística

2020 infelizmente não foi diferente, tivemos exemplos no mundo inteiro de injustiça social, de assassinatos de pessoas pretas. Para não deixar de citar alguns nomes: Breonna Taylor, George Floyd, Rayshard Brooks, Daniel Prude, e no Brasil João Pedro Mattos, Kuan Alves de Almeida, Jean Silva, e Fabio dos Santos, e tantos outros e outras. 

Em 2020 os protestos se espalharam pelo mundo por justiça racial e por direitos humanos. Parece que a discussão que até então não era aceita no ambiente de trabalho, virou uma obrigação – pelo menos nos EUA ou na minha bolha do vale do silício. Empresas, pessoas no trabalho começaram a discutir justiça social, justiça racial e acesso. Mas de fato, será que 2020 foi mesmo um ano especial? E será que 2021 será diferente? Eu sempre tento levar as coisas do ponto de vista positivo, pensar que estamos evoluindo. Mas ao mesmo tempo, até quando vamos esperar um novo 2020 para começar a discutir abertamente assuntos tão emergentes como racismo? Até quando vamos dizer que esses assuntos não pertencem ao ambiente de trabalho?

Uma evolução no lugar de um recomeço

Não estou aqui pra negar que 2020 foi um ano difícil, todo mundo que sobreviveu a 2020 deveria receber uma medalha. Mas apesar de difícil, muitas das dificuldades e desafios que passamos, aconteceram e inegavelmente vão voltar a acontecer. 

Em 2021, o que gostaria de ver no lugar de uma expectativa em um recomeço, é uma progressão, uma evolução. O que espero é que continuemos a progredir como sociedade, ouvindo mais umas às outras. 2020 foi o ano onde vários debates foram abertos com a pandemia, com as injustiças raciais, de gênero, de orientação sexual e 2021 deve ser o ano onde esses debates continuam vivos e começam a solidificar como práticas – sim! Dentro e fora do ambiente de trabalho.

Inclusão e equilíbrio

Como todo mundo 2020 foi difícil para mim. Eu tinha acabado de entrar num novo emprego, a empresa que me mudei teve uma onda de demissões em massa – ainda bem, meu time não foi afetado diretamente, mas tive que manter a confiança interna em um momento onde eu mesmo me senti várias vezes perdido. Sim, um gerente pode se sentir perdido. Se estamos juntos temos que estar prontos para nos tornarmos humanos, e muitas vezes não ter a resposta imediata para tudo é a melhor forma de demonstrar liderança.

Nessa onda, eu também acabei montando uma live para ter conversas casuais já que o ambiente de cafezinho não existia mais trabalhando de casa para conversar com profissionais que admiro, acabei reencontrando várias pessoas sensacionais e tive a oportunidade de conversar com John Maeda. Nem preciso citar que como Designer, encontrar com John Maeda em uma conversa, mesmo que via Instagram, foi emocionante e extremamente enriquecedor. No seu livro de 2019 “How to Speak Machine: Computational Thinking for the Rest of Us”, Maeda explica que a tecnologia jamais conseguirá acompanhar essa a evolução que a sociedade precisa ver se quem cria essas tecnologias continua sendo um clube de homens brancos heterossexuais no Vale do Silício. 

Minha conversa com o John Maeda sobre equilíbrio,
disponível no Instagram e Podcast

Eu passei anos no Google na nave mãe em Mountain View tentando criar novos produtos que funcionassem para o máximo possível de pessoas, pelo menos eu achava. Trabalhei em alguns que não foram os melhores sucessos, alguns produtos que tiramos do ar em 1 ano – alguém se lembra de Google+, Google Spaces ou Who’s Down? Só realmente consegui criar algo de extremo sucesso quando olhei para mim mesmo. De onde eu vim, para os problemas que estavam próximos da minha família na periferia de Belo Horizonte. Conversei com pessoas, amigos e familiares, transeuntes na praça 7, e muito frequentemente pessoas me contavam o quanto celulares ficavam imprestáveis em pouco tempo, lentos ou com espaço cheio na memória. Veja bem, para o cidadão não letrado em tecnologia, eles só querem receber uma imagem de um ente querido, jogar um jogo para passar o tempo, eles de fato não sabiam o porque os celulares iam deteriorando lentamente a cada update. Eu me apaixonei por esses problemas – e com um time fenomenal lançamos um produto chamado Files by Google – hoje o gerenciador de arquivos padrão do Android que ajuda usuários a apagar arquivos antigos, liberar espaço e por fim estender um pouco o tempo de vida de celulares Android. Talvez como designer, você que está lendo está acostumado a procurar o último iPhone e fazer seus designs no Figma usando os assets mais novos da última versão, mas a realidade do mundo é que 86% dos usuários de smartphone usam Android, e uma maioria esmagadora de usuários ~80% tem um telefone que custa não muito mais que 350 dólares, em uma conexão limitada pré-paga. Então, para quem você faz design?

Enquanto nós estamos atrás de assets pra Figma do mais novo iPhone. Na Índia esses dois
celulares são um dos mais populares, com vendas de mais de 70 milhões de unidades em dois anos

Claro, antes do produto se tornar um sucesso com 500 milhões de usuários por mês, fizemos pesquisas na Índia, Indonésia, Tailândia e Brasil, incluindo as conversas que tive na praça 7. Mas o que realmente fez a diferença pra mim é que trabalhamos com pessoas que sabiam exatamente o que é ter celular que não funciona. Nosso time era composto por pessoas que cresceram com as limitações de acesso a tecnologia, com internet lenta, celulares baratos e computadores antiquados. Com um time diverso de gente dos mesmos lugares que fazemos pesquisa, como eu que cresci na periferia da zona norte de BH – a gente criou um produto que funciona para “gente como a gente” ao contrário daquela bolha costumeira do Vale do Silício.

Esse é um exemplo pequeno da potência que vejo em times diversos e inclusivos. Se você está criando um time, tenha certeza que você tenha uma representação boa do que é o mundo real, esse espectro multicolorido, com pessoas de diferentes criações, religiões, gêneros, etnias, ancestralidades, idades, orientações sexuais, necessidades especiais, posições políticas, etc. No final das contas, para criar tecnologias que realmente importam para o mundo e não só para seu grupo de pessoas parecidas com você, é preciso acabar com o grupo de pessoas parecidas em times. Vamos usar 2021 para evoluir!

Deploy.me
Desenvolva sua carreira em UX Design, Produto e Dados com bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do Brasil e do mundo. How. Skills, not degrees.
15%OFF código:
DESIGN2021

Explore outros temas

Reflexões sobre a Escuta no Design de Experiências

Denise Rocha
Denise Rocha

Voltando às raízes para um design acessível

Maju Santos
Maju Santos

Subiu, e agora? Como medir o sucesso e a performance do Design

Fernanda Magalhães
Fernanda Magalhães

Design Ético: como nós, pessoas que consomem e desenvolvem, podemos atuar

Bianca Brancaleone
Bianca Brancaleone

Precisamos falar sobre saúde mental em design

Marianna Piacesi
Marianna Piacesi

Como construir maturidade de Design em empresas em transformação digital

Bianca Faraj
Bianca Faraj

O bom design durante os sintomas da pandemia

David Arty
David Arty

Como vamos projetar serviços e produtos digitais na era da economia de vigilância?

Janayna Velozo
Janayna Velozo

Por uma comunidade de design mais aberta e colaborativa

Karina Tronkos
Karina Tronkos

Como Designers estamos preparados para um mundo que precisa de regeneração?

Barbara Villar
Barbara Villar

POs e PMs e suas relações com acessibilidade

Livia Gabos
Livia Gabos

Empreender e pivotar na profissão designer

Marcelo Leal Felix
Marcelo Leal Felix

Co-design: Não é só sobre Design

Wander Vieira
Wander Vieira

A motivação por trás de novos hábitos

Nathalia Cabral
Nathalia Cabral

Transição de carreira e diversidade

Liliane Oliveira
Liliane Oliveira

As pegadinhas do nosso cérebro

Renata Carriel
Renata Carriel

O Design no ano 21 do século 21: educação e trabalho pela cibercultura

André Grilo
André Grilo

Design de experiência contra o racismo algorítmico

Polli Lopes
Polli Lopes

Multiculturalismo remoto

Tai Civita
Tai Civita

Aprendizados para 2021 sobre a acessibilidade digital em 2020

Liliane Claudia
Liliane Claudia

É responsabilidade de quem?

Vinícius Gomes
Vinícius Gomes

Métricas de UX: O que são, onde vivem e do que se alimentam?

Rafa Brandão
Rafa Brandão

Vamos parar de falar em Produto e vamos falar em Design de Serviço?

Erico Fileno
Erico Fileno

Cultura de UX sob aspecto da linguagem

Melina Alves
Melina Alves

A síndrome de impostor no design, o “outro” inatingível e ambientes tóxicos

Thomas Castro
Thomas Castro

3 passos para mudança do mindset do time comercial

Rafael Xavier
Rafael Xavier

UX Writing: o desafio constante de aprender a se comunicar

Camila Gaidarji
Camila Gaidarji

A Maturidade do Designer UX

Ioná Dourado
Ioná Dourado

Liderança em Design: 5 dicas para quem quer virar Líder de Design

Victor Zanini
Victor Zanini

Menos sobre nomenclaturas e mais foco no que precisa ser feito

Renan Manço
Renan Manço

Finalmente uma descentralização geográfica do design brasileiro?

Larissa Trindade
Larissa Trindade

Designer é solucionador de problemas ou colonizador?

Fernando França
Fernando França

Design é uma conversa cultural

Julia Nascimento
Julia Nascimento

Design como fator de mudança para processos, cultura e maturidade nas empresas

Bruce Namatame
Bruce Namatame

Vulnerabilidade e o primeiro passo contra a impostora

Tamy Lemos
Tamy Lemos

UX Research na Era Inteligente

Gabriel Bastos
Gabriel Bastos

Design realmente centrado no humano

Nina Telles
Nina Telles

Preparando um time para o sucesso

David Pacheco
David Pacheco

Desobediências conceituais no Design

Andrei Gurgel
Andrei Gurgel

Liderança inclusiva, design e autoconhecimento

Thaly Sanches
Thaly Sanches

A inevitável mudança do Design no "pós-pandemia"

Thoz
Thoz

A antiga, porém nova verdade sobre DesignOps

Guilherme Gonzalez
Guilherme Gonzalez

Uma carta para a Crítica

Vitor Amorim
Vitor Amorim

UX Design não é modinha, é negócio

Luan Mateus
Luan Mateus

Pare de seguir os velhos padrões visuais

Raniel Oliveira
Raniel Oliveira

Design, um esporte coletivo e colaborativo

Beto Lima
Beto Lima

E se a inovação pudesse ser guiada por processos de design mais colaborativos?

Larisa Paes de Lima
Larisa Paes de Lima

21 coisas que tem que acabar em UX design para 2021

Rafaela de Souza da Silva
Rafaela de Souza da Silva

O design não vai salvar o mundo! Ou vai?

Bruna Castro
Bruna Castro

Confissões de um designer apaixonado

Jane Vita
Jane Vita

Uma nova visão holística do design

Bel Araújo
Bel Araújo

Não coma o marshmallow

Camila Borja
Camila Borja

O que 2021 promete, além da vacina? Design Ops e Acessibilidade!

Paulo Aguilera Filho
Paulo Aguilera Filho

O futuro é plural

Paola Sales
Paola Sales

Designer Produteiro

Robson Ramos
Robson Ramos

Designers will design

Juliana Morozowski
Juliana Morozowski

Design como ferramenta para um mundo melhor

Camila Moletta
Camila Moletta

Você já foi um designer iniciante, Design no interior e Michael Scott

Felipe Marinelli
Felipe Marinelli

UX e o Amanhã da Profissão

Amyris Fernandez
Amyris Fernandez

Inovação em design organizacional: como ser prático na prática? 🚀

Eduardo Maia
Eduardo Maia

A visão de um designer que acredita na política do seu dia-a-dia aplicada a sociedade brasileira

Henrique Peixe
Henrique Peixe

Como a escuta no Design vem se tornando uma aliada em uma sociedade mais inclusiva

Valéria Reis
Valéria Reis

Design e cultura de experimentação

Leandro Lima
Leandro Lima

Um convite para a auto-descoberta

Karen Tie
Karen Tie

ROI do Design e o Cafezinho

Felipe Melo Guimarães
Felipe Melo Guimarães

Como quase ter virado um Product Manager me fez ser um Product Designer melhor

Filipe Bitencourt
Filipe Bitencourt

A crescente importância de tudo o que não sabemos

Bruno Canato
Bruno Canato

Design ético em pauta

Lucas Cruz
Lucas Cruz

Sua experiência com o futuro do trabalho está diretamente relacionada a quanto você se conhece

Kpelo
Kpelo

Receita de UX Designer

Leandro Rezende
Leandro Rezende

Experiência do Usuário Surdo

Beatriz Lonskis
Beatriz Lonskis

UI Designer? Deus me livre, mas quem me dera!

Adelmo Neto
Adelmo Neto

O design pode mudar o mundo

Renato Paixão
Renato Paixão

O designer nômade

Leo Ehrlich
Leo Ehrlich

O Designer é a Interface - Desafios do design e experiência do usuário em tempos de isolamento social

Ubiratan Silva
Ubiratan Silva

Design, liderança e ambientes seguros: reflexões e sugestões

Vinícius Vieira
Vinícius Vieira

O conceito equivocado de público-alvo que exclui pessoas

Talita Pagani
Talita Pagani

Que em 2021 tenhamos tempo, dinheiro e saúde para fazer a diferença

Thiago Hassu
Thiago Hassu

UX + LGPD. A privacidade do usuário na era dos dados

Hideki Katsumoto
Hideki Katsumoto

Você aprende aquilo com que se importa

Denise Pilar
Denise Pilar

Visualizando os dados da comunidade de UX no Brasil

Carolina Leslie
Carolina Leslie

"Fosse ou não à escola, eu estudava."

Ariana Dias Neves
Ariana Dias Neves

Designer Sobrevivente

Humberto Matos Valério da Silva
Humberto Matos Valério da Silva

Design do Amanhã

Natalí Garcia
Natalí Garcia

Pensando design além da interface

Juliana Akemi Segawa Cangussu
Juliana Akemi Segawa Cangussu

O papel do designer na desconstrução do ciclo da invisibilidade

Joyce Rocha
Joyce Rocha

Design não é para todos, mas pode ser

Valéria Romano
Valéria Romano

Fale com o seu ambiente e as novas experiências conversacionais

Caio Calado
Caio Calado

Sou Designer, onde vou usar a fórmula de bháskara?

Rafael Miashiro
Rafael Miashiro

O Design e os trem por trás das coisa: Soft Skills, Multipotenciais e Polímatas

Brunão
Brunão

Design para um time

Thais Yabuuti
Thais Yabuuti

A Jornada do Mentor - Como se tornar um herói em UX

Sheylla Lima Souza
Sheylla Lima Souza
não clique